Editorial-paulo

Tiro no pé

Sulu Sou denuncia o “caráter antidemocrático do sistema “ e a vontade da maioria do hemiciclo de “silenciar ao máximo os opositores”, sinalizando a separação de poderes ao dizer que aguarda, “sem pressões”, o julgamento por desobediência qualificada. Na mesma semana, a União Europeia coloca Macau na “lista negra dos paraísos fiscais” “não cooperantes”. Falem mal, desde que falem de mim, diria o outro… Mas este é de facto um mau momento para a imagem internacional da Região.

A decisão da Assembleia Legislativa é um tiro no pé. Um comportamento quiçá excessivo num protesto de rua não pode ser pretexto para um ataque às liberdades individuais e políticas. A hierarquia dos valores está invertida e o alvo é claramente selecionado, a autoridade policial, o poder executivo e o legislativo hostilizam coordenadamente uma voz crítica do regime, pensando que assim o calam, fazendo prova de força e amor à Pátria. Na verdade, expõem o medo e a fragilidade, criam um mártir e dão vida nova a quem tinha surpreendentemente recuperado a popularidade perdida dos jovens democratas.

A questão financeira é diferente – quiçá até injusta. Se, por um lado, a desconfiança de Bruxelas em relação aos casinos não é nova; por outro, é também verdade que Macau até tem colaborado de forma crescente com as instâncias internacionais que combatem a fuga de capitais. Não porque a Região esteja particularmente interessada nisso, mas porque a China e os Estados Unidos, por razões diferentes, partilham nesta altura um interesse comum no controlo dos fluxos de capitais.

A credibilidade internacional não é um fim em si mesmo. Aliás, ela é muitas vezes posta em causa por puro desconhecimento e preconceito. Mas há sinais de facto preocupantes, sobretudo quando são postas em causa liberdades individuais e políticas. A censura e a repressão no Continente adensam o sentimento nacionalista e criam a ilusão de que Macau será tanto melhor quanto mais parecido for com a Mãe Pátria e mais fiel for ao Império do Meio. É uma escola de pensamento que ganha poder e faz-se sentir. Coloca Macau no mapa, pelas piores razões. 

Paulo Rego

Artigos relacionados

 
 

“Há uma geração que irá sempre olhar para a China por causa de Macau, e agora outra que olha para a China onde também está Macau”

O tempo e o pragmatismo das relações luso-chinesas, 18 anos após a entrega de Macau, deixam Lisboa mais indiferente à evolução sociopolítica de Macau. Raquel Vaz-Pinto vê o distanciamento como inevitável, numa altura em que, por outro lado, a China está cada vez mais presente em Portugal. A politóloga, especialista em política externa chinesa, admite que

“É inútil ter medo”

Se perder o lugar de deputado depois de ir a tribunal, Sulu Sou promete não desistir da política. A Associação Novo Macau ainda não sabe o que vai fazer caso o ativista seja obrigado a abandonar a assembleia. O julgamento está marcado para dia 9 de janeiro. Foi eleito deputado dia 17 de setembro. Quase

Bruxelas exige “compromisso de alto nível” para tirar Macau da lista negra

A revisão da decisão tomada a 5 de dezembro pode ser feita a qualquer altura, indica responsável da UE. Sanções por falta de cooperação fiscal excluem Macau de projetos em África que tenham financiamento do bloco.  Macau poderá ser retirada a qualquer altura da lista da União Europeia de jurisdições não-cooperantes em matéria fiscal. Para tal,

Novo nome e nova rota para os 18 anos da RAEM

O “Desfile Internacional de Macau”, integrado nas comemorações do 18º aniversário do estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau, vai sair à rua no domingo, dia 17 de dezembro, com uma nova rota, a previsão de mais público e um orçamento de 16 milhões de patacas.  De acordo com Leung Hio Ming, presidente do Instituto Cultural

Uma China à conquista do mundo

Uma malha ferroviária até à Europa, gasodutos desde o Turquemenistão e Birmânia ou novos portos em Moçambique e Geórgia anunciam uma “nova era”, na qual a China Continental ocupará o “centro” da futura ordem mundial. “É uma mudança histórica na posição da China no mundo”, explica He Yafei, antigo vice-ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, durante

Eletricidade, um bem de luxo

Num momento em que as autoridades guineenses apostam no desenvolvimento de setores como o turismo e a agricultura para fomentar o crescimento económico do país, a Guiné-Bissau não pode, nem deve descurar a eletrificação do seu território, que ainda é incipiente. Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), disponibilizados no último relatório da Conferência