Editorial-Photo-copy1

Plug-in to the future

A Europa muda o drive: a indústria automóvel aposta nos híbridos e ganham terreno os carros elétricos, com design futurista, sensação desportiva e um discurso imbatível de sustentabilidade. As motorizadas ainda são raras, mas vão vingando as bicicletas elétricas. Mais radical é o “overboard”, que pode dar ao conceito de andar a pé um sentido completamente novo. Quando for leve e versátil, será um must na conjugação com o transporte público. A roda gira depressa e os mercados querem atitude. Ainda é cara, mas a mobilidade elétrica é um dos faróis da modernidade. 

A indústria automóvel, mesmo comprometida com o petróleo, anuncia o futuro na gama de luxo. A Jaguar lança este ano o “verdadeiro desportivo”, 100 por cento elétrico, desafiando a Tesla e a BMW; a Mercedes pulveriza o mercado das empresas com uma versão plug-in + híbrido: elétrico enquanto pode, híbrido quando se esgota a autonomia elétrica. O ponto que interessa não é o das marcas, o das isenções fiscais ou o dos rankings de vendas. O que importa aqui reter é que a migração começou; anuncia-se a alta velocidade. A Alemanha assumiu o compromisso: 100 por cento de carros elétricos daqui a 20 anos. Incontornável.

Macau ainda pensa ao contrário. O pensamento não se move, porque não há o hábito de olhar mais longe. Leva mais ou menos tempo, mas o que tem de ser será. E quem mais tarde lá chegar, menos ganha com isso. 

Por outro lado, há um negócio real e lucrativo na migração; muitas vezes mal percebido. Migrar significa trocar, substituir, comprar e vender… E a proliferação de novos negócios em torno das tecnologias de ponta, cada vez mais associadas ao ambiente, é o motor mais forte da nova economia. Estar na frente; investir nisso; educar para isso; trabalhar a esse nível de exigência e de competitividade, é a essência da energia diversificação. Macau não sabe mudar. Mas ainda pode aprender.  

Paulo Rego

Artigos relacionados

 
 

“Vou focar-me na afirmação da identidade macaense”

José Luís Pedruco Achiam quer dar voz às preocupações da comunidade macaense nas legislativas. O número 12 da lista liderada pela empresária Angela Leong garante que fará dos jovens e da afirmação da identidade da cultura que representa as suas batalhas nestas eleições e na Assembleia, caso vença. O candidato acredita ainda que os macaenses

Alibaba diz que gestão de trânsito é projeto-chave em Macau

Aplicação de inteligência artificial vai controlar sinalização luminosa e enviar recomendações aos utilizadores das vias. A gestão inteligente do trânsito de Macau será “projeto-chave” das operações do gigante de tecnologia chinês Alibaba na região no âmbito de um acordo-quadro com o Governo local que conta com um orçamento preliminar de 900 milhões de patacas –

Macau não tem nem quer ensino doméstico

O ensino doméstico de menores — conhecido pela expressão em inglês ‘home-schooling’ — não é permitido no território. E, dizem os investigadores da área, mesmo que fosse, os pais chineses são muito pouco recetivos a alternativas ao ensino tradicional. A editora Sofia Salgado e o fotógrafo Mica Costa-Grande saíram de Macau em 2000 e assumiram o

Que novo Presidente após 23 de agosto?

O próximo dia 23 de agosto vai ditar um novo Presidente para Angola, depois 38 anos de poder de José Eduardo dos Santos. Os desafios que o país enfrenta são elevados, como o prova a recente descida do ‘rating’ da dívida pública anunciada pela agência de notação financeira Fitch.  A queda do preço do petróleo, a

UE quer meios de veto a investimento chinês

Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa defende que Portugal deve manter posição de abertura, enquanto procura também uma melhor estratégia para abordar a China. A Comissão Europeia prepara-se para lançar, no próximo mês, as bases para novas regras de escrutínio a investidores externos à União Europeia em resultado das preocupações manifestadas por membros do bloco

Encontro assegurado no próximo ano

O Encontro de Mestres de Wushu 2017 foi “um sucesso” e para o próximo ano já está confirmada uma nova edição, afirma o presidente do Instituto do Desporto, Pun Weng Kun. O evento decorreu entre os dias 10 e 13 de agosto e conseguiu juntar perto de 80 mil visitantes, o que corresponde a mais 10