Editorial-Photo-copy1

Portugal está na moda

Depois do futebol, Salvador Sobral – anti-herói celebrado no Festival da Eurovisão – prova que a qualidade pode ter sucesso internacional. Mas demonstra também que o rebranding das velhas marcas portuguesas conquista as massas e o reconhecimento mundial. A operação montada pela televisão portuguesa é um caso de estudo mundial. Outros se seguirão. Os dados macroeconómicos, esses, são ainda mais surpreendentes. Depois da explosão do turismo, os setores primário e secundário exportam como nunca. E o crescimento do Produto Interno Bruto no primeiro trimestre (2,8 por cento) é pela primeira vez o maior da zona euro.

A direita europeia nem quer acreditar que a governação dita de esquerda produz estes resultados. Claro que há méritos do Governo anterior, como os há na reconversão das empresas e nos hábitos da população. Mas não vale a pena negar a realidade: o modelo económico e social português em curso prova que a austeridade terá sido eventualmente necessária, mas esgotou o seu ciclo. A alternativa é clara, funcional e tem sucesso. Portugal está hoje para a Europa como a China está para o resto do mundo: quebram tabus políticos e desmentem teses económicas conservadoras. São muito bem-vindas os bons exemplos alternativos.

Países investidores, como a China, olham certamente para Portugal com maior ambição. Porque há estabilidade política, massa crítica, modernização dos modelos de gestão e uma credibilidade internacional muito superior à que lhe é dada pelas agências de rating, presas a preconceitos que os números desmentem.

Macau, terra talhada para fazer a ponte entre a internacionalização chinesa e os mercados de língua portuguesa deve desenvolver a sua base relacional e apostar em Portugal como base operacional para o mundo lusófono. Há muito a fazer em Macau, nomeadamente nos campos da diversificação económica e da integração regional. Mas do ponto de vista da plataforma lusófona, Portugal é de longe o país onde hoje faz mais sentido assentar projetos com ambição internacional.

Paulo Rego

Artigos relacionados

 
 

“Vou focar-me na afirmação da identidade macaense”

José Luís Pedruco Achiam quer dar voz às preocupações da comunidade macaense nas legislativas. O número 12 da lista liderada pela empresária Angela Leong garante que fará dos jovens e da afirmação da identidade da cultura que representa as suas batalhas nestas eleições e na Assembleia, caso vença. O candidato acredita ainda que os macaenses

Alibaba diz que gestão de trânsito é projeto-chave em Macau

Aplicação de inteligência artificial vai controlar sinalização luminosa e enviar recomendações aos utilizadores das vias. A gestão inteligente do trânsito de Macau será “projeto-chave” das operações do gigante de tecnologia chinês Alibaba na região no âmbito de um acordo-quadro com o Governo local que conta com um orçamento preliminar de 900 milhões de patacas –

Macau não tem nem quer ensino doméstico

O ensino doméstico de menores — conhecido pela expressão em inglês ‘home-schooling’ — não é permitido no território. E, dizem os investigadores da área, mesmo que fosse, os pais chineses são muito pouco recetivos a alternativas ao ensino tradicional. A editora Sofia Salgado e o fotógrafo Mica Costa-Grande saíram de Macau em 2000 e assumiram o

Que novo Presidente após 23 de agosto?

O próximo dia 23 de agosto vai ditar um novo Presidente para Angola, depois 38 anos de poder de José Eduardo dos Santos. Os desafios que o país enfrenta são elevados, como o prova a recente descida do ‘rating’ da dívida pública anunciada pela agência de notação financeira Fitch.  A queda do preço do petróleo, a

UE quer meios de veto a investimento chinês

Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa defende que Portugal deve manter posição de abertura, enquanto procura também uma melhor estratégia para abordar a China. A Comissão Europeia prepara-se para lançar, no próximo mês, as bases para novas regras de escrutínio a investidores externos à União Europeia em resultado das preocupações manifestadas por membros do bloco

Encontro assegurado no próximo ano

O Encontro de Mestres de Wushu 2017 foi “um sucesso” e para o próximo ano já está confirmada uma nova edição, afirma o presidente do Instituto do Desporto, Pun Weng Kun. O evento decorreu entre os dias 10 e 13 de agosto e conseguiu juntar perto de 80 mil visitantes, o que corresponde a mais 10