Editorial-Photo-copy1

Má imagem

A questão que importa no debate independentista não é constitucional; é política. Mas a marca mais triste desta crise catalã é a do comportamento do poder central face ao desafio da sua autoridade. A reação de Madrid é pobre, violenta e a todos os títulos condenável.

Há uma dualidade inegável no pensamento político europeu: Madrid é bem mais dura e autoritária com Barcelona do que Pequim alguma vez foi com Hong Kong. E a polícia espanhola, de facto, foi violenta – como nunca se viu em Hong Kong. Se Pequim tem atacado o “Occupy Central” com o músculo policial que caiu em cima dos catalães a Europa humanista estaria certamente em modo histérico.

Por todos os critérios estabelecidos do direito dos povos à autodeterminação; por todos os cânones da democracia – o argumento constitucional é tonto, porque qualquer impulso independentista desafia sempre os quadros legais vigentes – ou por qualquer critério humanista… um polícia violento perde sempre razão em frente a uma urna de voto. Só há uma coisa que falha no pensamento catalão: na era da partilha esta luta independentista está em contraciclo – carece de real sentido.

Em Hong Kong, a história no fundo é a mesma. Por lei não podem; por vontade muitos nem querem, e a revolução por confronto já não cabe ma cabeça de ninguém. Porque, na prática, só há duas vias possíveis para a independência: em negociação com o poder central, ou pela força das armas. 

Lá longe, na Península Ibérica, ou a partir de Macau, há uma verdade que custa engolir: Pequim, que falou mais grosso do que era necessário e arriscou a soberba imperial, portou-se em Hong Kong como um verdadeiro mestre de cerimónias, ao pé da violência boçal que mancha a imagem de Madrid. 

Há uma imagem que destrói a imagem do Governo de Rajoy: um independentista catalão agarrado a um polícia espanhol, que chora perante aquele cenário dantesco. Essa é a imagem que corre o mundo, porque este é o mundo em que a partilha da imagem também conta. 

Paulo Rego

Artigos relacionados

 
 

Macau 20 anos depois

É o título da série documental de Carlos Fraga e Helena Madeira. Realizador e produtora querem perceber o que mudou em Macau desde o fim da administração portuguesa. Carlos Fraga e Helena Madeira voltaram a Macau para gravar o quarto documentário de uma série de seis sobre a cidade. O trabalho da produtora LivreMeio é uma

“Portugal está disponível para encontrar instrumentos de coinvestimento”

Portugal quer atrair financiamento de Macau e da China para o futuro fundo de apoio à internacionalização das empresas portuguesas. Eurico Brilhante Dias, secretário de Estado português da Internacionalização a participar na Feira Internacional de Macau (MIF), explica que o país pretende por esta via mobilizar meios para a cooperação sino-lusófona. - Participa durante a

Pequim entre o isolacionismo e a afirmação como superpotência

A China quer intervir mais além-fronteiras, mas continua fragilizada por questões internas, afirmam analistas, numa semana em que o Presidente Xi Jinping confirma o estatuto de mais forte líder chinês das últimas décadas. “Vamos assistir à reclamação da China da posição de grande potência, que será atribuída ao pensamento do atual líder”, afirmou David Kelly, diretor

A vida das empregadas domésticas

“The Helper” tem como protagonistas as empregadas domésticas estrangeiras que trabalham em Hong Kong. Joanna Bowers decidiu realizar o documentário por sentir que são descriminadas apesar de serem a “base” da sociedade. Estreou há uma semana em Hong Kong e o objetivo é que passe em Macau e na China Continental, e finalmente seja comprado

Transporte aéreo em Macau deve atrair mais companhias low-cost e oferecer mais escalas

Com cada vez mais ligações na região de Guangdong-Hong Kong-Macau, o mercado dos transportes aéreos também enfrenta, em simultâneo, uma situação complexa de competição e cooperação. Académicos da área dos transportes e membros da indústria turística consideraram, em declarações ao Plataforma, que Macau deve esforçar-se para encontrar o respetivo nicho de mercado, em particular criando

João Lourenço promete mudar quase tudo no estado da nação angolana

No seu primeiro discurso sobre o estado da Nação, o novo Presidente angolano, João Lourenço falou de José Eduardo dos Santos para elogiar o país pacificado que deixou, ao sair do poder, em setembro, 38 anos depois, sobrando mais de 55 minutos em que, da economia à educação, passando pelo combate à corrupção e maus