Editorial-paulo

Sinais de fogo

O mundo pouco ou nada sabe sobre Sulu Sou. Se ele gosta disto ou daquilo, se foi formado aqui ou ali, se pensa pela própria cabeça ou se está ao serviço de uma escola de pensamento, se o povo olha para ele com pena, indiferença ou preocupação… O que se sabe, por pouco que seja, é que é um jovem deputado, crítico do regime, teoricamente pró-democrata, presumivelmente perseguido e acusado de desacatos como estratégia para lhe retirarem o mandato e calarem o protesto.

A dificuldade que houve em encontrar um advogado de defesa diz bem da pobreza de espírito com que a Região vive este caso. Jorge Menezes, que em circunstâncias anteriores tem provado a sua particular apetência para dar o peito às balas, aparece novamente como uma espécie de paladino de causas difíceis, para dizer o mínimo. Desengane-se quem acha que o processo não é político ou quem pense que o regime local, neste caso, não tem o apoio silencioso do Continente.

Vejo este processo com enorme consternação. Suspender o mandato de um deputado para julgá-lo por desobediência qualificada num  qualquer protesto de rua ultrapassa, em muito, o tema da imagem internacional de Macau. O que está aqui em causa é a reinvenção do Segundo Sistema, a pretexto de formalidades legais.

A verdadeira questão é perceber o que Região Administrativa Especial quer para si própria e a forma como vive este pequeno drama político, de consequências imprevisíveis. Primeiro, porque a capacidade de resiliência do ser coletivo revela-se, mais uma vez, pobre ou inexistente, transmitindo a ideia de que os poderes, sejam eles formais ou informais, fazem o que muito bem quiserem e entenderem; depois, quer se queira quer não, está a criar-se um herói da resistência que ainda há meses levantou do mundo dos mortos o movimento dos jovens democratas, que havia praticamente implodido com o discurso radical tentado por Jason Chao nas eleições anteriores; finalmente, ninguém parece querer perceber que o regime mais ganharia em integrar o discurso crítico, nomeadamente na Assembleia, do que marginalizá-lo com processos ridículos e manipulados que um dia ainda poderá acordar o monstro do protesto adormecido.

No julgamento de Sulu So não se decide o destino de um político. Decide-se, verdadeiramente, o regime em que vamos viver. E este sinal não podia ser pior: não é de fumo, é de fogo. 

Paulo Rego

Artigos relacionados

 
 

“O altruísmo do espírito cabo-verdiano é tudo o que sempre quis”

Shauna Barbosa é poeta, filha de mãe norte-americana e pai cabo-verdiano. A sua escrita tem o sabor e o ritmo dos dois lados do Atlântico. Cape Verdean Blues, o primeiro livro da autora, está a ser recebido com entusiasmo. Muitos leitores terão ficado a saber da existência da poeta Shauna Barbosa da mesma forma que

“Macau pode fazer mais e melhor”

O presidente do Instituto Politécnico de Macau defende que a região tem de saber tirar maior proveito do que a faz singular: a cultura e língua portuguesas. A presença do português foi uma das batalhas de Lei Heong Iok enquanto liderou a instituição que deixa no próximo mês. Sai do Instituto Politécnico de Macau (IPM)

Cultura com limites

A primeira edição do “Encontro em Macau – festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa” termina no domingo. No fim de semana passado, também teve lugar a primeira edição do Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa. O objetivo é que se tornem eventos

“Presidência pode marcar viragem para consolidação da CPLP”

A ilha cabo-verdiana do Sal acolhe, a 17 e 18 de julho, a XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). A cimeira para a qual está confirmada a presença de oito dos nove chefes de Estado da organização – Timor Leste cancelou a presença –

UNESCO: Lusofonia em peso

Cabo Verde quer garantir já para a semana o apoio de Portugal, Angola e Guiné-Bissau à candidatura conjunta do campo de concentração do Tarrafal a património da Humanidade. São Tomé e Príncipe, e Timor-Leste estão também a planear apresentar candidaturas junto da UNESCO. A cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) começa na

Lusofonia: unidos pelo património

O primeiro “Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa” terminou com um apelo dos dirigentes culturais lusófonos à criação de uma plataforma para a cooperação na proteção do património conjunto, nomeadamente o que se encontra nos países menos desenvolvidos.      Dois dias que souberam a pouco. Foi o que sentiram