170712202622-01-donald-trump-0712

Contribuição construtiva para problemas regionais é bem-vinda

A primeira visita de Donald Trump à Ásia como presidente dos Estados Unidos, que inclui paragens no Japão, República da Coreia, China, Vietname e Filipinas, acontece numa altura crítica, em que os programas nucleares e mísseis da República Popular Democrática da Coreia assombram a região. Prevê-se que o assunto ocupe um lugar de destaque nos diálogos de Trump.

Trump precisa de assegurar aos países que vai visitar que os Estados Unidos irão ter um papel construtivo na busca de uma resolução pacífica ao problema na Península Coreana. O próprio reconhece que o diálogo e a consulta são a única forma viável de abordar este e outros problemas na região.

Muita da especulação antes da visita de Trump à Asia, que começou na sexta-feira passada, tem origem nas anteriores mensagens contraditórias da sua administração. Uma mensagem clara, consistente e positiva, que mostrasse uma vontade de cooperar e contribuir construtivamente para a resolução de problemas na região, contribuiria largamente para tornar estas visitas num sucesso.

A nível regional, Trump precisa de reconhecer que muito mudou desde que o seu antecessor reforçou o papel de liderança dos EUA na região Ásia-Pacífico. A China e a Associação das Nações do Sudeste Asiático estão preparadas para adotar formalmente uma estrutura para um Código de Conduta no Mar do Sul da China durante uma cimeira nas Filipinas, que se irá realizar no fim deste mês. Qualquer tentativa para interromper este processo não é bem-vinda e irá causar uma reação negativa.

Como país que não está diretamente envolvido nas disputas marítimas, e que diz fazer parte da busca pela paz e estabilidade na região e tenta beneficiar da sua vitalidade, os EUA devem seguir o conselho que lhes foi dado de que a sua melhor opção será facilitar este processo construtivo.

A nível de relação entre nações, a visita de Trump à China, que o tornará no primeiro líder internacional a visitar a China desde o 19.º Congresso Nacional do Partido Comunista Chinês, traz uma oportunidade para a China e os EUA resolverem as suas divergências e trazerem um novo vigor à sua colaboração bilateral. Esta tendência não deve ser afetada pelos seus conflitos a nível comercial, entre outros.

Não há nenhuma razão para que, num encontro cara-a-cara, Trump e Xi Jinping não possam continuar o seu anterior “ótimo diálogo”. Tal atitude iria ajudar ambos os lados a passar uma imagem de que são capazes de lidar apropriadamente com as suas divergências e de que estão dispostos e preparados para colaborar, tanto para o seu próprio bem como para o bem da região e do mundo. 

Editorial China Daily

Artigos relacionados

 
 

China e Vaticano, da desconfiança à fé

Pequim e a Santa Sé estão de relações cortadas há 67 anos, mas o diálogo foi retomado, confirma o Cardeal John Tong, apesar da nomeação de bispos continuar a ser um obstáculo. Um académico de Hong Kong acredita que esta “poderá ser uma boa altura” para um avanço nas conversações. “O degelo das relações entre

A (in) segurança da lei

A lei de cibersegurança, em consulta pública, pode pÔr em causa princípios da Lei Básica. Especialistas de diferentes áreas deixam o alerta para o perigo da Polícia Judiciária estar entre as entidades supervisoras. Parece um assunto distante e técnico, mas lidamos com a cibersegurança todos os dias. A utilização de meio eletrónicos como o acesso

Caso Sulu Sou continua a agitar justiça e assembleia

O advogado Ho Kam Meng escusou-se a fazer muitos comentários sobre o processo que corre na justiça contra o deputado suspenso Sulu Sou. Para o causídico, o caso evidencia alguns problemas no sistema, designadamente falta de clareza na legislação relativa aos deputados, os quais merecem a atenção da sociedade.  O julgamento do deputado pró-democracia Sulu

Luta contra a sida: tabu esconde principal exterminadora de adultos em idade ativa

Se Moçambique não conseguir controlar a epidemia de sida nos próximos quatro anos, corre o risco de o combate à doença se tornar financeiramente insuportável porque a população continua a crescer a um ritmo elevado, alerta especialista no país. A sida é a principal causa de morte entre os adultos em idade economicamente ativa em

Fim da linha para a Uber em Macau

A Uber parece ter chegado ao fim da linha em Macau, após a recusa do Governo em atribuir uma licença de táxis à empresa e os tribunais terem rejeitado um pedido de suspensão de quase mil multas, cujo valor total pode atingir mais de 23 milhões de patacas. A Direção para os Assuntos do Tráfego (DSAT)

Salas VIP: o perigo mora ali

O criminologista Liu Jianhong alerta para os perigos das salas VIP dos casinos que ainda não são considerados crime. O académico, que ganhou o equivalente ao Nobel na área da criminologia, defende que é urgente estudar a relação entre os espaços e a criminalidade em Macau. O Governo tem de fazer mais, como investir na investigação,