foto habitações

A questão da habitação

Sucessivos estudos têm mostrado à saciedade que a questão da  habitação assume uma posição cimeira na lista de preocupações e prioridades da sociedade local. Não admira. De acordo com dados da Direção dos Serviços de Estatística e Censos, o índice de preços da habitação saltou 27 % entre o primeiro trimestre de 2016 e o quarto trimestre de 2017. Estava à vista desarmada que o tigre da especulação imobiliária tinha saído novamente da jaula à boleia da recuperação do setor do jogo. Contudo, o Governo parecia estar a fazer ouvidos de mercador nas Linhas de Ação Governativa em novembro, altura em que ficaram de fora do documento novas medidas para arrefecer o setor do imobiliário. Em poucas semanas os ventos mudaram. Em meados de dezembro, aquando da visita anual a Pequim para balanço da ação governativa, o Chefe do Executivo informou o Presidente, Xi Jinping, e o Primeiro-Ministro, Li Keqiang, que o Governo iria agir para controlar a especulação no mercado da propriedade.

Os detalhes foram agora conhecidos e prontamente aprovados esta semana pelos deputados, via procedimento de emergência. São passos em frente o aumento do imposto de selo sobre aquisição de segundo e posteriores imóveis, o fim da isenção da contribuição predial aos prédios arrendados que estejam devolutos e a subida dos limites de rácio dos empréstimos hipotecários destinados à aquisição de habitação por parte de jovens (dos 21 aos 44 anos). Contudo, há razões fundadas para uma boa dose de ceticismo. As rondas anteriores de medidas destinadas ao arrefecimento do setor tiveram, invariavelmente, efeitos limitados, que foram torneados rapidamente pelo omnipotente mercado. 

E desta vez, irá o tigre regressar à jaula? Ou ficar confinado a um espaço delimitado de modo a que não coma uma fatia galopante do rendimento disponível das famílias? E a habitação pública? E a nova lei do arrendamento irá produzir os efeitos desejados? E as condições de habitação de muitos dos 180.000 trabalhadores não residentes? 

 09.02.2018

Artigos relacionados

 
 

Turismo para dinamizar relações

União Europeia (UE) aposta no turismo e tecnologias verdes para reforçar laços com Macau. Chefe do Gabinete da UE para Macau e Hong Kong também salienta cooperação jurídica e reforço de direitos como vetores importantes.  O turismo será a próxima área chave para a cooperação entre União Europeia (UE) e Macau, referiu ao PLATAFORMA Carmen

“Estou muito atento à questão dos direitos, liberdades e garantias”

Leonel Alves diz ter algum receio face a eventuais alterações ao Código Penal e Código de Processo Penal. Salienta que é preciso preservar os direitos fundamentais e defende diálogo com especialistas da China continental.  Considera que o futuro Chefe do Executivo deve ter um bom conhecimento económico, mas não exclui nenhum dos nomes mais falados:

Maioria absoluta, mas não total

A coligação opositora em Timor-Leste venceu as eleições com maioria absoluta, derrotando nas urnas o partido no poder, a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin).  Este resultado põe fim a oito meses de tensão política no país, mas não dá o poder político total à Aliança de Mudança para o Progresso (AMP), liderada por Xanana

Mão pesada para Sulu Sou

O Ministério Público pediu pena de prisão efetiva para o deputado suspenso Sulu Sou e para o ativista Scott Chiang durante o julgamento que envolve os dois membros da Associação Novo Macau, segundo o canal português da Rádio Macau. Ambos são acusados do crime de desobediência qualificada na sequência de uma manifestação organizada em 2016

EDP: Mercado à espera que CTG suba a parada

O valor oferecido pela China Three Gorges pelo controlo da EDP é considerado baixo pela administração da empresa, analistas e mercado – que segue a valorizar as cotações da elétrica acima da proposta de OPA. Com o mercado a dar mais pela EDP do que a China Three Gorges, são fortes as expectativas de uma

Vida depois do “fim do mundo”: Wenchuan dez anos depois

Em Beichuan, província de Sichuan, o tempo parou. Nesta cidade que em tempos alojou 160 mil pessoas, os únicos sinais de vida hoje são as borboletas que sobrevoam os destroços das habitações, edifícios e carros destruídos.  No dia 12 de maio de 2008, às 14 horas e 28 minutos, Sichuan foi atingido por um terramoto