Editorial-paulo

Muito mais que um negócio

A injeção de capital da KNJ na Global Media, como todos os bons negócios, valoriza um ativo importante e dá uma nova dimensão a um dos mais importantes grupos de comunicação social em Portugal. Após uma exigente reestruturação financeira, títulos tão emblemáticos como o Diário de Notícias, o Jornal de Notícias ou a TSF avançam agora para uma ambiciosa reconversão digital e apostam na língua portuguesa como território de oportunidade para a internacionalização. Linhas de força, essas, anunciadas ainda durante as negociações. Kevin Ho foi a esse propósito claro nas declarações que prestou à Agência Lusa: uma empresa saudável, com músculo financeiro e um plano de crescimento “só pode crescer”.

Há contudo circunstâncias excepcionais neste negócio: nunca uma empresa de Macau antes se aventurara num investimento com esta dimensão mediática e globalizante; nunca a Região teve uma oportunidade tão óbvia de se projetar como plataforma de comunicação entre a China e os países lusófonos. A coincidência dos processos de internacionalização da Global Media e da KNJ coloca instantaneamente Macau na vanguarda da economia da língua portuguesa.

Este jornal, como é público, está desde o início envolvido com este negócio. Este passo dado pela KNJ é em si mesmo a prova da razão de ser do Plataforma Macau. Ao terceiro ano de vida, de forma quiçá surpreendente, cumprimos o conceito que formatou este projeto, não só do ponto vista editorial como na própria gestão do projeto e das parcerias média com as quais fomos crescendo, quer em Portugal quer na China, de forma consistente e estruturante. Com muita ambição, mas também uma ponta de orgulho que, hoje, os nossos leitores e amigos certamente compreendem.

A cidade conta connosco para o papel ao qual desde sempre nos propusemos; a Global Media conta agora connosco para expandir o seu processo de internacionalização a esta parte do mundo; a KNJ sabe bem a mais valia que conseguimos ser no processo de internacionalização. Há, sobretudo, uma energia da convicção que contraria o discurso pessimista e jocoso no que toca à missão de ser plataforma. Agora é real, já toda gente entende; e é profundamente excitante. 

Paulo Rego

Artigos relacionados

 
 

China e Vaticano, da desconfiança à fé

Pequim e a Santa Sé estão de relações cortadas há 67 anos, mas o diálogo foi retomado, confirma o Cardeal John Tong, apesar da nomeação de bispos continuar a ser um obstáculo. Um académico de Hong Kong acredita que esta “poderá ser uma boa altura” para um avanço nas conversações. “O degelo das relações entre

A (in) segurança da lei

A lei de cibersegurança, em consulta pública, pode pÔr em causa princípios da Lei Básica. Especialistas de diferentes áreas deixam o alerta para o perigo da Polícia Judiciária estar entre as entidades supervisoras. Parece um assunto distante e técnico, mas lidamos com a cibersegurança todos os dias. A utilização de meio eletrónicos como o acesso

Caso Sulu Sou continua a agitar justiça e assembleia

O advogado Ho Kam Meng escusou-se a fazer muitos comentários sobre o processo que corre na justiça contra o deputado suspenso Sulu Sou. Para o causídico, o caso evidencia alguns problemas no sistema, designadamente falta de clareza na legislação relativa aos deputados, os quais merecem a atenção da sociedade.  O julgamento do deputado pró-democracia Sulu

Luta contra a sida: tabu esconde principal exterminadora de adultos em idade ativa

Se Moçambique não conseguir controlar a epidemia de sida nos próximos quatro anos, corre o risco de o combate à doença se tornar financeiramente insuportável porque a população continua a crescer a um ritmo elevado, alerta especialista no país. A sida é a principal causa de morte entre os adultos em idade economicamente ativa em

Fim da linha para a Uber em Macau

A Uber parece ter chegado ao fim da linha em Macau, após a recusa do Governo em atribuir uma licença de táxis à empresa e os tribunais terem rejeitado um pedido de suspensão de quase mil multas, cujo valor total pode atingir mais de 23 milhões de patacas. A Direção para os Assuntos do Tráfego (DSAT)

Salas VIP: o perigo mora ali

O criminologista Liu Jianhong alerta para os perigos das salas VIP dos casinos que ainda não são considerados crime. O académico, que ganhou o equivalente ao Nobel na área da criminologia, defende que é urgente estudar a relação entre os espaços e a criminalidade em Macau. O Governo tem de fazer mais, como investir na investigação,