170712202622-01-donald-trump-0712

Contribuição construtiva para problemas regionais é bem-vinda

A primeira visita de Donald Trump à Ásia como presidente dos Estados Unidos, que inclui paragens no Japão, República da Coreia, China, Vietname e Filipinas, acontece numa altura crítica, em que os programas nucleares e mísseis da República Popular Democrática da Coreia assombram a região. Prevê-se que o assunto ocupe um lugar de destaque nos diálogos de Trump.

Trump precisa de assegurar aos países que vai visitar que os Estados Unidos irão ter um papel construtivo na busca de uma resolução pacífica ao problema na Península Coreana. O próprio reconhece que o diálogo e a consulta são a única forma viável de abordar este e outros problemas na região.

Muita da especulação antes da visita de Trump à Asia, que começou na sexta-feira passada, tem origem nas anteriores mensagens contraditórias da sua administração. Uma mensagem clara, consistente e positiva, que mostrasse uma vontade de cooperar e contribuir construtivamente para a resolução de problemas na região, contribuiria largamente para tornar estas visitas num sucesso.

A nível regional, Trump precisa de reconhecer que muito mudou desde que o seu antecessor reforçou o papel de liderança dos EUA na região Ásia-Pacífico. A China e a Associação das Nações do Sudeste Asiático estão preparadas para adotar formalmente uma estrutura para um Código de Conduta no Mar do Sul da China durante uma cimeira nas Filipinas, que se irá realizar no fim deste mês. Qualquer tentativa para interromper este processo não é bem-vinda e irá causar uma reação negativa.

Como país que não está diretamente envolvido nas disputas marítimas, e que diz fazer parte da busca pela paz e estabilidade na região e tenta beneficiar da sua vitalidade, os EUA devem seguir o conselho que lhes foi dado de que a sua melhor opção será facilitar este processo construtivo.

A nível de relação entre nações, a visita de Trump à China, que o tornará no primeiro líder internacional a visitar a China desde o 19.º Congresso Nacional do Partido Comunista Chinês, traz uma oportunidade para a China e os EUA resolverem as suas divergências e trazerem um novo vigor à sua colaboração bilateral. Esta tendência não deve ser afetada pelos seus conflitos a nível comercial, entre outros.

Não há nenhuma razão para que, num encontro cara-a-cara, Trump e Xi Jinping não possam continuar o seu anterior “ótimo diálogo”. Tal atitude iria ajudar ambos os lados a passar uma imagem de que são capazes de lidar apropriadamente com as suas divergências e de que estão dispostos e preparados para colaborar, tanto para o seu próprio bem como para o bem da região e do mundo. 

Editorial China Daily

Artigos relacionados

 
 

“A China já não é um mercado de dinheiro fácil”

Nos calcanhares dos EUA, a China é um dos mercados mais dinâmicos para as empresas de tecnologia à procura de investidores. Bessie Lee, da Witihinlink, falou na Web Summit sobre o melhor caminho para lá chegar. Bessie Lee, diretora executiva da incubadora e investidora chinesa Withinlink, foi uma das oradoras da Web Summit, em Lisboa,

“Quando decidi assumir esta posição, sabia que tinha de ser mais cautelosa”

Sabe que vai estar debaixo de olho do Governo e de Pequim agora que lidera a Novo Macau. Kam Sut Leng diz não ter medo das consequências que possam surgir por ser a nova presidente da principal organização democrata de Macau.  Kam Sut Leng é a primeira mulher a assumir a liderança da maior associação

LAG 2018 sem surpresas

O Chefe do Executivo apresentou esta semana na Assembleia Legislativa as Linhas de Ação Governativa (LAG) para 2018. O documento não despertou grande entusiasmo, seguindo a linha do esperado. Deputados deixaram críticas a Chui Sai On sobretudo por anunciar iniciativas sem fixar prazos. Os efeitos do Hato ainda se fazem sentir no debate político. “No documento

Novo impulso à gastronomia com reconhecimento da UNESCO

Foi no passado dia 1 de novembro, que Macau voltou a fazer história. Era já madrugada na região quando a diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, anunciou a designação de “Macau, China” como nova cidade membro da Rede de Cidades Criativas da UNESCO (UNESCO Creative Cities Network – UCCN) na área da Gastronomia.  Essa nova designação

Lusofonia com menos um piloto

O português Tiago Monteiro (Honda Civic) vai falhar a etapa de Macau do campeonato do mundo de carros de turismo (WTCC), no qual é quarto classificado, na sequência do acidente que sofreu há dois meses em Barcelona. A participação lusófona fica assim reduzida a cinco pilotos. Depois de já não ter marcado presença nas últimas duas

A crise e o risco de uma paralização na ciência brasileira

A dualidade do ideograma “crise” no chinês tradicional – “risco” e “oportunidade” – é muitas vezes citada no Brasil, país cujo cenário começa a estabilizar-se depois de dois anos conturbados na gestão política e económica, como um símbolo de motivação. No entanto, para cientistas brasileiros “crise” tem-se traduzido apenas em “risco” de paralização dos seus