chan

Recordações da semana dourada

Este ano, devido à junção da Semana Dourada com o Festival da Lua, haverá na China continental um período de oito dias de férias, havendo uma “super Semana Dourada”. Estima-se que durante estas longas férias haverá 700 milhões de pessoas a deslocar-se em turismo ou para visitar familiares, e Macau, como centro mundial do turismo e lazer, deve naturalmente fazer os preparativos necessários para a chegada de uma possível multidão de turistas. Maria Helena de Senna Fernandes, diretora dos Serviços de Turismo de Macau, prevê que na Semana Dourada de 1 de outubro deste ano haja um aumento de 0,5 por cento no número de turistas a visitar Macau. Setores como o turismo, jogo, hotelaria, restauração e comércio de lembranças têm esperança que a chegada dos turistas traga um estímulo à sua atividade.

Em Macau não temos a mesma situação de período de férias prolongado pela junção do Dia Nacional e do Festival da Lua, Porém, contando com o feriado reposto no dia seguinte ao Dia Nacional, os residentes desfrutam de três dias de folga.

Quando falamos do Dia Nacional, estamos naturalmente a falar do Dia Nacional da República Popular da China. Este dia não era um feriado obrigatório antes da transferência de soberania, tendo sido instituído de forma gradual após 1967.

Antes de 1967, Macau tinha três “dias nacionais”, todos no princípio de outubro. Estes três eram o Dia Nacional da República Popular da China de 1 de outubro (então popularmente conhecido como o Dia Nacional da Nova China ou o Dia Nacional do Partido Comunista), a Implantação da República Portuguesa de 5 de outubro e o Dia Nacional da República da China de 10 de outubro (então conhecido popularmente como o “Dia 10-10”). Para além das paradas militares no dia 5 de outubro e posteriores cocktails, na Fortaleza do Monte (fortaleza central) muitos usavam holofotes militares para iluminar a bandeira nacional, e nas vizinhanças do Palácio da Praia Grande, Farol da Guia e da estátua equestre da Praia Grande havia sempre luzes celebrativas. Para comemorar os dias nacionais da China e de Portugal também chegou a haver lançamento de fogo de artifício em frente ao antigo tribunal, na zona do Edifício Montepio (onde fica o Restaurante Solmar) e do Edifício Hou Wa (onde fica a Foto Princesa). A República Popular da China já tinha sido estabelecida, mas Portugal ainda mantinha relações com o governo nacionalista de Taiwan. Porém, o Governo de Macau da altura não colocava qualquer obstáculo à celebração do dia Nacional da China pelos residentes de etnia chinesa, por isso, durante este período, os habitantes de esquerda colocavam decorações nos arcos, penduravam bandeiras da República Popular da China, lançavam petardos e organizavam festas. As celebrações na altura terminavam geralmente no dia 4, pois o dia 5 era o dia português.

Antes de 1967, os habitantes de direita também decoravam os arcos em celebração do Dia 10-10. Na altura, com o apoio do comissário do governo nacionalista de Taiwan em Macau (cujo gabinete ficava situado no atual Edifício San Wa na Avenida da Praia Grande), penduravam a bandeira azul e vermelha com o sol branco, e alguns escuteiros reuniam-se na zona da antiga casa do Dr. Sun Yat-sen na Rua de Silva Mendes para celebrar. Na altura, Lu Muzhen, antiga esposa de Sun-Yat-sen, ainda residia aí, mas entretanto já faleceu.

1966 foi o último ano em que os residentes de direita celebraram o Dia 10-10, pois a 3 de dezembro desse ano deu-se o Motim 1-2-3, e os indivíduos ou grupos de direita, tendo sido apontados como agentes ou grupos de espionagem, abandonaram Macau.

Pelo que me lembro, a antiga celebração em Macau dos três dias nacionais em outubro, embora aparentemente tranquila, escondia uma atmosfera extremamente tensa, na qual poderia a qualquer altura surgir um conflito entre os residentes de esquerda e de direita.

Desde da transferência de soberania, o Dia Nacional celebrado em Macau tem sido o dia 1 de outubro, a Implantação da República Popular da China. O ambiente na cidade é animado e nada tenso, e este ano junta-se ainda a super Semana Dourada. Logo saberemos se ela poderá ou não oferecer um estímulo à indústria. 

DAVID Chan

Artigos relacionados

 
 

“O altruísmo do espírito cabo-verdiano é tudo o que sempre quis”

Shauna Barbosa é poeta, filha de mãe norte-americana e pai cabo-verdiano. A sua escrita tem o sabor e o ritmo dos dois lados do Atlântico. Cape Verdean Blues, o primeiro livro da autora, está a ser recebido com entusiasmo. Muitos leitores terão ficado a saber da existência da poeta Shauna Barbosa da mesma forma que

“Macau pode fazer mais e melhor”

O presidente do Instituto Politécnico de Macau defende que a região tem de saber tirar maior proveito do que a faz singular: a cultura e língua portuguesas. A presença do português foi uma das batalhas de Lei Heong Iok enquanto liderou a instituição que deixa no próximo mês. Sai do Instituto Politécnico de Macau (IPM)

Cultura com limites

A primeira edição do “Encontro em Macau – festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa” termina no domingo. No fim de semana passado, também teve lugar a primeira edição do Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa. O objetivo é que se tornem eventos

“Presidência pode marcar viragem para consolidação da CPLP”

A ilha cabo-verdiana do Sal acolhe, a 17 e 18 de julho, a XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). A cimeira para a qual está confirmada a presença de oito dos nove chefes de Estado da organização – Timor Leste cancelou a presença –

UNESCO: Lusofonia em peso

Cabo Verde quer garantir já para a semana o apoio de Portugal, Angola e Guiné-Bissau à candidatura conjunta do campo de concentração do Tarrafal a património da Humanidade. São Tomé e Príncipe, e Timor-Leste estão também a planear apresentar candidaturas junto da UNESCO. A cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) começa na

Lusofonia: unidos pelo património

O primeiro “Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa” terminou com um apelo dos dirigentes culturais lusófonos à criação de uma plataforma para a cooperação na proteção do património conjunto, nomeadamente o que se encontra nos países menos desenvolvidos.      Dois dias que souberam a pouco. Foi o que sentiram