Editorial-Photo-copy1

Plug-in to the future

A Europa muda o drive: a indústria automóvel aposta nos híbridos e ganham terreno os carros elétricos, com design futurista, sensação desportiva e um discurso imbatível de sustentabilidade. As motorizadas ainda são raras, mas vão vingando as bicicletas elétricas. Mais radical é o “overboard”, que pode dar ao conceito de andar a pé um sentido completamente novo. Quando for leve e versátil, será um must na conjugação com o transporte público. A roda gira depressa e os mercados querem atitude. Ainda é cara, mas a mobilidade elétrica é um dos faróis da modernidade. 

A indústria automóvel, mesmo comprometida com o petróleo, anuncia o futuro na gama de luxo. A Jaguar lança este ano o “verdadeiro desportivo”, 100 por cento elétrico, desafiando a Tesla e a BMW; a Mercedes pulveriza o mercado das empresas com uma versão plug-in + híbrido: elétrico enquanto pode, híbrido quando se esgota a autonomia elétrica. O ponto que interessa não é o das marcas, o das isenções fiscais ou o dos rankings de vendas. O que importa aqui reter é que a migração começou; anuncia-se a alta velocidade. A Alemanha assumiu o compromisso: 100 por cento de carros elétricos daqui a 20 anos. Incontornável.

Macau ainda pensa ao contrário. O pensamento não se move, porque não há o hábito de olhar mais longe. Leva mais ou menos tempo, mas o que tem de ser será. E quem mais tarde lá chegar, menos ganha com isso. 

Por outro lado, há um negócio real e lucrativo na migração; muitas vezes mal percebido. Migrar significa trocar, substituir, comprar e vender… E a proliferação de novos negócios em torno das tecnologias de ponta, cada vez mais associadas ao ambiente, é o motor mais forte da nova economia. Estar na frente; investir nisso; educar para isso; trabalhar a esse nível de exigência e de competitividade, é a essência da energia diversificação. Macau não sabe mudar. Mas ainda pode aprender.  

Paulo Rego

Artigos relacionados

 
 

Macau 20 anos depois

É o título da série documental de Carlos Fraga e Helena Madeira. Realizador e produtora querem perceber o que mudou em Macau desde o fim da administração portuguesa. Carlos Fraga e Helena Madeira voltaram a Macau para gravar o quarto documentário de uma série de seis sobre a cidade. O trabalho da produtora LivreMeio é uma

“Portugal está disponível para encontrar instrumentos de coinvestimento”

Portugal quer atrair financiamento de Macau e da China para o futuro fundo de apoio à internacionalização das empresas portuguesas. Eurico Brilhante Dias, secretário de Estado português da Internacionalização a participar na Feira Internacional de Macau (MIF), explica que o país pretende por esta via mobilizar meios para a cooperação sino-lusófona. - Participa durante a

Pequim entre o isolacionismo e a afirmação como superpotência

A China quer intervir mais além-fronteiras, mas continua fragilizada por questões internas, afirmam analistas, numa semana em que o Presidente Xi Jinping confirma o estatuto de mais forte líder chinês das últimas décadas. “Vamos assistir à reclamação da China da posição de grande potência, que será atribuída ao pensamento do atual líder”, afirmou David Kelly, diretor

A vida das empregadas domésticas

“The Helper” tem como protagonistas as empregadas domésticas estrangeiras que trabalham em Hong Kong. Joanna Bowers decidiu realizar o documentário por sentir que são descriminadas apesar de serem a “base” da sociedade. Estreou há uma semana em Hong Kong e o objetivo é que passe em Macau e na China Continental, e finalmente seja comprado

Transporte aéreo em Macau deve atrair mais companhias low-cost e oferecer mais escalas

Com cada vez mais ligações na região de Guangdong-Hong Kong-Macau, o mercado dos transportes aéreos também enfrenta, em simultâneo, uma situação complexa de competição e cooperação. Académicos da área dos transportes e membros da indústria turística consideraram, em declarações ao Plataforma, que Macau deve esforçar-se para encontrar o respetivo nicho de mercado, em particular criando

João Lourenço promete mudar quase tudo no estado da nação angolana

No seu primeiro discurso sobre o estado da Nação, o novo Presidente angolano, João Lourenço falou de José Eduardo dos Santos para elogiar o país pacificado que deixou, ao sair do poder, em setembro, 38 anos depois, sobrando mais de 55 minutos em que, da economia à educação, passando pelo combate à corrupção e maus