Editorial-Photo-copy1

Portugal está na moda

Depois do futebol, Salvador Sobral – anti-herói celebrado no Festival da Eurovisão – prova que a qualidade pode ter sucesso internacional. Mas demonstra também que o rebranding das velhas marcas portuguesas conquista as massas e o reconhecimento mundial. A operação montada pela televisão portuguesa é um caso de estudo mundial. Outros se seguirão. Os dados macroeconómicos, esses, são ainda mais surpreendentes. Depois da explosão do turismo, os setores primário e secundário exportam como nunca. E o crescimento do Produto Interno Bruto no primeiro trimestre (2,8 por cento) é pela primeira vez o maior da zona euro.

A direita europeia nem quer acreditar que a governação dita de esquerda produz estes resultados. Claro que há méritos do Governo anterior, como os há na reconversão das empresas e nos hábitos da população. Mas não vale a pena negar a realidade: o modelo económico e social português em curso prova que a austeridade terá sido eventualmente necessária, mas esgotou o seu ciclo. A alternativa é clara, funcional e tem sucesso. Portugal está hoje para a Europa como a China está para o resto do mundo: quebram tabus políticos e desmentem teses económicas conservadoras. São muito bem-vindas os bons exemplos alternativos.

Países investidores, como a China, olham certamente para Portugal com maior ambição. Porque há estabilidade política, massa crítica, modernização dos modelos de gestão e uma credibilidade internacional muito superior à que lhe é dada pelas agências de rating, presas a preconceitos que os números desmentem.

Macau, terra talhada para fazer a ponte entre a internacionalização chinesa e os mercados de língua portuguesa deve desenvolver a sua base relacional e apostar em Portugal como base operacional para o mundo lusófono. Há muito a fazer em Macau, nomeadamente nos campos da diversificação económica e da integração regional. Mas do ponto de vista da plataforma lusófona, Portugal é de longe o país onde hoje faz mais sentido assentar projetos com ambição internacional.

Paulo Rego

Artigos relacionados

 
 

Macau 20 anos depois

É o título da série documental de Carlos Fraga e Helena Madeira. Realizador e produtora querem perceber o que mudou em Macau desde o fim da administração portuguesa. Carlos Fraga e Helena Madeira voltaram a Macau para gravar o quarto documentário de uma série de seis sobre a cidade. O trabalho da produtora LivreMeio é uma

“Portugal está disponível para encontrar instrumentos de coinvestimento”

Portugal quer atrair financiamento de Macau e da China para o futuro fundo de apoio à internacionalização das empresas portuguesas. Eurico Brilhante Dias, secretário de Estado português da Internacionalização a participar na Feira Internacional de Macau (MIF), explica que o país pretende por esta via mobilizar meios para a cooperação sino-lusófona. - Participa durante a

Pequim entre o isolacionismo e a afirmação como superpotência

A China quer intervir mais além-fronteiras, mas continua fragilizada por questões internas, afirmam analistas, numa semana em que o Presidente Xi Jinping confirma o estatuto de mais forte líder chinês das últimas décadas. “Vamos assistir à reclamação da China da posição de grande potência, que será atribuída ao pensamento do atual líder”, afirmou David Kelly, diretor

A vida das empregadas domésticas

“The Helper” tem como protagonistas as empregadas domésticas estrangeiras que trabalham em Hong Kong. Joanna Bowers decidiu realizar o documentário por sentir que são descriminadas apesar de serem a “base” da sociedade. Estreou há uma semana em Hong Kong e o objetivo é que passe em Macau e na China Continental, e finalmente seja comprado

Transporte aéreo em Macau deve atrair mais companhias low-cost e oferecer mais escalas

Com cada vez mais ligações na região de Guangdong-Hong Kong-Macau, o mercado dos transportes aéreos também enfrenta, em simultâneo, uma situação complexa de competição e cooperação. Académicos da área dos transportes e membros da indústria turística consideraram, em declarações ao Plataforma, que Macau deve esforçar-se para encontrar o respetivo nicho de mercado, em particular criando

João Lourenço promete mudar quase tudo no estado da nação angolana

No seu primeiro discurso sobre o estado da Nação, o novo Presidente angolano, João Lourenço falou de José Eduardo dos Santos para elogiar o país pacificado que deixou, ao sair do poder, em setembro, 38 anos depois, sobrando mais de 55 minutos em que, da economia à educação, passando pelo combate à corrupção e maus