Navegar na Grande Baía

Não obstante o crescimento extraordinário e os progressos a que assistimos nas últimas três décadas, Macau permanece com limitações estruturais que geram preocupação e que necessitam de respostas. O novo impulso dado ao processo de integração regional, através do projeto da zona da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau,  trouxe ainda mais à tona a questão central: Que lugar de relevância terá Macau neste contexto? As respostas têm sido dadas através dos Planos Quinquenais e da estratégia gizada em Pequim e reafirmada localmente. Sintetizando a equação, Macau terá de se afirmar como Um Centro – de turismo e lazer de nível mundial –  e Uma Plataforma – de serviços para as relações entre a China e os Países de Língua Portuguesa. A  fórmula faz todo o sentido, mas falta, a nível local, um pensamento próprio mais substancial e passos ambiciosos.

O Secretário para Economia e Finanças, Lionel Leong, referia esta semana no Fórum Boao, em Hainão, que Macau teria um papel de ligação entre elites das cidades irmãs da Grande Baía. Foi também referido por Leong que a nova conjuntura implica a “participação ativa” de Macau, ao mesmo tempo que era anunciado que o Fundo de Desenvolvimento para a Cooperação Guangdong-Macau contemplaria uma verba de 20 mil milhões de yuans.

Para que seja possível levar este barco aos bons portos da Grande Baía será necessário operar uma mudança de mentalidades. E, a este respeito, a cultura “rent-seeking” vigente entre a elite empresarial constitui um obstáculo. Esta falta de competitividade traduz-se também na impreparação dos jovens locais para jogar o jogo dos grandes na Grande Baía, como foi ilustrado num estudo recente da Federação da Juventude de Macau e na edição da semana passada do Plataforma.

O caminho passa por levar a sério este desafio, delineando uma estratégia inteligente que conjugue os interesses da RAEM com os do desenvolvimento nacional e regional. Passa também por envolver a sociedade local para que esta sinta que não está perante algo que diz respeito apenas às elites, mas num processo que lhe pode trazer benefícios e no qual tem uma palavra a dizer.

José Carlos Matias  13.04.2018

 

Artigos relacionados

 
 

“Pensavam que o português não ia servir. Hoje já me dão razão”

Edith Silva diz que o maior desgosto foi não ter conseguido introduzir o português nas escolas, enquanto liderou a Educação. Foi diretora dos Serviços de Educação e Juventude durante oito dos 15 anos que trabalhou no organismo. Integrar o português nas escolas foi uma das lutas que começou, mas sem sucesso. Hoje, sublinha, dão-lhe razão.

SJM: Aumentos só para alguns

Trabalhadores não-residentes da SJM voltaram a ser excluídos de aumentos salariais. A operadora diz não haver discriminação e promete aumentá-los. A presidente da Associação Novo Macau para os Direitos dos Trabalhadores do Jogo diz que há residentes que também não foram aumentados. Não-residentes da Sociedade de Jogos de Macau (SJM) voltaram a ficar de fora

Pontapé de saída na China de olho em Macau

Empresa britânica ligada ao futebol quer organizar eventos em Macau. A Soccerex entrou na China esta semana com uma conferência e exposição em Zhuhai.  A Soccerex, uma das maiores empresas de eventos empresariais ligados ao futebol, está interessada em entrar no mercado de Macau, como parte da sua estratégia para a República Popular da China.

Patriotismo e integração

Reforço dos valores patrióticos e do projeto de integração de Macau na zona da Grande Baía estiveram em foco na sessão de Perguntas e Respostas do Chefe do Executivo na Assembleia Legislativa.  Cinco meses após as Linhas de Ação Governativa, o Chefe do Executivo, Chui Sai On, regressou à Assembleia Legislativa, na terça-feira 17 de

A Europa entre Washington e Pequim

Lisboa foi palco de um debate sobre as relações Europa-China. No Museu do Oriente discutiu-se como Bruxelas se poderá aliar ou não a Washington e a Tóquio para obter uma melhor balança com Pequim. A Europa está numa encruzilhada. Com a saída do Reino Unido num horizonte próximo, prepara-se para viver com um novo orçamento.

“Neoliberalismo desenfreado” versus “socialismo escalavrado”

Cabo Verde está, por estes dias, envolvido num debate sobre a visão política que melhor serve o futuro do país, depois de o ex e o atual primeiro-ministro se terem envolvido numa troca de acusações.  José Maria Neves diz que o Governo tem uma visão de desenvolvimento do país assente num “neoliberalismo desenfreado”, enquanto Ulisses