Editorial-paulo

Muito mais que um negócio

A injeção de capital da KNJ na Global Media, como todos os bons negócios, valoriza um ativo importante e dá uma nova dimensão a um dos mais importantes grupos de comunicação social em Portugal. Após uma exigente reestruturação financeira, títulos tão emblemáticos como o Diário de Notícias, o Jornal de Notícias ou a TSF avançam agora para uma ambiciosa reconversão digital e apostam na língua portuguesa como território de oportunidade para a internacionalização. Linhas de força, essas, anunciadas ainda durante as negociações. Kevin Ho foi a esse propósito claro nas declarações que prestou à Agência Lusa: uma empresa saudável, com músculo financeiro e um plano de crescimento “só pode crescer”.

Há contudo circunstâncias excepcionais neste negócio: nunca uma empresa de Macau antes se aventurara num investimento com esta dimensão mediática e globalizante; nunca a Região teve uma oportunidade tão óbvia de se projetar como plataforma de comunicação entre a China e os países lusófonos. A coincidência dos processos de internacionalização da Global Media e da KNJ coloca instantaneamente Macau na vanguarda da economia da língua portuguesa.

Este jornal, como é público, está desde o início envolvido com este negócio. Este passo dado pela KNJ é em si mesmo a prova da razão de ser do Plataforma Macau. Ao terceiro ano de vida, de forma quiçá surpreendente, cumprimos o conceito que formatou este projeto, não só do ponto vista editorial como na própria gestão do projeto e das parcerias média com as quais fomos crescendo, quer em Portugal quer na China, de forma consistente e estruturante. Com muita ambição, mas também uma ponta de orgulho que, hoje, os nossos leitores e amigos certamente compreendem.

A cidade conta connosco para o papel ao qual desde sempre nos propusemos; a Global Media conta agora connosco para expandir o seu processo de internacionalização a esta parte do mundo; a KNJ sabe bem a mais valia que conseguimos ser no processo de internacionalização. Há, sobretudo, uma energia da convicção que contraria o discurso pessimista e jocoso no que toca à missão de ser plataforma. Agora é real, já toda gente entende; e é profundamente excitante. 

Paulo Rego

Artigos relacionados

 
 

“A China já não é um mercado de dinheiro fácil”

Nos calcanhares dos EUA, a China é um dos mercados mais dinâmicos para as empresas de tecnologia à procura de investidores. Bessie Lee, da Witihinlink, falou na Web Summit sobre o melhor caminho para lá chegar. Bessie Lee, diretora executiva da incubadora e investidora chinesa Withinlink, foi uma das oradoras da Web Summit, em Lisboa,

“Quando decidi assumir esta posição, sabia que tinha de ser mais cautelosa”

Sabe que vai estar debaixo de olho do Governo e de Pequim agora que lidera a Novo Macau. Kam Sut Leng diz não ter medo das consequências que possam surgir por ser a nova presidente da principal organização democrata de Macau.  Kam Sut Leng é a primeira mulher a assumir a liderança da maior associação

LAG 2018 sem surpresas

O Chefe do Executivo apresentou esta semana na Assembleia Legislativa as Linhas de Ação Governativa (LAG) para 2018. O documento não despertou grande entusiasmo, seguindo a linha do esperado. Deputados deixaram críticas a Chui Sai On sobretudo por anunciar iniciativas sem fixar prazos. Os efeitos do Hato ainda se fazem sentir no debate político. “No documento

Novo impulso à gastronomia com reconhecimento da UNESCO

Foi no passado dia 1 de novembro, que Macau voltou a fazer história. Era já madrugada na região quando a diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, anunciou a designação de “Macau, China” como nova cidade membro da Rede de Cidades Criativas da UNESCO (UNESCO Creative Cities Network – UCCN) na área da Gastronomia.  Essa nova designação

Lusofonia com menos um piloto

O português Tiago Monteiro (Honda Civic) vai falhar a etapa de Macau do campeonato do mundo de carros de turismo (WTCC), no qual é quarto classificado, na sequência do acidente que sofreu há dois meses em Barcelona. A participação lusófona fica assim reduzida a cinco pilotos. Depois de já não ter marcado presença nas últimas duas

A crise e o risco de uma paralização na ciência brasileira

A dualidade do ideograma “crise” no chinês tradicional – “risco” e “oportunidade” – é muitas vezes citada no Brasil, país cujo cenário começa a estabilizar-se depois de dois anos conturbados na gestão política e económica, como um símbolo de motivação. No entanto, para cientistas brasileiros “crise” tem-se traduzido apenas em “risco” de paralização dos seus