Leonídio Paulo Ferreira

São 1200 milhões e nossos vizinhos

Costumamos olhar muito para os números para tentar perceber África, seja os 300 mil anos atrás em que por lá apareceram os primeiros homens, seja os 1200 milhões de pessoas que vivem hoje no continente. Mas mais do que nos números – mesmo que positivos como o aumento das democracias e a diminuição dos golpes militares – deveríamos sim prestar atenção à diversidade, pois se há uma África há também muitas Áfricas, mais de 50 países.

Sim, existem inúmeras Áfricas, como aquela que fala árabe e ocupa o norte do continente, ou aquela que se orgulha de nunca ter sido verdadeiramente colonizada, caso da Etiópia, ou aquela em que os mundos europeu e africano se misturaram mesmo, e falo de Cabo Verde, ou aquela do golfo da Guiné, tão sangrada pelo tráfico negreiro, ou aquela dos Grandes Lagos, de paisagens tão belas como terrível tem sido a sua história recente, ou ainda aquela onde, findo o apartheid e inspirados no exemplo de Nelson Mandela, se tenta construir uma nação arco-íris. Uma África de desertos e de florestas, de praias e de picos nevados, de pirâmides e de palhotas, de riquezas imensas mas também de uma pobreza persistente.

Compreender é essencial para conseguir ajudar. Sim, porque África, apesar de alguns casos de sucesso, continua incapaz de responder à pressão demográfica, como testemunham as vagas de gente que arrisca a vida a atravessar o Mediterrâneo em busca do eldorado. E nós portugueses, seja porque partilhamos genes com os magrebinos, seja porque desde as Descobertas o sangue negro se misturou com o ibérico, seja até porque lá nascemos, vivemos ou combatemos (ou somos filhos deles), nunca poderemos ficar indiferentes ao destino de África. É nossa vizinha. 

Leonídio Paulo Ferreira  11.05.2018

Artigos relacionados

 
 

Turismo para dinamizar relações

União Europeia (UE) aposta no turismo e tecnologias verdes para reforçar laços com Macau. Chefe do Gabinete da UE para Macau e Hong Kong também salienta cooperação jurídica e reforço de direitos como vetores importantes.  O turismo será a próxima área chave para a cooperação entre União Europeia (UE) e Macau, referiu ao PLATAFORMA Carmen

“Estou muito atento à questão dos direitos, liberdades e garantias”

Leonel Alves diz ter algum receio face a eventuais alterações ao Código Penal e Código de Processo Penal. Salienta que é preciso preservar os direitos fundamentais e defende diálogo com especialistas da China continental.  Considera que o futuro Chefe do Executivo deve ter um bom conhecimento económico, mas não exclui nenhum dos nomes mais falados:

Maioria absoluta, mas não total

A coligação opositora em Timor-Leste venceu as eleições com maioria absoluta, derrotando nas urnas o partido no poder, a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin).  Este resultado põe fim a oito meses de tensão política no país, mas não dá o poder político total à Aliança de Mudança para o Progresso (AMP), liderada por Xanana

Mão pesada para Sulu Sou

O Ministério Público pediu pena de prisão efetiva para o deputado suspenso Sulu Sou e para o ativista Scott Chiang durante o julgamento que envolve os dois membros da Associação Novo Macau, segundo o canal português da Rádio Macau. Ambos são acusados do crime de desobediência qualificada na sequência de uma manifestação organizada em 2016

EDP: Mercado à espera que CTG suba a parada

O valor oferecido pela China Three Gorges pelo controlo da EDP é considerado baixo pela administração da empresa, analistas e mercado – que segue a valorizar as cotações da elétrica acima da proposta de OPA. Com o mercado a dar mais pela EDP do que a China Three Gorges, são fortes as expectativas de uma

Vida depois do “fim do mundo”: Wenchuan dez anos depois

Em Beichuan, província de Sichuan, o tempo parou. Nesta cidade que em tempos alojou 160 mil pessoas, os únicos sinais de vida hoje são as borboletas que sobrevoam os destroços das habitações, edifícios e carros destruídos.  No dia 12 de maio de 2008, às 14 horas e 28 minutos, Sichuan foi atingido por um terramoto