Pedro Silva Pereira

Europa: o ano das grandes decisões

Para a União Europeia, 2018 anuncia-se como o ano das grandes decisões: da batalha incontornável pelos valores do Estado de direito na Polónia e noutros países do Leste, ao acordo do Brexit e consequente recomposição do Parlamento Europeu; da cooperação reforçada em matéria de Defesa, à política de imigração e acolhimento dos refugiados; dos acordos comerciais com o Japão e o Mercosul, ao futuro dos fundos comunitários e às orientações da política económica e orçamental.

São muitos os desafios que a União enfrenta e são muitas as escolhas que terão de ser feitas no ano que agora começa, mas nenhuma é mais decisiva e mais estruturante do que a que diz respeito à reforma da União Económica e Monetária. Convém recordar que, para lá da crença neoliberal nas virtudes mágicas da “austeridade expansionista”, que a certa altura tomou conta do pensamento económico dominante, foram as deficiências na arquitetura do euro que impediram uma resposta adequada da Europa à crise financeira, fazendo a Zona Euro mergulhar na dramática crise das dívidas soberanas, cair numa longa e profunda recessão e desaguar num imenso mar de desemprego, agravando ainda mais a divergência entre as economias europeias, semeando o populismo nacionalista e levando o projeto europeu até à beira da rutura. Sem qualquer espécie de exagero, a questão pode, e deve, pôr-se assim: a reforma do euro tornou-se para o projeto europeu um caso de vida ou de morte.

Passada a fase da discussão dos cinco cenários sugeridos pelo presidente Juncker e colocadas sobre a mesa as propostas e as reflexões da Comissão Europeia, começou já a contagem decrescente para a cimeira de Sibiu, na Roménia, agendada para 30 de março (o primeiro dia pós-Brexit), onde se esperam as primeiras decisões sobre o rumo a dar à reforma da União Económica e Monetária.

Por agora, apesar da relativa acalmia política e económica e dos impulsos europeístas de Macron, os sinais são longe de ser animadores. Com a Alemanha ainda sem Governo e a Itália a preparar-se para eleições, o próprio presidente do Conselho, Donald Tusk, veio a terreiro para pôr alguma “água na fervura” e “moderar” as ambições da Comissão, embora elas até tivessem ficado consideravelmente aquém das expectativas, designadamente em matéria de capacidade orçamental e investimento na convergência.

É neste momento absolutamente crítico para o futuro da moeda única e do projeto europeu que Mário Centeno vai iniciar funções como presidente do Eurogrupo. E, decerto, ele sabe bem a importância do que está em causa nesta reforma da União Económica e Monetária: saber se os líderes europeus aprenderam alguma coisa com as lições da história ou se, mais uma vez, vão ficar pelas meias-soluções enquanto esperam pela próxima crise.  

Pedro Silva Pereira*

*Eurodeputado

Artigos relacionados

 
 

“O altruísmo do espírito cabo-verdiano é tudo o que sempre quis”

Shauna Barbosa é poeta, filha de mãe norte-americana e pai cabo-verdiano. A sua escrita tem o sabor e o ritmo dos dois lados do Atlântico. Cape Verdean Blues, o primeiro livro da autora, está a ser recebido com entusiasmo. Muitos leitores terão ficado a saber da existência da poeta Shauna Barbosa da mesma forma que

“Macau pode fazer mais e melhor”

O presidente do Instituto Politécnico de Macau defende que a região tem de saber tirar maior proveito do que a faz singular: a cultura e língua portuguesas. A presença do português foi uma das batalhas de Lei Heong Iok enquanto liderou a instituição que deixa no próximo mês. Sai do Instituto Politécnico de Macau (IPM)

Cultura com limites

A primeira edição do “Encontro em Macau – festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa” termina no domingo. No fim de semana passado, também teve lugar a primeira edição do Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa. O objetivo é que se tornem eventos

“Presidência pode marcar viragem para consolidação da CPLP”

A ilha cabo-verdiana do Sal acolhe, a 17 e 18 de julho, a XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). A cimeira para a qual está confirmada a presença de oito dos nove chefes de Estado da organização – Timor Leste cancelou a presença –

UNESCO: Lusofonia em peso

Cabo Verde quer garantir já para a semana o apoio de Portugal, Angola e Guiné-Bissau à candidatura conjunta do campo de concentração do Tarrafal a património da Humanidade. São Tomé e Príncipe, e Timor-Leste estão também a planear apresentar candidaturas junto da UNESCO. A cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) começa na

Lusofonia: unidos pelo património

O primeiro “Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa” terminou com um apelo dos dirigentes culturais lusófonos à criação de uma plataforma para a cooperação na proteção do património conjunto, nomeadamente o que se encontra nos países menos desenvolvidos.      Dois dias que souberam a pouco. Foi o que sentiram