David Chan_GLP_03

Encontro com Xi durante a Cimeira do G20

líder chinês Xi Jinping e o presidente americano Donald Trump têm um encontro marcado durante a Cimeira do G20 em Buenos Aires, Argentina. No contexto da atual guerra comercial entre os dois países, toda a comunidade internacional está focada nesta reunião, esperando que os dois lados cheguem a um acordo para pôr fim a este conflito.

A posição chinesa sobre a resolução desta guerra comercial é muito clara. A americana, por outro lado, não. Os EUA, além de exercerem pressão constante sobre a China a nível comercial, têm também procurado criar conflitos em outras áreas após o início desta guerra, mas a sua estratégia base não tem sofrido grandes mudanças. Ela inclui, por exemplo, exercer pressão sobre o adversário antes de alguma discussão ou reunião entre os dois lados, de forma a que sejam obtidos maiores benefícios durante as negociações. Por isso, devido à importância deste encontro, a comunidade internacional irá segui-lo mais atentamente do que a Cimeira do G20. Todavia, desta vez quem fez pressão sobre a China em preparação para esta reunião foi o vice-presidente americano, Mike Pence. No passado dia 13 de novembro, o mesmo partilhou com o Washington Post que os EUA estavam dispostos a chegar a um acordo com a China durante a Cimeira do G20, salientando, no entanto, que o lado chinês terá de fazer grandes alterações nas suas atividades económicas, militares e políticas, algumas concessões em assuntos relevantes ao lado americano, e respeitar as normas e regras internacionais. 

Com a última parte da sua declaração, Pence assumiu uma posição mais severa do que Donald Trump nas suas declarações seguintes. Ainda assim, o vice-presidente americano apenas voltou a transmitir as mesmas táticas de negociação já conhecidas pela China. Por isso, em resposta, Hua Chunying, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, expressou a sua confusão. Uma vez que várias vozes do lado americano têm expressado ideias diferentes, não existe forma de saber se Pense fala em lugar de todo o governo americano, ou se está apenas a expressar a sua opinião. A porta-voz continuou: “As relações sino-americanas estão a atravessar um momento extremamente importante. Ambos os lados necessitam de tomar decisões e fazer esforços para garantir um desenvolvimento saudável dos laços entre os dois países. Só assim se irá ao encontro dos interesses das duas populações e do resto do mundo, satisfazendo também a esperança da comunidade internacional.” Hua acrescentou: “A China respeita a soberania, segurança e interesse de desenvolvimento dos Estados Unidos. Da mesma forma, os EUA devem também respeitar a soberania, segurança e interesses de desenvolvimento chineses, assim como os seus ideias nacionais que definem o caminho a seguir. Tal como o líder chinês mencionou durante o seu discurso na cerimónia de abertura da Exposição Internacional de Importações da China (CIIE) este mês, mesmo após 5 mil anos de dificuldades e contratempos o país continua a resistir, e irá continuar a marcar a sua presença olhando para o futuro. A posição do país em relação aos problemas económicos e comerciais é clara e concreta, acreditando que uma cooperação económica e comercial entre os dois países é mutuamente benéfica. Negociações e encontros com base no respeito e benefícios mútuos são a única forma de resolver os atuais problemas.” A porta-voz chinesa salientou também: “No que diz respeito a este assunto, a China não deve nem teme ninguém.” A própria afirmou ainda que ambos os líderes falaram recentemente por telefone, e, durante a conversa, ambos expressaram vontade para um desenvolvimento saudável da sua relação e uma expansão da cooperação económica e comercial sino-americana. É esperado que após este consenso seja definido um plano de cooperação, através de negociações sérias e sinceras com base na igualdade, respeito e benefício mútuos. É desejado também que seja encontrada uma solução aceite por ambos, que garanta o desenvolvimento da relação entre os dois países e a expansão da cooperação económica e comercial. Em relação ao cumprimento de normas internacionais pela China, a porta-voz afirmou que o país tem sido um aluno exemplar. Esta guerra comercial não foi iniciada pela China, e embora o país esteja disposto a fazer algumas concessões para resolver os atuais conflitos, está em causa o direito de um país ao desenvolvimento, e por isso os EUA não conseguirão levar a sua avante, facilmente. Talvez esta guerra veja um fim com este próximo encontro.  

David Chan 30.11.2018

Artigos relacionados

 
 

Índios receiam ameaças do novo Governo

Os índios brasileiros temem que se concretizem as promessas políticas do novo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de atacar os direitos das comunidades tradicionais. As primeiras medidas políticas para o setor estão a acentuar os receios.  Leia mais em Plataforma Media. Carolina de Ré 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

“Os portugueses não podem ser só os expatriados”

O novo cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong defende a importância dos macaenses e dos chineses com nacionalidade portuguesa. Paulo Cunha Alves não teme a integração da cidade no Continente e olha para o projeto da Grande Baía como uma oportunidade da comunidade e cultura portuguesas se afirmarem. O português, diz, pode ser

O Fringe atinge a maioridade

O Festival Fringe de Macau está a completar 18 anos. Para a vice-presidente do Instituto Cultural (IC), Leong Wai Man, no ano em que atinge a maioridade, o festival quer “fazer emergir a arte na sociedade (…) visando proporcionar ao público novas experiências”.  Leia mais em Plataforma Media. Margarida Sajara Vidinha 18.01.2019

País em contagem decrescente

Depois do período natalício praticamente estagnado – até a recolha do lixo na capital esteve praticamente suspensa – Timor-Leste retomou, lentamente, a atividade com todos os olhos postos no Palácio da Presidência. Leia mais em Plataforma Media. António Sampaio 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019