foto habitações

A questão da habitação

Sucessivos estudos têm mostrado à saciedade que a questão da  habitação assume uma posição cimeira na lista de preocupações e prioridades da sociedade local. Não admira. De acordo com dados da Direção dos Serviços de Estatística e Censos, o índice de preços da habitação saltou 27 % entre o primeiro trimestre de 2016 e o quarto trimestre de 2017. Estava à vista desarmada que o tigre da especulação imobiliária tinha saído novamente da jaula à boleia da recuperação do setor do jogo. Contudo, o Governo parecia estar a fazer ouvidos de mercador nas Linhas de Ação Governativa em novembro, altura em que ficaram de fora do documento novas medidas para arrefecer o setor do imobiliário. Em poucas semanas os ventos mudaram. Em meados de dezembro, aquando da visita anual a Pequim para balanço da ação governativa, o Chefe do Executivo informou o Presidente, Xi Jinping, e o Primeiro-Ministro, Li Keqiang, que o Governo iria agir para controlar a especulação no mercado da propriedade.

Os detalhes foram agora conhecidos e prontamente aprovados esta semana pelos deputados, via procedimento de emergência. São passos em frente o aumento do imposto de selo sobre aquisição de segundo e posteriores imóveis, o fim da isenção da contribuição predial aos prédios arrendados que estejam devolutos e a subida dos limites de rácio dos empréstimos hipotecários destinados à aquisição de habitação por parte de jovens (dos 21 aos 44 anos). Contudo, há razões fundadas para uma boa dose de ceticismo. As rondas anteriores de medidas destinadas ao arrefecimento do setor tiveram, invariavelmente, efeitos limitados, que foram torneados rapidamente pelo omnipotente mercado. 

E desta vez, irá o tigre regressar à jaula? Ou ficar confinado a um espaço delimitado de modo a que não coma uma fatia galopante do rendimento disponível das famílias? E a habitação pública? E a nova lei do arrendamento irá produzir os efeitos desejados? E as condições de habitação de muitos dos 180.000 trabalhadores não residentes? 

 09.02.2018

Artigos relacionados

 
 

“Tiananmen foi o acontecimento mais extraordinário a que assisti”

Mark O’Neill revisita uma carreira de quatro décadas como jornalista e escritor na Grande China. Fala das transformações que testemunhou e do seu interesse crescente pela História da China. Chegou a Hong Kong, oriundo de Londres, em 1978, ano em que Deng Xiaoping lançava o plano de reformas económicas na China continental. Nos 40 anos

Prioridade nas creches é pouco

Mais de quatro mil famílias receberam, no ano passado, subsídios do Governo destinados a agregados vulneráveis. O Instituto de Ação Social desconhece, no entanto, quantas crianças estão em situação precária. A partir deste ano, as famílias carenciadas passam a ter prioridade nas creches subsidiadas pelo Executivo.  As creches apoiadas pelo Governo vão passar a ter

“Não me apetece repetir fórmulas”

A jornalista portuguesa Isabel Lucas vem a Macau curiosa com uma cultura que ainda chega pouco à Europa. Em entrevista ao PLATAFORMA, fala da experiência que foi escrever um livro de mochila e literatura às costas pelos Estados Unidos. Pensa em repetir a experiência, mas sem repetir fórmulas. Cada sítio, diz, pede uma abordagem. “Viagem

Buraco em Angola sobe para 3.000 milhões de euros em 2018

O ‘buraco’ nas contas públicas de Angola em 2018 deverá subir para quase 800 mil milhões de kwanzas (3.000 milhões de euros) face ao aumento da despesa com a contração de 20.000 professores e 1.500 médicos, não prevista no orçamento inicialmente preparado pelo Governo. Em causa está a lei do Orçamento Geral do Estado (OGE)

Fernando Pessoa (Pei Suo A) à conquista da China

Foi só em 1999 que uma obra de Fernando Pessoa foi pela primeira vez publicada na China continental, mas escritores e artistas do país não hesitam em apontar o português como um dos mais “influentes e profundos” poetas do século XX. Cheng Yisheng, que traduziu os poemas de Alberto Caeiro para chinês, revela que Pessoa

Ano do Cão: a prova de fogo

O tufão Hato é o acontecimento em destaque no ano chinês que termina hoje. Amanhã começa o Ano do Cão. é a recta final do governo. este ano será a última vez que chui sai on apresenta as linhas de ação governativa. Espera-se um líder mais capaz de resolver os problemas que incomodam a população