Editorial-paulo

Má imagem

A questão que importa no debate independentista não é constitucional; é política. Mas a marca mais triste desta crise catalã é a do comportamento do poder central face ao desafio da sua autoridade. A reação de Madrid é pobre, violenta e a todos os títulos condenável.

Há uma dualidade inegável no pensamento político europeu: Madrid é bem mais dura e autoritária com Barcelona do que Pequim alguma vez foi com Hong Kong. E a polícia espanhola, de facto, foi violenta – como nunca se viu em Hong Kong. Se Pequim tem atacado o “Occupy Central” com o músculo policial que caiu em cima dos catalães a Europa humanista estaria certamente em modo histérico.

Por todos os critérios estabelecidos do direito dos povos à autodeterminação; por todos os cânones da democracia – o argumento constitucional é tonto, porque qualquer impulso independentista desafia sempre os quadros legais vigentes – ou por qualquer critério humanista… um polícia violento perde sempre razão em frente a uma urna de voto. Só há uma coisa que falha no pensamento catalão: na era da partilha esta luta independentista está em contraciclo – carece de real sentido.

Em Hong Kong, a história no fundo é a mesma. Por lei não podem; por vontade muitos nem querem, e a revolução por confronto já não cabe ma cabeça de ninguém. Porque, na prática, só há duas vias possíveis para a independência: em negociação com o poder central, ou pela força das armas. 

Lá longe, na Península Ibérica, ou a partir de Macau, há uma verdade que custa engolir: Pequim, que falou mais grosso do que era necessário e arriscou a soberba imperial, portou-se em Hong Kong como um verdadeiro mestre de cerimónias, ao pé da violência boçal que mancha a imagem de Madrid. 

Há uma imagem que destrói a imagem do Governo de Rajoy: um independentista catalão agarrado a um polícia espanhol, que chora perante aquele cenário dantesco. Essa é a imagem que corre o mundo, porque este é o mundo em que a partilha da imagem também conta. 

Paulo Rego

Artigos relacionados

 
 

“O altruísmo do espírito cabo-verdiano é tudo o que sempre quis”

Shauna Barbosa é poeta, filha de mãe norte-americana e pai cabo-verdiano. A sua escrita tem o sabor e o ritmo dos dois lados do Atlântico. Cape Verdean Blues, o primeiro livro da autora, está a ser recebido com entusiasmo. Muitos leitores terão ficado a saber da existência da poeta Shauna Barbosa da mesma forma que

“Macau pode fazer mais e melhor”

O presidente do Instituto Politécnico de Macau defende que a região tem de saber tirar maior proveito do que a faz singular: a cultura e língua portuguesas. A presença do português foi uma das batalhas de Lei Heong Iok enquanto liderou a instituição que deixa no próximo mês. Sai do Instituto Politécnico de Macau (IPM)

Cultura com limites

A primeira edição do “Encontro em Macau – festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa” termina no domingo. No fim de semana passado, também teve lugar a primeira edição do Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa. O objetivo é que se tornem eventos

“Presidência pode marcar viragem para consolidação da CPLP”

A ilha cabo-verdiana do Sal acolhe, a 17 e 18 de julho, a XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). A cimeira para a qual está confirmada a presença de oito dos nove chefes de Estado da organização – Timor Leste cancelou a presença –

UNESCO: Lusofonia em peso

Cabo Verde quer garantir já para a semana o apoio de Portugal, Angola e Guiné-Bissau à candidatura conjunta do campo de concentração do Tarrafal a património da Humanidade. São Tomé e Príncipe, e Timor-Leste estão também a planear apresentar candidaturas junto da UNESCO. A cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) começa na

Lusofonia: unidos pelo património

O primeiro “Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa” terminou com um apelo dos dirigentes culturais lusófonos à criação de uma plataforma para a cooperação na proteção do património conjunto, nomeadamente o que se encontra nos países menos desenvolvidos.      Dois dias que souberam a pouco. Foi o que sentiram