Editorial-paulo

O abraço de Xi

Xi Jinping voltou a espalhar charme no Fórum de Boao. O autismo de Trump esvaziou a cadeira da Casa Branca no espelho dos valores ditos globais; oportunidade que o líder chinês gere com clarividência. O abraço de Xi aquece corações inquietos com o aquecimento global, a propriedade do espaço, o fundo do mar, o livre comércio, o multiculturalismo… agora, de mão estendida também ao catolicismo, numa das maiores operações diplomáticas do pós-guerra. E há um português muito especial nos bastidores desta legitimação de índole medieval: António Guterres.

Há muita gente distraída com este movimento. Não certamente Xi Jinping, nem o Papa Francisco. Porque vejo Guterres neste filme? Porque faz parte do seu próprio enredo; da carreira que fez, da sua ascensão política, da forma como governou em Portugal… e, obviamente, também do lobby de São Pedro que lhe abriu as portas das Nações Unidas. António Guterres é português, claro, mas é também uma estrela do humanismo católico e um ideólogo da globalização com base no liberalismo económico, no humanismo cristão e no multiculturalismo. A sua competência pessoal conta para estar onde está; mas pensar que a liderança das Nações Unidas não inclui o apoio do Vaticano, e dos Estados que lhe são fiéis, é não perceber as regras do jogo.

É a terceira vez que Guterres está na China, desde que assumiu o cargo. Desta feita por longos cinco dias. Claro que chega nesta altura ser secretário-geral da ONU para merecer as atenções de Xi. Mas neste preciso momento, um dos maiores beatos da elite política mundial está certamente coordenado com o seu líder espiritual. Eu, ateu, me confesso: não sou fã desse lobby. Contudo, como português e homem de fé na plataforma sino-lusófona não me escapa essa luz. Mais importante ainda: o abraço de Xi já não é só global – é holístico.

Paulo Rego  13.04.2018

 

Artigos relacionados

 
 

“Pensavam que o português não ia servir. Hoje já me dão razão”

Edith Silva diz que o maior desgosto foi não ter conseguido introduzir o português nas escolas, enquanto liderou a Educação. Foi diretora dos Serviços de Educação e Juventude durante oito dos 15 anos que trabalhou no organismo. Integrar o português nas escolas foi uma das lutas que começou, mas sem sucesso. Hoje, sublinha, dão-lhe razão.

SJM: Aumentos só para alguns

Trabalhadores não-residentes da SJM voltaram a ser excluídos de aumentos salariais. A operadora diz não haver discriminação e promete aumentá-los. A presidente da Associação Novo Macau para os Direitos dos Trabalhadores do Jogo diz que há residentes que também não foram aumentados. Não-residentes da Sociedade de Jogos de Macau (SJM) voltaram a ficar de fora

Pontapé de saída na China de olho em Macau

Empresa britânica ligada ao futebol quer organizar eventos em Macau. A Soccerex entrou na China esta semana com uma conferência e exposição em Zhuhai.  A Soccerex, uma das maiores empresas de eventos empresariais ligados ao futebol, está interessada em entrar no mercado de Macau, como parte da sua estratégia para a República Popular da China.

Patriotismo e integração

Reforço dos valores patrióticos e do projeto de integração de Macau na zona da Grande Baía estiveram em foco na sessão de Perguntas e Respostas do Chefe do Executivo na Assembleia Legislativa.  Cinco meses após as Linhas de Ação Governativa, o Chefe do Executivo, Chui Sai On, regressou à Assembleia Legislativa, na terça-feira 17 de

A Europa entre Washington e Pequim

Lisboa foi palco de um debate sobre as relações Europa-China. No Museu do Oriente discutiu-se como Bruxelas se poderá aliar ou não a Washington e a Tóquio para obter uma melhor balança com Pequim. A Europa está numa encruzilhada. Com a saída do Reino Unido num horizonte próximo, prepara-se para viver com um novo orçamento.

“Neoliberalismo desenfreado” versus “socialismo escalavrado”

Cabo Verde está, por estes dias, envolvido num debate sobre a visão política que melhor serve o futuro do país, depois de o ex e o atual primeiro-ministro se terem envolvido numa troca de acusações.  José Maria Neves diz que o Governo tem uma visão de desenvolvimento do país assente num “neoliberalismo desenfreado”, enquanto Ulisses