Navegar na Grande Baía

Não obstante o crescimento extraordinário e os progressos a que assistimos nas últimas três décadas, Macau permanece com limitações estruturais que geram preocupação e que necessitam de respostas. O novo impulso dado ao processo de integração regional, através do projeto da zona da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau,  trouxe ainda mais à tona a questão central: Que lugar de relevância terá Macau neste contexto? As respostas têm sido dadas através dos Planos Quinquenais e da estratégia gizada em Pequim e reafirmada localmente. Sintetizando a equação, Macau terá de se afirmar como Um Centro – de turismo e lazer de nível mundial –  e Uma Plataforma – de serviços para as relações entre a China e os Países de Língua Portuguesa. A  fórmula faz todo o sentido, mas falta, a nível local, um pensamento próprio mais substancial e passos ambiciosos.

O Secretário para Economia e Finanças, Lionel Leong, referia esta semana no Fórum Boao, em Hainão, que Macau teria um papel de ligação entre elites das cidades irmãs da Grande Baía. Foi também referido por Leong que a nova conjuntura implica a “participação ativa” de Macau, ao mesmo tempo que era anunciado que o Fundo de Desenvolvimento para a Cooperação Guangdong-Macau contemplaria uma verba de 20 mil milhões de yuans.

Para que seja possível levar este barco aos bons portos da Grande Baía será necessário operar uma mudança de mentalidades. E, a este respeito, a cultura “rent-seeking” vigente entre a elite empresarial constitui um obstáculo. Esta falta de competitividade traduz-se também na impreparação dos jovens locais para jogar o jogo dos grandes na Grande Baía, como foi ilustrado num estudo recente da Federação da Juventude de Macau e na edição da semana passada do Plataforma.

O caminho passa por levar a sério este desafio, delineando uma estratégia inteligente que conjugue os interesses da RAEM com os do desenvolvimento nacional e regional. Passa também por envolver a sociedade local para que esta sinta que não está perante algo que diz respeito apenas às elites, mas num processo que lhe pode trazer benefícios e no qual tem uma palavra a dizer.

José Carlos Matias  13.04.2018

 

Artigos relacionados

 
 

“O altruísmo do espírito cabo-verdiano é tudo o que sempre quis”

Shauna Barbosa é poeta, filha de mãe norte-americana e pai cabo-verdiano. A sua escrita tem o sabor e o ritmo dos dois lados do Atlântico. Cape Verdean Blues, o primeiro livro da autora, está a ser recebido com entusiasmo. Muitos leitores terão ficado a saber da existência da poeta Shauna Barbosa da mesma forma que

“Macau pode fazer mais e melhor”

O presidente do Instituto Politécnico de Macau defende que a região tem de saber tirar maior proveito do que a faz singular: a cultura e língua portuguesas. A presença do português foi uma das batalhas de Lei Heong Iok enquanto liderou a instituição que deixa no próximo mês. Sai do Instituto Politécnico de Macau (IPM)

Cultura com limites

A primeira edição do “Encontro em Macau – festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa” termina no domingo. No fim de semana passado, também teve lugar a primeira edição do Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa. O objetivo é que se tornem eventos

“Presidência pode marcar viragem para consolidação da CPLP”

A ilha cabo-verdiana do Sal acolhe, a 17 e 18 de julho, a XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). A cimeira para a qual está confirmada a presença de oito dos nove chefes de Estado da organização – Timor Leste cancelou a presença –

UNESCO: Lusofonia em peso

Cabo Verde quer garantir já para a semana o apoio de Portugal, Angola e Guiné-Bissau à candidatura conjunta do campo de concentração do Tarrafal a património da Humanidade. São Tomé e Príncipe, e Timor-Leste estão também a planear apresentar candidaturas junto da UNESCO. A cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) começa na

Lusofonia: unidos pelo património

O primeiro “Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa” terminou com um apelo dos dirigentes culturais lusófonos à criação de uma plataforma para a cooperação na proteção do património conjunto, nomeadamente o que se encontra nos países menos desenvolvidos.      Dois dias que souberam a pouco. Foi o que sentiram