Editorial-paulo

Má imagem

A questão que importa no debate independentista não é constitucional; é política. Mas a marca mais triste desta crise catalã é a do comportamento do poder central face ao desafio da sua autoridade. A reação de Madrid é pobre, violenta e a todos os títulos condenável.

Há uma dualidade inegável no pensamento político europeu: Madrid é bem mais dura e autoritária com Barcelona do que Pequim alguma vez foi com Hong Kong. E a polícia espanhola, de facto, foi violenta – como nunca se viu em Hong Kong. Se Pequim tem atacado o “Occupy Central” com o músculo policial que caiu em cima dos catalães a Europa humanista estaria certamente em modo histérico.

Por todos os critérios estabelecidos do direito dos povos à autodeterminação; por todos os cânones da democracia – o argumento constitucional é tonto, porque qualquer impulso independentista desafia sempre os quadros legais vigentes – ou por qualquer critério humanista… um polícia violento perde sempre razão em frente a uma urna de voto. Só há uma coisa que falha no pensamento catalão: na era da partilha esta luta independentista está em contraciclo – carece de real sentido.

Em Hong Kong, a história no fundo é a mesma. Por lei não podem; por vontade muitos nem querem, e a revolução por confronto já não cabe ma cabeça de ninguém. Porque, na prática, só há duas vias possíveis para a independência: em negociação com o poder central, ou pela força das armas. 

Lá longe, na Península Ibérica, ou a partir de Macau, há uma verdade que custa engolir: Pequim, que falou mais grosso do que era necessário e arriscou a soberba imperial, portou-se em Hong Kong como um verdadeiro mestre de cerimónias, ao pé da violência boçal que mancha a imagem de Madrid. 

Há uma imagem que destrói a imagem do Governo de Rajoy: um independentista catalão agarrado a um polícia espanhol, que chora perante aquele cenário dantesco. Essa é a imagem que corre o mundo, porque este é o mundo em que a partilha da imagem também conta. 

Paulo Rego

Artigos relacionados

 
 

“Há uma geração que irá sempre olhar para a China por causa de Macau, e agora outra que olha para a China onde também está Macau”

O tempo e o pragmatismo das relações luso-chinesas, 18 anos após a entrega de Macau, deixam Lisboa mais indiferente à evolução sociopolítica de Macau. Raquel Vaz-Pinto vê o distanciamento como inevitável, numa altura em que, por outro lado, a China está cada vez mais presente em Portugal. A politóloga, especialista em política externa chinesa, admite que

“É inútil ter medo”

Se perder o lugar de deputado depois de ir a tribunal, Sulu Sou promete não desistir da política. A Associação Novo Macau ainda não sabe o que vai fazer caso o ativista seja obrigado a abandonar a assembleia. O julgamento está marcado para dia 9 de janeiro. Foi eleito deputado dia 17 de setembro. Quase

Bruxelas exige “compromisso de alto nível” para tirar Macau da lista negra

A revisão da decisão tomada a 5 de dezembro pode ser feita a qualquer altura, indica responsável da UE. Sanções por falta de cooperação fiscal excluem Macau de projetos em África que tenham financiamento do bloco.  Macau poderá ser retirada a qualquer altura da lista da União Europeia de jurisdições não-cooperantes em matéria fiscal. Para tal,

Novo nome e nova rota para os 18 anos da RAEM

O “Desfile Internacional de Macau”, integrado nas comemorações do 18º aniversário do estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau, vai sair à rua no domingo, dia 17 de dezembro, com uma nova rota, a previsão de mais público e um orçamento de 16 milhões de patacas.  De acordo com Leung Hio Ming, presidente do Instituto Cultural

Uma China à conquista do mundo

Uma malha ferroviária até à Europa, gasodutos desde o Turquemenistão e Birmânia ou novos portos em Moçambique e Geórgia anunciam uma “nova era”, na qual a China Continental ocupará o “centro” da futura ordem mundial. “É uma mudança histórica na posição da China no mundo”, explica He Yafei, antigo vice-ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, durante

Eletricidade, um bem de luxo

Num momento em que as autoridades guineenses apostam no desenvolvimento de setores como o turismo e a agricultura para fomentar o crescimento económico do país, a Guiné-Bissau não pode, nem deve descurar a eletrificação do seu território, que ainda é incipiente. Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), disponibilizados no último relatório da Conferência