afonso_camoes

O meu 4-3-3, sem bola

Bem sei que há quem não goste de bola, coitado do amarelo, mas a dose vai aumentar. O Mundial de Futebol só começa a jogar-se daqui a 193 dias, mas as luzes já se acenderam em Moscovo, palco para onde vão convergir atenções, sonhos e as melhores seleções do planeta.

Noutro campeonato, ainda que aproveitando-se deste, a Rússia joga aí uma oportunidade soberana para romper o seu isolamento político. Não por acaso, o próprio presidente Vladimir Putin veste a pele de mestre de cerimónias e abriu o Palácio do Kremlin à gala que assinalou o sorteio das seleções. Ele, de quem sabemos preferir desportos mais solitários – como nadar, esquiar ou montar a cavalo -, sabe que o Mundial de futebol é certamente um dos mais populares espetáculos desportivos, seguido por muitos, muitos, milhões de fãs e adeptos, a toda a largura do mapa.

A imagem e posicionamento da Rússia perante o Mundo não são hoje os mesmos de há sete anos, quando a votação em Zurique confirmou os desejos de um Putin a falar inglês, numa operação de charme para atrair o campeonato para o seu país. De então para cá, a anexação da Crimeia e a intervenção política e militar no Leste da Ucrânia condenaram os herdeiros do império soviético a um novo isolamento. Ora, o presidente russo antevê neste Mundial a oportunidade para quebrar o bloqueio. Para Putin, além da ambição política e reputacional, a afirmação da Rússia como destino turístico também é um dos objetivos do campeonato, que ocorre quando Moscovo sofre sanções que lhe penalizam severamente a economia. Aos olhos do Mundo, ele há de querer que os fãs de todas as geografias sejam bem acolhidos por um país amigável, que neutralize a imagem negativa de uma Rússia agressiva, hostil e militarista. E que a festa do futebol ajude a esquecer a humilhação sofrida por grandes figuras do desporto russo, desqualificados e a quem foram retiradas medalhas como resultado das acusações de doping nas olimpíadas de inverno, em Socchi.

É precisamente aí, nessa mesma cidade da costa do mar Negro, junto às montanhas nevadas do Cáucaso, que a seleção portuguesa vai disputar o seu primeiro jogo do Mundial de 2018. É a 15 de junho, contra a Espanha. Ora, se o Mundial serve a Putin como oportunidade para promover a Rússia, não se vê porque não havemos nós, também, de fazer render a oportunidade dessa enorme montra. Por exemplo, associando à campanha da nossa seleção as melhores marcas de Portugal, seja como destino, seja pela excelência de alguns dos nossos melhores produtos. Afinal, chegamos lá com a responsabilidade de sermos campeões europeus e de, entre os nossos, na indústria do futebol, contarmos alguns dos melhores do Mundo. Desde que ganhem. 

Afonso Camões*

Diretor

Artigos relacionados

 
 

“Há uma geração que irá sempre olhar para a China por causa de Macau, e agora outra que olha para a China onde também está Macau”

O tempo e o pragmatismo das relações luso-chinesas, 18 anos após a entrega de Macau, deixam Lisboa mais indiferente à evolução sociopolítica de Macau. Raquel Vaz-Pinto vê o distanciamento como inevitável, numa altura em que, por outro lado, a China está cada vez mais presente em Portugal. A politóloga, especialista em política externa chinesa, admite que

“É inútil ter medo”

Se perder o lugar de deputado depois de ir a tribunal, Sulu Sou promete não desistir da política. A Associação Novo Macau ainda não sabe o que vai fazer caso o ativista seja obrigado a abandonar a assembleia. O julgamento está marcado para dia 9 de janeiro. Foi eleito deputado dia 17 de setembro. Quase

Bruxelas exige “compromisso de alto nível” para tirar Macau da lista negra

A revisão da decisão tomada a 5 de dezembro pode ser feita a qualquer altura, indica responsável da UE. Sanções por falta de cooperação fiscal excluem Macau de projetos em África que tenham financiamento do bloco.  Macau poderá ser retirada a qualquer altura da lista da União Europeia de jurisdições não-cooperantes em matéria fiscal. Para tal,

Novo nome e nova rota para os 18 anos da RAEM

O “Desfile Internacional de Macau”, integrado nas comemorações do 18º aniversário do estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau, vai sair à rua no domingo, dia 17 de dezembro, com uma nova rota, a previsão de mais público e um orçamento de 16 milhões de patacas.  De acordo com Leung Hio Ming, presidente do Instituto Cultural

Uma China à conquista do mundo

Uma malha ferroviária até à Europa, gasodutos desde o Turquemenistão e Birmânia ou novos portos em Moçambique e Geórgia anunciam uma “nova era”, na qual a China Continental ocupará o “centro” da futura ordem mundial. “É uma mudança histórica na posição da China no mundo”, explica He Yafei, antigo vice-ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, durante

Eletricidade, um bem de luxo

Num momento em que as autoridades guineenses apostam no desenvolvimento de setores como o turismo e a agricultura para fomentar o crescimento económico do país, a Guiné-Bissau não pode, nem deve descurar a eletrificação do seu território, que ainda é incipiente. Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), disponibilizados no último relatório da Conferência