Chan-e1465531919464

A gratidão para com os pais deve ser demonstrada enquanto é possível

Todos os anos, o segundo domingo de maio é o Dia da Mãe, e o terceiro domingo de junho é o Dia do Pai. Com a chegada destas duas ocasiões, os filhos e filhas enviam os seus presentes e votos de felicidade aos pais, combinando talvez ainda um jantar num restaurante com os seus entes queridos. Contudo, atualmente, estas atividades são muitas vezes adiadas ou canceladas com desculpas relacionadas com o trabalho ou a existência de planos anteriores com amigos. No dia da mãe deste ano, um amigo emigrado nos Estados Unidos escreveu um artigo de opinião sobre este dia, afirmando que a piedade filial para com as mães deve ser demonstrada a tempo, caso contrário o tempo pode retirar estas oportunidades de forma inesperada. Citando os exemplos de Zi Lu, discípulo de Confúcio, e Jackie Chan, que se afastaram dos pais, aconselhou todos a demonstrarem a sua gratidão de forma atempada, para evitar arrependimentos.

No seu artigo, muito bem escrito, refere a história de um faisão na Califórnia que se sacrifica para salvar os seus ovos durante um incêndio, e um poema de Bai Juyi da dinastia Tang, assim como a história verídica de uma mulher que procurou a sua filha por todo o país durante nove anos, demonstrando a força do amor maternal e a tristeza de perder uma mãe.

Estas histórias, como a piedade filial de Zi Lu, o faisão que protege os ovos, Jackie Chan a chorar pela sua mãe, o corvo do poema de Bai Juyi e a mãe que procura a filha, já são do conhecimento de todos, seja pelas narrações dos livros, pelas notícias, ou pelas histórias do professor Choi Chun Heng na TDM.

Embora o artigo se debruce sobre o tema do Dia da Mãe, não fazendo alusão aos pais, acredito que o segundo tema será deixado para a ocasião do Dia do Pai.

O Dia do Pai chega apenas no terceiro domingo de junho, e escrever agora sobre ele parece prematuro. Para além disso, na literatura, são menos os textos que lembram os pais do que aqueles que lembram as mães. Contudo, no clássico “San Zi Jing”, as passagens “Alimentar sem ensinar é culpa do pai” e “Dou, das colinas da andorinha, seguiu o método certo. Ensinou os cinco filhos, cada um dos quais elevou a reputação da família” falam sobre a educação dos filhos. A passagem “Dou, das colinas da andorinha” é a razão pela qual atualmente se chama “Velho Dou” aos pais em cantonês. O nome completo de Dou das colinas da andorinha era Dou Yujun, um homem do período das Cinco Dinastias que, segundo as histórias, viveu de forma frugal e caridosa, tendo depois tido cinco filhos: Dou Yi, Dou Yan, Dou Kan, Dou Cheng e Dou Xi. Dou Yujun deu aos seus filhos uma ótima educação, e estes posteriormente adquiriram cargos elevados servindo na corte, sendo apelidados de “os cinco dragões Dou”. Para além destes, sobre os pais temos ainda o trabalho dos dois calígrafos de apelido Wang (Wang Xizhi e Wang Xianzhi), e dos três gigantes literários de apelido Su (Su Xun, Su Shi e Su Zhe).

Embora, no passado, o assunto das figuras paternais incidisse principalmente sobre a educação das crianças, hoje em dia são as mães que se ocupam mais com esta tarefa, e os assuntos dos infantários, da escola e até mesmo da universidade são uma fonte de preocupação principalmente para elas. A expressão “tiger mother” (mãe-tigre), também é prova da importância que as mães dão à educação dos filhos. Será que então os pais não se interessam com o futuro dos seus filhos? É claro que não. Apenas, na divisão de tarefas domésticas, se ocupam mais com as questões financeiras, e também não possuem o mesmo cuidado meticuloso das mulheres nos assuntos do quotidiano. Em suma, o afeto dos pais e mães pelos filhos faz parte da sua natureza. Como podem os filhos não demonstrar a sua gratidão?

Embora o Dia da Mãe já tenha passado, já tendo sido enviadas as flores e comidos os jantares, o Dia do Pai ainda está para vir. Caso queira oferecer um presente ao seu pai, deixo-lhe um conselho: não deixe os seus pais em casa. Não combine nada com os seus amigos ou colegas. Converse com os seus pais, aproveite a saúde que ainda têm, ouça a conversa animada da mãe e as palavras diretas e curtas do pai. Para si, que tanto trabalha, esta é a altura certa. 

DAVID Chan 

Artigos relacionados

 
 

“Há uma geração que irá sempre olhar para a China por causa de Macau, e agora outra que olha para a China onde também está Macau”

O tempo e o pragmatismo das relações luso-chinesas, 18 anos após a entrega de Macau, deixam Lisboa mais indiferente à evolução sociopolítica de Macau. Raquel Vaz-Pinto vê o distanciamento como inevitável, numa altura em que, por outro lado, a China está cada vez mais presente em Portugal. A politóloga, especialista em política externa chinesa, admite que

“É inútil ter medo”

Se perder o lugar de deputado depois de ir a tribunal, Sulu Sou promete não desistir da política. A Associação Novo Macau ainda não sabe o que vai fazer caso o ativista seja obrigado a abandonar a assembleia. O julgamento está marcado para dia 9 de janeiro. Foi eleito deputado dia 17 de setembro. Quase

Bruxelas exige “compromisso de alto nível” para tirar Macau da lista negra

A revisão da decisão tomada a 5 de dezembro pode ser feita a qualquer altura, indica responsável da UE. Sanções por falta de cooperação fiscal excluem Macau de projetos em África que tenham financiamento do bloco.  Macau poderá ser retirada a qualquer altura da lista da União Europeia de jurisdições não-cooperantes em matéria fiscal. Para tal,

Novo nome e nova rota para os 18 anos da RAEM

O “Desfile Internacional de Macau”, integrado nas comemorações do 18º aniversário do estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau, vai sair à rua no domingo, dia 17 de dezembro, com uma nova rota, a previsão de mais público e um orçamento de 16 milhões de patacas.  De acordo com Leung Hio Ming, presidente do Instituto Cultural

Uma China à conquista do mundo

Uma malha ferroviária até à Europa, gasodutos desde o Turquemenistão e Birmânia ou novos portos em Moçambique e Geórgia anunciam uma “nova era”, na qual a China Continental ocupará o “centro” da futura ordem mundial. “É uma mudança histórica na posição da China no mundo”, explica He Yafei, antigo vice-ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, durante

Eletricidade, um bem de luxo

Num momento em que as autoridades guineenses apostam no desenvolvimento de setores como o turismo e a agricultura para fomentar o crescimento económico do país, a Guiné-Bissau não pode, nem deve descurar a eletrificação do seu território, que ainda é incipiente. Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), disponibilizados no último relatório da Conferência