Editorial-Photo-copy1

Portugal está na moda

Depois do futebol, Salvador Sobral – anti-herói celebrado no Festival da Eurovisão – prova que a qualidade pode ter sucesso internacional. Mas demonstra também que o rebranding das velhas marcas portuguesas conquista as massas e o reconhecimento mundial. A operação montada pela televisão portuguesa é um caso de estudo mundial. Outros se seguirão. Os dados macroeconómicos, esses, são ainda mais surpreendentes. Depois da explosão do turismo, os setores primário e secundário exportam como nunca. E o crescimento do Produto Interno Bruto no primeiro trimestre (2,8 por cento) é pela primeira vez o maior da zona euro.

A direita europeia nem quer acreditar que a governação dita de esquerda produz estes resultados. Claro que há méritos do Governo anterior, como os há na reconversão das empresas e nos hábitos da população. Mas não vale a pena negar a realidade: o modelo económico e social português em curso prova que a austeridade terá sido eventualmente necessária, mas esgotou o seu ciclo. A alternativa é clara, funcional e tem sucesso. Portugal está hoje para a Europa como a China está para o resto do mundo: quebram tabus políticos e desmentem teses económicas conservadoras. São muito bem-vindas os bons exemplos alternativos.

Países investidores, como a China, olham certamente para Portugal com maior ambição. Porque há estabilidade política, massa crítica, modernização dos modelos de gestão e uma credibilidade internacional muito superior à que lhe é dada pelas agências de rating, presas a preconceitos que os números desmentem.

Macau, terra talhada para fazer a ponte entre a internacionalização chinesa e os mercados de língua portuguesa deve desenvolver a sua base relacional e apostar em Portugal como base operacional para o mundo lusófono. Há muito a fazer em Macau, nomeadamente nos campos da diversificação económica e da integração regional. Mas do ponto de vista da plataforma lusófona, Portugal é de longe o país onde hoje faz mais sentido assentar projetos com ambição internacional.

Paulo Rego

Artigos relacionados

 
 

Um ar impróprio para consumo

A OMS recomenda que a concentração de micropartículas PM 2.5 no ar — um dos poluentes considerados mais lesivos para a saúde — não se situe acima dos 25 microgramas por metro cúbico, em média, por dia. Macau estipula um limite três vezes superior. A discrepância tem um motivo: caso se adotasse o parâmetro recomendado internacionalmente,

“Ex-Procurador poderá vir a ser vítima do cargo que ocupou”

Continua a ser uma incógnita a data e os moldes em que deverá ser retomado o protocolo que vigorava entre a Ordem dos Advogados de Portugal e a Associação dos Advogados de Macau, suspenso desde 2013 e que permitia o reconhecimento recíproco para acesso ao exercício da profissão. Em entrevista ao PLATAFORMA, Jorge Neto Valente

“É a partir de Lisboa que a Nova Rota da Seda pode tomar o barco para as Américas”

Paulo Duarte, investigador do Instituto do Oriente, em Lisboa, é autor de uma tese de doutoramento sobre a iniciativa Faixa e Rota cuja súmula será publicada no final do ano pelo Instituto Internacional de Macau.  - Como é que uma das economias mais protecionistas do mundo convence o resto do mundo de que é a

Um destino de férias improvável, ou talvez não

A primeira vez que o português Walter Figueiredo aterrou em Bissau foi em 2008. A visita a um familiar impunha-se, apesar de a Guiné-Bissau pouco lhe dizer. Uma antiga colónia portuguesa, atormentada por uma instabilidade cíclica e um dos países mais pobres do mundo. “As expetativas eram muito baixas e tinha uma má imagem da Guiné-Bissau”,

Um aliado mais distante do Norte

A tensão política na península coreana está a agravar-se, com novas provocações do regime de Pyongyang e ameaças de novas sanções e mais militares por parte dos Estados Unidos. A China, apoio essencial da Coreia do Norte, tem-se mantido mais em silêncio e há quem leia nessa posição um distanciamento prudente. “Os princípios da política externa

Países lusófonos juntam-se à festa em Fátima

A visita do papa Francisco a Fátima está a suscitar entusiasmo não apenas em Portugal. No espaço de língua portuguesa, as aparições marianas da Cova da Iria, que celebram 100 anos, são veneradas, com dezenas de templos de homenagem a Nossa Senhora de Fátima, e são esperados milhares de peregrinos que falam português vindos de África,