22533_1136223624743_1669200_n

Recordações da semana dourada

Este ano, devido à junção da Semana Dourada com o Festival da Lua, haverá na China continental um período de oito dias de férias, havendo uma “super Semana Dourada”. Estima-se que durante estas longas férias haverá 700 milhões de pessoas a deslocar-se em turismo ou para visitar familiares, e Macau, como centro mundial do turismo e lazer, deve naturalmente fazer os preparativos necessários para a chegada de uma possível multidão de turistas. Maria Helena de Senna Fernandes, diretora dos Serviços de Turismo de Macau, prevê que na Semana Dourada de 1 de outubro deste ano haja um aumento de 0,5 por cento no número de turistas a visitar Macau. Setores como o turismo, jogo, hotelaria, restauração e comércio de lembranças têm esperança que a chegada dos turistas traga um estímulo à sua atividade.

Em Macau não temos a mesma situação de período de férias prolongado pela junção do Dia Nacional e do Festival da Lua, Porém, contando com o feriado reposto no dia seguinte ao Dia Nacional, os residentes desfrutam de três dias de folga.

Quando falamos do Dia Nacional, estamos naturalmente a falar do Dia Nacional da República Popular da China. Este dia não era um feriado obrigatório antes da transferência de soberania, tendo sido instituído de forma gradual após 1967.

Antes de 1967, Macau tinha três “dias nacionais”, todos no princípio de outubro. Estes três eram o Dia Nacional da República Popular da China de 1 de outubro (então popularmente conhecido como o Dia Nacional da Nova China ou o Dia Nacional do Partido Comunista), a Implantação da República Portuguesa de 5 de outubro e o Dia Nacional da República da China de 10 de outubro (então conhecido popularmente como o “Dia 10-10”). Para além das paradas militares no dia 5 de outubro e posteriores cocktails, na Fortaleza do Monte (fortaleza central) muitos usavam holofotes militares para iluminar a bandeira nacional, e nas vizinhanças do Palácio da Praia Grande, Farol da Guia e da estátua equestre da Praia Grande havia sempre luzes celebrativas. Para comemorar os dias nacionais da China e de Portugal também chegou a haver lançamento de fogo de artifício em frente ao antigo tribunal, na zona do Edifício Montepio (onde fica o Restaurante Solmar) e do Edifício Hou Wa (onde fica a Foto Princesa). A República Popular da China já tinha sido estabelecida, mas Portugal ainda mantinha relações com o governo nacionalista de Taiwan. Porém, o Governo de Macau da altura não colocava qualquer obstáculo à celebração do dia Nacional da China pelos residentes de etnia chinesa, por isso, durante este período, os habitantes de esquerda colocavam decorações nos arcos, penduravam bandeiras da República Popular da China, lançavam petardos e organizavam festas. As celebrações na altura terminavam geralmente no dia 4, pois o dia 5 era o dia português.

Antes de 1967, os habitantes de direita também decoravam os arcos em celebração do Dia 10-10. Na altura, com o apoio do comissário do governo nacionalista de Taiwan em Macau (cujo gabinete ficava situado no atual Edifício San Wa na Avenida da Praia Grande), penduravam a bandeira azul e vermelha com o sol branco, e alguns escuteiros reuniam-se na zona da antiga casa do Dr. Sun Yat-sen na Rua de Silva Mendes para celebrar. Na altura, Lu Muzhen, antiga esposa de Sun-Yat-sen, ainda residia aí, mas entretanto já faleceu.

1966 foi o último ano em que os residentes de direita celebraram o Dia 10-10, pois a 3 de dezembro desse ano deu-se o Motim 1-2-3, e os indivíduos ou grupos de direita, tendo sido apontados como agentes ou grupos de espionagem, abandonaram Macau.

Pelo que me lembro, a antiga celebração em Macau dos três dias nacionais em outubro, embora aparentemente tranquila, escondia uma atmosfera extremamente tensa, na qual poderia a qualquer altura surgir um conflito entre os residentes de esquerda e de direita.

Desde da transferência de soberania, o Dia Nacional celebrado em Macau tem sido o dia 1 de outubro, a Implantação da República Popular da China. O ambiente na cidade é animado e nada tenso, e este ano junta-se ainda a super Semana Dourada. Logo saberemos se ela poderá ou não oferecer um estímulo à indústria. 

DAVID Chan

Artigos relacionados

 
 

Macau 20 anos depois

É o título da série documental de Carlos Fraga e Helena Madeira. Realizador e produtora querem perceber o que mudou em Macau desde o fim da administração portuguesa. Carlos Fraga e Helena Madeira voltaram a Macau para gravar o quarto documentário de uma série de seis sobre a cidade. O trabalho da produtora LivreMeio é uma

“Portugal está disponível para encontrar instrumentos de coinvestimento”

Portugal quer atrair financiamento de Macau e da China para o futuro fundo de apoio à internacionalização das empresas portuguesas. Eurico Brilhante Dias, secretário de Estado português da Internacionalização a participar na Feira Internacional de Macau (MIF), explica que o país pretende por esta via mobilizar meios para a cooperação sino-lusófona. - Participa durante a

Pequim entre o isolacionismo e a afirmação como superpotência

A China quer intervir mais além-fronteiras, mas continua fragilizada por questões internas, afirmam analistas, numa semana em que o Presidente Xi Jinping confirma o estatuto de mais forte líder chinês das últimas décadas. “Vamos assistir à reclamação da China da posição de grande potência, que será atribuída ao pensamento do atual líder”, afirmou David Kelly, diretor

A vida das empregadas domésticas

“The Helper” tem como protagonistas as empregadas domésticas estrangeiras que trabalham em Hong Kong. Joanna Bowers decidiu realizar o documentário por sentir que são descriminadas apesar de serem a “base” da sociedade. Estreou há uma semana em Hong Kong e o objetivo é que passe em Macau e na China Continental, e finalmente seja comprado

Transporte aéreo em Macau deve atrair mais companhias low-cost e oferecer mais escalas

Com cada vez mais ligações na região de Guangdong-Hong Kong-Macau, o mercado dos transportes aéreos também enfrenta, em simultâneo, uma situação complexa de competição e cooperação. Académicos da área dos transportes e membros da indústria turística consideraram, em declarações ao Plataforma, que Macau deve esforçar-se para encontrar o respetivo nicho de mercado, em particular criando

João Lourenço promete mudar quase tudo no estado da nação angolana

No seu primeiro discurso sobre o estado da Nação, o novo Presidente angolano, João Lourenço falou de José Eduardo dos Santos para elogiar o país pacificado que deixou, ao sair do poder, em setembro, 38 anos depois, sobrando mais de 55 minutos em que, da economia à educação, passando pelo combate à corrupção e maus