chan

Recordações da semana dourada

Este ano, devido à junção da Semana Dourada com o Festival da Lua, haverá na China continental um período de oito dias de férias, havendo uma “super Semana Dourada”. Estima-se que durante estas longas férias haverá 700 milhões de pessoas a deslocar-se em turismo ou para visitar familiares, e Macau, como centro mundial do turismo e lazer, deve naturalmente fazer os preparativos necessários para a chegada de uma possível multidão de turistas. Maria Helena de Senna Fernandes, diretora dos Serviços de Turismo de Macau, prevê que na Semana Dourada de 1 de outubro deste ano haja um aumento de 0,5 por cento no número de turistas a visitar Macau. Setores como o turismo, jogo, hotelaria, restauração e comércio de lembranças têm esperança que a chegada dos turistas traga um estímulo à sua atividade.

Em Macau não temos a mesma situação de período de férias prolongado pela junção do Dia Nacional e do Festival da Lua, Porém, contando com o feriado reposto no dia seguinte ao Dia Nacional, os residentes desfrutam de três dias de folga.

Quando falamos do Dia Nacional, estamos naturalmente a falar do Dia Nacional da República Popular da China. Este dia não era um feriado obrigatório antes da transferência de soberania, tendo sido instituído de forma gradual após 1967.

Antes de 1967, Macau tinha três “dias nacionais”, todos no princípio de outubro. Estes três eram o Dia Nacional da República Popular da China de 1 de outubro (então popularmente conhecido como o Dia Nacional da Nova China ou o Dia Nacional do Partido Comunista), a Implantação da República Portuguesa de 5 de outubro e o Dia Nacional da República da China de 10 de outubro (então conhecido popularmente como o “Dia 10-10”). Para além das paradas militares no dia 5 de outubro e posteriores cocktails, na Fortaleza do Monte (fortaleza central) muitos usavam holofotes militares para iluminar a bandeira nacional, e nas vizinhanças do Palácio da Praia Grande, Farol da Guia e da estátua equestre da Praia Grande havia sempre luzes celebrativas. Para comemorar os dias nacionais da China e de Portugal também chegou a haver lançamento de fogo de artifício em frente ao antigo tribunal, na zona do Edifício Montepio (onde fica o Restaurante Solmar) e do Edifício Hou Wa (onde fica a Foto Princesa). A República Popular da China já tinha sido estabelecida, mas Portugal ainda mantinha relações com o governo nacionalista de Taiwan. Porém, o Governo de Macau da altura não colocava qualquer obstáculo à celebração do dia Nacional da China pelos residentes de etnia chinesa, por isso, durante este período, os habitantes de esquerda colocavam decorações nos arcos, penduravam bandeiras da República Popular da China, lançavam petardos e organizavam festas. As celebrações na altura terminavam geralmente no dia 4, pois o dia 5 era o dia português.

Antes de 1967, os habitantes de direita também decoravam os arcos em celebração do Dia 10-10. Na altura, com o apoio do comissário do governo nacionalista de Taiwan em Macau (cujo gabinete ficava situado no atual Edifício San Wa na Avenida da Praia Grande), penduravam a bandeira azul e vermelha com o sol branco, e alguns escuteiros reuniam-se na zona da antiga casa do Dr. Sun Yat-sen na Rua de Silva Mendes para celebrar. Na altura, Lu Muzhen, antiga esposa de Sun-Yat-sen, ainda residia aí, mas entretanto já faleceu.

1966 foi o último ano em que os residentes de direita celebraram o Dia 10-10, pois a 3 de dezembro desse ano deu-se o Motim 1-2-3, e os indivíduos ou grupos de direita, tendo sido apontados como agentes ou grupos de espionagem, abandonaram Macau.

Pelo que me lembro, a antiga celebração em Macau dos três dias nacionais em outubro, embora aparentemente tranquila, escondia uma atmosfera extremamente tensa, na qual poderia a qualquer altura surgir um conflito entre os residentes de esquerda e de direita.

Desde da transferência de soberania, o Dia Nacional celebrado em Macau tem sido o dia 1 de outubro, a Implantação da República Popular da China. O ambiente na cidade é animado e nada tenso, e este ano junta-se ainda a super Semana Dourada. Logo saberemos se ela poderá ou não oferecer um estímulo à indústria. 

DAVID Chan

Artigos relacionados

 
 

“Há uma geração que irá sempre olhar para a China por causa de Macau, e agora outra que olha para a China onde também está Macau”

O tempo e o pragmatismo das relações luso-chinesas, 18 anos após a entrega de Macau, deixam Lisboa mais indiferente à evolução sociopolítica de Macau. Raquel Vaz-Pinto vê o distanciamento como inevitável, numa altura em que, por outro lado, a China está cada vez mais presente em Portugal. A politóloga, especialista em política externa chinesa, admite que

“É inútil ter medo”

Se perder o lugar de deputado depois de ir a tribunal, Sulu Sou promete não desistir da política. A Associação Novo Macau ainda não sabe o que vai fazer caso o ativista seja obrigado a abandonar a assembleia. O julgamento está marcado para dia 9 de janeiro. Foi eleito deputado dia 17 de setembro. Quase

Bruxelas exige “compromisso de alto nível” para tirar Macau da lista negra

A revisão da decisão tomada a 5 de dezembro pode ser feita a qualquer altura, indica responsável da UE. Sanções por falta de cooperação fiscal excluem Macau de projetos em África que tenham financiamento do bloco.  Macau poderá ser retirada a qualquer altura da lista da União Europeia de jurisdições não-cooperantes em matéria fiscal. Para tal,

Novo nome e nova rota para os 18 anos da RAEM

O “Desfile Internacional de Macau”, integrado nas comemorações do 18º aniversário do estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau, vai sair à rua no domingo, dia 17 de dezembro, com uma nova rota, a previsão de mais público e um orçamento de 16 milhões de patacas.  De acordo com Leung Hio Ming, presidente do Instituto Cultural

Uma China à conquista do mundo

Uma malha ferroviária até à Europa, gasodutos desde o Turquemenistão e Birmânia ou novos portos em Moçambique e Geórgia anunciam uma “nova era”, na qual a China Continental ocupará o “centro” da futura ordem mundial. “É uma mudança histórica na posição da China no mundo”, explica He Yafei, antigo vice-ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, durante

Eletricidade, um bem de luxo

Num momento em que as autoridades guineenses apostam no desenvolvimento de setores como o turismo e a agricultura para fomentar o crescimento económico do país, a Guiné-Bissau não pode, nem deve descurar a eletrificação do seu território, que ainda é incipiente. Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), disponibilizados no último relatório da Conferência