chan

Bons ventos para os Jogos Olímpicos de Inverno

As duas Coreias realizaram um diálogo no dia 9 do presente mês onde constou a participação de uma delegação norte-coreana nos Jogos Olímpicos de Inverno em Pyeongchang, Coreia do Sul, assim como uma discussão sobre os problemas nas suas relações bilaterais. 

Este é o primeiro diálogo formal entre as duas Coreias em quase dois anos. Este diálogo direto acontece devido ao facto de, desde final de novembro do ano passado, depois de a Coreia do Norte ter lançado o míssil Hwasong-15, não terem ocorrido mais testes deste tipo. 

Depois do maior exercício militar de forças aéreas até à data por parte dos EUA e da Coreia do Sul, o presidente sul-coreano, Moon Jaein, propôs o adiamento de quaisquer exercícios militares com os EUA durante os Jogos Olímpicos de Inverno, embora o Secretário da Defesa norte-americano, Jim Mattis, o tenha negado. 

No entanto, depois de um telefonema entre Moon Jaein e Donald Trump, os EUA aceitaram a proposta sul-coreana de adiar qualquer exercício militar marcado para esta altura. Apesar de Donald Trump afirmar que a sua postura dura em relação à Coreia do Norte foi o que esteve na origem deste diálogo, mais tarde o próprio admitiu na rede social Twitter que este diálogo entre as duas Coreias é algo de positivo. 

O presidente norte-americano disse também que os EUA estão prontos para participar nestes diálogos na altura apropriada. A razão pela qual a Coreia do Sul e a Coreia do Norte conseguiram desta vez mostrar boa vontade numa altura tão tensa foi o facto de o presidente sul-coreano, Moon Jaein, ter utilizado o espírito olímpico para evocar um certo nacionalismo por parte da Coreia do Norte e fazer com que esta envie uma delegação para os Jogos Olímpicos de Inverno e, por outro lado, persuadindo os EUA a não realizarem exercícios militares nessa altura. 

Este diálogo entre Coreias foi assim conseguido através da realização da proposta chinesa de “dupla pausa”. 

No que toca a este diálogo, a comunidade internacional tem seguido a situação atentamente e manifestado uma boa aceitação, esperando que este acontecimento traga alguma melhoria às tensões entre as Coreias. A China, por sua vez, espera que a comunidade internacional aproveite e apoie estes desenvolvimentos, e que procure formas de aliviar as tensões, promovendo a confiança mútua e o diálogo. 

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Lu Kang, salientou que, como vizinho da península coreana, a China saúda e apoia as recentes medidas positivas por parte de ambas as Coreias para melhorar a sua relação. Lu referiu também que a China tem feito imensos esforços para resolver esta questão, tomando sempre um papel positivo e construtivo. O mesmo disse ainda que iria continuar a dar atenção ao desenvolvimento dos acontecimentos e a promover, ativamente diálogos e negociações. 

Que resultados surgirão a partir deste diálogo entre a Coreia do Sul e a Coreia do Norte? Poderão ou não ser atingidas as expectativas da comunidade internacional? Só o tempo dirá. Mas o que é certo é que Moon Jaein já marcou pontos com este diálogo, tanto a nível nacional como internacional. 

E numa altura de sanções à Coreia do Norte por parte das Nações Unidas, Kim Jong-un recebe aqui uma pequena bênção com a oportunidade de enviar uma delegação para os Jogos Olímpicos. Passam calorosos ventos pelos frígidos Jogos Olímpicos de Inverno, fazendo com que o ano de 2018 comece numa nota positiva. 

DAVID Chan 

Artigos relacionados

 
 

“O altruísmo do espírito cabo-verdiano é tudo o que sempre quis”

Shauna Barbosa é poeta, filha de mãe norte-americana e pai cabo-verdiano. A sua escrita tem o sabor e o ritmo dos dois lados do Atlântico. Cape Verdean Blues, o primeiro livro da autora, está a ser recebido com entusiasmo. Muitos leitores terão ficado a saber da existência da poeta Shauna Barbosa da mesma forma que

“Macau pode fazer mais e melhor”

O presidente do Instituto Politécnico de Macau defende que a região tem de saber tirar maior proveito do que a faz singular: a cultura e língua portuguesas. A presença do português foi uma das batalhas de Lei Heong Iok enquanto liderou a instituição que deixa no próximo mês. Sai do Instituto Politécnico de Macau (IPM)

Cultura com limites

A primeira edição do “Encontro em Macau – festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa” termina no domingo. No fim de semana passado, também teve lugar a primeira edição do Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa. O objetivo é que se tornem eventos

“Presidência pode marcar viragem para consolidação da CPLP”

A ilha cabo-verdiana do Sal acolhe, a 17 e 18 de julho, a XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). A cimeira para a qual está confirmada a presença de oito dos nove chefes de Estado da organização – Timor Leste cancelou a presença –

UNESCO: Lusofonia em peso

Cabo Verde quer garantir já para a semana o apoio de Portugal, Angola e Guiné-Bissau à candidatura conjunta do campo de concentração do Tarrafal a património da Humanidade. São Tomé e Príncipe, e Timor-Leste estão também a planear apresentar candidaturas junto da UNESCO. A cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) começa na

Lusofonia: unidos pelo património

O primeiro “Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa” terminou com um apelo dos dirigentes culturais lusófonos à criação de uma plataforma para a cooperação na proteção do património conjunto, nomeadamente o que se encontra nos países menos desenvolvidos.      Dois dias que souberam a pouco. Foi o que sentiram