Paulorego

Estado de guerra

Michel de Nôtre Dame, profeta mítico da desgraça, previu a Terceira Guerra Mundial, em 2018, com origem no Médio Oriente. Alvin Toffler, visionário da Terceira Vaga, lá percebeu que afinal íamos na quinta, sexta… ou mais à frente. Donald Trump, Mefistófeles da “guerra comercial”, suspendeu-a para negociar, mas foi ultrapassado pela vertigem da História. A detenção de Meng Wanzhou, CFO e filha do fundador da Huawei, dispara a sirene de quem tem os códigos de as ouvir: a guerra começou. Não analógica; quiçá sem bombas; mas brutal e decisiva para o império digital – e já tem mortos e feridos.

O repórter da BBC que este ano relatou que em sete minutos as autoridades chinesas descobrem quem quer que seja, por reconhecimento facial, mostrou o incrível Império do Meio tecnológico. Calma e discretamente, a Huawei assinava na Europa parcerias que destronam a supremacia americana na física quântica e na inteligência artificial. Mas soou o alarme nos cinco serviços secretos anglo-saxónicos: EUA, Inglaterra, Canadá, Austrália e Nova Zelândia vedaram liminarmente o acesso da marca de bandeira chinesa ao 5G, banda larga ilimitada que revoluciona o acesso – e controlo – ao novo combustível da modernidade: tráfego de dados e internet of things

Meng Wanzhou está a anos-luz de ser uma mera financeira. Acabou de selar acordos na Holanda com o maior conglomerado judaico de nanotecnologia; em plena reunião do G20, na Argentina, ia jantar com Zhang Shoucheng, candidato a Nobel da Física e guru da revolução em curso na indústria dos nano condutores. Meng partia para esse encontro quando é detida no Canadá, alegadamente por ter violado o embargo norte-americano ao Irão. Nesse mesmo dia 1 de dezembro, Zhang aparece morto nos Estados Unidos. Suicídio, na versão oficial; suicidado, para os mais desconfiados.

Ah… Falta a conexão do Médio Oriente, onde desde a era Bush a tecnologia militar e a inteligência artificial norte-americanas trasfegam nas mãos de árabes e judeus para o Extremo Oriente. Se esta não é a visão de Nostradamus, é aquela que hoje se vê. 

Paulo Rego* 14.12.2018

* Administrador, Plataforma Macau|Global Media

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019