chan

Presença militar indiana na fronteira chinesa tem o apoio dos EUA?

A transgressão do Exército indiano sobre o território chinês e o subsequente confronto com o Exército chinês já duram há mais de um mês. Apesar das tentativas de persuasão e advertências da China, as tropas não mostram intenções de se retirar. Num período de 24 horas entre os dias 3 e 4 de agosto, seis entidades chinesas, nomeadamente o Ministério dos Negócios Estrangeiros, o Ministério da Defesa Nacional, o jornal Diário do Povo, o jornal Diário do Exército de Libertação Popular, a Agência Xinhua e a embaixada da China na Índia emitiram comunicados, referindo de forma aprofundada que estas ações por parte da Índia prejudicam a paz das zonas fronteiriças e violam a soberania da China, afetando também as relações bilaterais. Contudo, o Exército indiano fez ouvidos moucos e manteve-se intransigente, afirmando que iria tomar o lugar do Exército butanês. O primeiro-ministro indiano Narendra Modi, que não fez qualquer comentário sobre este confronto, afirmou a 5 de agosto num vídeo que publicou por ocasião da 2ª edição do “Samvad – Iniciativa Global de Prevenção de Conflitos e de Consciência Ambiental” em Rangum, Myanmar, que o diálogo é a única forma de resolver conflitos e divergências e de desfazer preconceitos entre países e sociedades.

Segundo Modi, no século XXI todos os países estão interligados e são interdependentes, enfrentando em conjunto desafios globais como o terrorismo e as alterações climáticas. O primeiro-ministro afirmou estar confiante de ser possível a resolução de problemas no mais antigo diálogo da Ásia. Durante o discurso, Modi louvou o antigo conceito indiano de “Tarka Shastra”, afirmando que este constitui um modelo para a troca de ideias e prevenção de conflitos com base no diálogo.

Neste discurso, Narendra Modi respondeu indiretamente à sugestão da China sobre a possibilidade de resolver os problemas através do diálogo, contudo não aceitou a condição para o diálogo que exigia a retirada das tropas da fronteira. Embora as tropas indianas já tenham sido reduzidas dos iniciais 400 militares para 40, de dois veículos para um, e tenha sido também retirada uma das tendas, as tropas ainda estão em território chinês sem terem efetuado uma retirada completa.

Embora Modi fale em diálogo, o ministro da Defesa da Índia diz que não teme uma guerra com a China. Estas palavras contraditórias serão certamente causadas pelo apoio dos Estados Unidos, pois o Departamento de Estado do país já afirmou apoiar a Índia na adesão ao Conselho de Segurança da ONU, e o Presidente Donald Trump ao encontrar-se com Narendra Modi declarou o seu apoio à inclusão da Índia como sexto membro permanente do Conselho de Segurança. Com base nestas afirmações, a Índia acredita que os Estados Unidos irão realmente prestar apoio ao país, sem imaginar que o apoio verbal do Departamento de Estado e de Trump não passa de palavras ocas. 

É natural que a Índia se queira tornar no sexto membro permanente do Conselho de Segurança da ONU e receber o apoio dos Estados Unidos, mas será a Índia a única nesta posição? Outros países como o Japão, a África do Sul, o Brasil ou mesmo a Alemanha já há muito tiveram esta intenção. Irão os Estados Unidos apenas apoiar a Índia entre todos estes países? 

Além do mais, a adesão de mais um membro permanente ao Conselho de Segurança é um evento de grande magnitude. Bastará apenas o peso da palavra norte-americana? Se a Índia pensa realmente assim, está a ser muito ingénua. Modi deveria abandonar estas fantasias e procurar uma forma de retirar o mais cedo possível as tropas da fronteira, de forma a evitar que o incidente se arraste por mais tempo, pois a guerra de desgaste é o forte da China.  

DAVID Chan 

Artigos relacionados

 
 

“Há uma geração que irá sempre olhar para a China por causa de Macau, e agora outra que olha para a China onde também está Macau”

O tempo e o pragmatismo das relações luso-chinesas, 18 anos após a entrega de Macau, deixam Lisboa mais indiferente à evolução sociopolítica de Macau. Raquel Vaz-Pinto vê o distanciamento como inevitável, numa altura em que, por outro lado, a China está cada vez mais presente em Portugal. A politóloga, especialista em política externa chinesa, admite que

“É inútil ter medo”

Se perder o lugar de deputado depois de ir a tribunal, Sulu Sou promete não desistir da política. A Associação Novo Macau ainda não sabe o que vai fazer caso o ativista seja obrigado a abandonar a assembleia. O julgamento está marcado para dia 9 de janeiro. Foi eleito deputado dia 17 de setembro. Quase

Bruxelas exige “compromisso de alto nível” para tirar Macau da lista negra

A revisão da decisão tomada a 5 de dezembro pode ser feita a qualquer altura, indica responsável da UE. Sanções por falta de cooperação fiscal excluem Macau de projetos em África que tenham financiamento do bloco.  Macau poderá ser retirada a qualquer altura da lista da União Europeia de jurisdições não-cooperantes em matéria fiscal. Para tal,

Novo nome e nova rota para os 18 anos da RAEM

O “Desfile Internacional de Macau”, integrado nas comemorações do 18º aniversário do estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau, vai sair à rua no domingo, dia 17 de dezembro, com uma nova rota, a previsão de mais público e um orçamento de 16 milhões de patacas.  De acordo com Leung Hio Ming, presidente do Instituto Cultural

Uma China à conquista do mundo

Uma malha ferroviária até à Europa, gasodutos desde o Turquemenistão e Birmânia ou novos portos em Moçambique e Geórgia anunciam uma “nova era”, na qual a China Continental ocupará o “centro” da futura ordem mundial. “É uma mudança histórica na posição da China no mundo”, explica He Yafei, antigo vice-ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, durante

Eletricidade, um bem de luxo

Num momento em que as autoridades guineenses apostam no desenvolvimento de setores como o turismo e a agricultura para fomentar o crescimento económico do país, a Guiné-Bissau não pode, nem deve descurar a eletrificação do seu território, que ainda é incipiente. Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), disponibilizados no último relatório da Conferência