Editorial-paulo

Muito mais que um negócio

A injeção de capital da KNJ na Global Media, como todos os bons negócios, valoriza um ativo importante e dá uma nova dimensão a um dos mais importantes grupos de comunicação social em Portugal. Após uma exigente reestruturação financeira, títulos tão emblemáticos como o Diário de Notícias, o Jornal de Notícias ou a TSF avançam agora para uma ambiciosa reconversão digital e apostam na língua portuguesa como território de oportunidade para a internacionalização. Linhas de força, essas, anunciadas ainda durante as negociações. Kevin Ho foi a esse propósito claro nas declarações que prestou à Agência Lusa: uma empresa saudável, com músculo financeiro e um plano de crescimento “só pode crescer”.

Há contudo circunstâncias excepcionais neste negócio: nunca uma empresa de Macau antes se aventurara num investimento com esta dimensão mediática e globalizante; nunca a Região teve uma oportunidade tão óbvia de se projetar como plataforma de comunicação entre a China e os países lusófonos. A coincidência dos processos de internacionalização da Global Media e da KNJ coloca instantaneamente Macau na vanguarda da economia da língua portuguesa.

Este jornal, como é público, está desde o início envolvido com este negócio. Este passo dado pela KNJ é em si mesmo a prova da razão de ser do Plataforma Macau. Ao terceiro ano de vida, de forma quiçá surpreendente, cumprimos o conceito que formatou este projeto, não só do ponto vista editorial como na própria gestão do projeto e das parcerias média com as quais fomos crescendo, quer em Portugal quer na China, de forma consistente e estruturante. Com muita ambição, mas também uma ponta de orgulho que, hoje, os nossos leitores e amigos certamente compreendem.

A cidade conta connosco para o papel ao qual desde sempre nos propusemos; a Global Media conta agora connosco para expandir o seu processo de internacionalização a esta parte do mundo; a KNJ sabe bem a mais valia que conseguimos ser no processo de internacionalização. Há, sobretudo, uma energia da convicção que contraria o discurso pessimista e jocoso no que toca à missão de ser plataforma. Agora é real, já toda gente entende; e é profundamente excitante. 

Paulo Rego

Artigos relacionados

 
 

“Pensavam que o português não ia servir. Hoje já me dão razão”

Edith Silva diz que o maior desgosto foi não ter conseguido introduzir o português nas escolas, enquanto liderou a Educação. Foi diretora dos Serviços de Educação e Juventude durante oito dos 15 anos que trabalhou no organismo. Integrar o português nas escolas foi uma das lutas que começou, mas sem sucesso. Hoje, sublinha, dão-lhe razão.

SJM: Aumentos só para alguns

Trabalhadores não-residentes da SJM voltaram a ser excluídos de aumentos salariais. A operadora diz não haver discriminação e promete aumentá-los. A presidente da Associação Novo Macau para os Direitos dos Trabalhadores do Jogo diz que há residentes que também não foram aumentados. Não-residentes da Sociedade de Jogos de Macau (SJM) voltaram a ficar de fora

Pontapé de saída na China de olho em Macau

Empresa britânica ligada ao futebol quer organizar eventos em Macau. A Soccerex entrou na China esta semana com uma conferência e exposição em Zhuhai.  A Soccerex, uma das maiores empresas de eventos empresariais ligados ao futebol, está interessada em entrar no mercado de Macau, como parte da sua estratégia para a República Popular da China.

Patriotismo e integração

Reforço dos valores patrióticos e do projeto de integração de Macau na zona da Grande Baía estiveram em foco na sessão de Perguntas e Respostas do Chefe do Executivo na Assembleia Legislativa.  Cinco meses após as Linhas de Ação Governativa, o Chefe do Executivo, Chui Sai On, regressou à Assembleia Legislativa, na terça-feira 17 de

A Europa entre Washington e Pequim

Lisboa foi palco de um debate sobre as relações Europa-China. No Museu do Oriente discutiu-se como Bruxelas se poderá aliar ou não a Washington e a Tóquio para obter uma melhor balança com Pequim. A Europa está numa encruzilhada. Com a saída do Reino Unido num horizonte próximo, prepara-se para viver com um novo orçamento.

“Neoliberalismo desenfreado” versus “socialismo escalavrado”

Cabo Verde está, por estes dias, envolvido num debate sobre a visão política que melhor serve o futuro do país, depois de o ex e o atual primeiro-ministro se terem envolvido numa troca de acusações.  José Maria Neves diz que o Governo tem uma visão de desenvolvimento do país assente num “neoliberalismo desenfreado”, enquanto Ulisses