Editorial-paulo

Plug-in to the future

A Europa muda o drive: a indústria automóvel aposta nos híbridos e ganham terreno os carros elétricos, com design futurista, sensação desportiva e um discurso imbatível de sustentabilidade. As motorizadas ainda são raras, mas vão vingando as bicicletas elétricas. Mais radical é o “overboard”, que pode dar ao conceito de andar a pé um sentido completamente novo. Quando for leve e versátil, será um must na conjugação com o transporte público. A roda gira depressa e os mercados querem atitude. Ainda é cara, mas a mobilidade elétrica é um dos faróis da modernidade. 

A indústria automóvel, mesmo comprometida com o petróleo, anuncia o futuro na gama de luxo. A Jaguar lança este ano o “verdadeiro desportivo”, 100 por cento elétrico, desafiando a Tesla e a BMW; a Mercedes pulveriza o mercado das empresas com uma versão plug-in + híbrido: elétrico enquanto pode, híbrido quando se esgota a autonomia elétrica. O ponto que interessa não é o das marcas, o das isenções fiscais ou o dos rankings de vendas. O que importa aqui reter é que a migração começou; anuncia-se a alta velocidade. A Alemanha assumiu o compromisso: 100 por cento de carros elétricos daqui a 20 anos. Incontornável.

Macau ainda pensa ao contrário. O pensamento não se move, porque não há o hábito de olhar mais longe. Leva mais ou menos tempo, mas o que tem de ser será. E quem mais tarde lá chegar, menos ganha com isso. 

Por outro lado, há um negócio real e lucrativo na migração; muitas vezes mal percebido. Migrar significa trocar, substituir, comprar e vender… E a proliferação de novos negócios em torno das tecnologias de ponta, cada vez mais associadas ao ambiente, é o motor mais forte da nova economia. Estar na frente; investir nisso; educar para isso; trabalhar a esse nível de exigência e de competitividade, é a essência da energia diversificação. Macau não sabe mudar. Mas ainda pode aprender.  

Paulo Rego

Artigos relacionados

 
 

“O altruísmo do espírito cabo-verdiano é tudo o que sempre quis”

Shauna Barbosa é poeta, filha de mãe norte-americana e pai cabo-verdiano. A sua escrita tem o sabor e o ritmo dos dois lados do Atlântico. Cape Verdean Blues, o primeiro livro da autora, está a ser recebido com entusiasmo. Muitos leitores terão ficado a saber da existência da poeta Shauna Barbosa da mesma forma que

“Macau pode fazer mais e melhor”

O presidente do Instituto Politécnico de Macau defende que a região tem de saber tirar maior proveito do que a faz singular: a cultura e língua portuguesas. A presença do português foi uma das batalhas de Lei Heong Iok enquanto liderou a instituição que deixa no próximo mês. Sai do Instituto Politécnico de Macau (IPM)

Cultura com limites

A primeira edição do “Encontro em Macau – festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa” termina no domingo. No fim de semana passado, também teve lugar a primeira edição do Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa. O objetivo é que se tornem eventos

“Presidência pode marcar viragem para consolidação da CPLP”

A ilha cabo-verdiana do Sal acolhe, a 17 e 18 de julho, a XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). A cimeira para a qual está confirmada a presença de oito dos nove chefes de Estado da organização – Timor Leste cancelou a presença –

UNESCO: Lusofonia em peso

Cabo Verde quer garantir já para a semana o apoio de Portugal, Angola e Guiné-Bissau à candidatura conjunta do campo de concentração do Tarrafal a património da Humanidade. São Tomé e Príncipe, e Timor-Leste estão também a planear apresentar candidaturas junto da UNESCO. A cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) começa na

Lusofonia: unidos pelo património

O primeiro “Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa” terminou com um apelo dos dirigentes culturais lusófonos à criação de uma plataforma para a cooperação na proteção do património conjunto, nomeadamente o que se encontra nos países menos desenvolvidos.      Dois dias que souberam a pouco. Foi o que sentiram