Editorial-paulo

Portugal está na moda

Depois do futebol, Salvador Sobral – anti-herói celebrado no Festival da Eurovisão – prova que a qualidade pode ter sucesso internacional. Mas demonstra também que o rebranding das velhas marcas portuguesas conquista as massas e o reconhecimento mundial. A operação montada pela televisão portuguesa é um caso de estudo mundial. Outros se seguirão. Os dados macroeconómicos, esses, são ainda mais surpreendentes. Depois da explosão do turismo, os setores primário e secundário exportam como nunca. E o crescimento do Produto Interno Bruto no primeiro trimestre (2,8 por cento) é pela primeira vez o maior da zona euro.

A direita europeia nem quer acreditar que a governação dita de esquerda produz estes resultados. Claro que há méritos do Governo anterior, como os há na reconversão das empresas e nos hábitos da população. Mas não vale a pena negar a realidade: o modelo económico e social português em curso prova que a austeridade terá sido eventualmente necessária, mas esgotou o seu ciclo. A alternativa é clara, funcional e tem sucesso. Portugal está hoje para a Europa como a China está para o resto do mundo: quebram tabus políticos e desmentem teses económicas conservadoras. São muito bem-vindas os bons exemplos alternativos.

Países investidores, como a China, olham certamente para Portugal com maior ambição. Porque há estabilidade política, massa crítica, modernização dos modelos de gestão e uma credibilidade internacional muito superior à que lhe é dada pelas agências de rating, presas a preconceitos que os números desmentem.

Macau, terra talhada para fazer a ponte entre a internacionalização chinesa e os mercados de língua portuguesa deve desenvolver a sua base relacional e apostar em Portugal como base operacional para o mundo lusófono. Há muito a fazer em Macau, nomeadamente nos campos da diversificação económica e da integração regional. Mas do ponto de vista da plataforma lusófona, Portugal é de longe o país onde hoje faz mais sentido assentar projetos com ambição internacional.

Paulo Rego

Artigos relacionados

 
 

Turismo para dinamizar relações

União Europeia (UE) aposta no turismo e tecnologias verdes para reforçar laços com Macau. Chefe do Gabinete da UE para Macau e Hong Kong também salienta cooperação jurídica e reforço de direitos como vetores importantes.  O turismo será a próxima área chave para a cooperação entre União Europeia (UE) e Macau, referiu ao PLATAFORMA Carmen

“Estou muito atento à questão dos direitos, liberdades e garantias”

Leonel Alves diz ter algum receio face a eventuais alterações ao Código Penal e Código de Processo Penal. Salienta que é preciso preservar os direitos fundamentais e defende diálogo com especialistas da China continental.  Considera que o futuro Chefe do Executivo deve ter um bom conhecimento económico, mas não exclui nenhum dos nomes mais falados:

Maioria absoluta, mas não total

A coligação opositora em Timor-Leste venceu as eleições com maioria absoluta, derrotando nas urnas o partido no poder, a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin).  Este resultado põe fim a oito meses de tensão política no país, mas não dá o poder político total à Aliança de Mudança para o Progresso (AMP), liderada por Xanana

Mão pesada para Sulu Sou

O Ministério Público pediu pena de prisão efetiva para o deputado suspenso Sulu Sou e para o ativista Scott Chiang durante o julgamento que envolve os dois membros da Associação Novo Macau, segundo o canal português da Rádio Macau. Ambos são acusados do crime de desobediência qualificada na sequência de uma manifestação organizada em 2016

EDP: Mercado à espera que CTG suba a parada

O valor oferecido pela China Three Gorges pelo controlo da EDP é considerado baixo pela administração da empresa, analistas e mercado – que segue a valorizar as cotações da elétrica acima da proposta de OPA. Com o mercado a dar mais pela EDP do que a China Three Gorges, são fortes as expectativas de uma

Vida depois do “fim do mundo”: Wenchuan dez anos depois

Em Beichuan, província de Sichuan, o tempo parou. Nesta cidade que em tempos alojou 160 mil pessoas, os únicos sinais de vida hoje são as borboletas que sobrevoam os destroços das habitações, edifícios e carros destruídos.  No dia 12 de maio de 2008, às 14 horas e 28 minutos, Sichuan foi atingido por um terramoto