Editorial-paulo

Tiro no pé

Sulu Sou denuncia o “caráter antidemocrático do sistema “ e a vontade da maioria do hemiciclo de “silenciar ao máximo os opositores”, sinalizando a separação de poderes ao dizer que aguarda, “sem pressões”, o julgamento por desobediência qualificada. Na mesma semana, a União Europeia coloca Macau na “lista negra dos paraísos fiscais” “não cooperantes”. Falem mal, desde que falem de mim, diria o outro… Mas este é de facto um mau momento para a imagem internacional da Região.

A decisão da Assembleia Legislativa é um tiro no pé. Um comportamento quiçá excessivo num protesto de rua não pode ser pretexto para um ataque às liberdades individuais e políticas. A hierarquia dos valores está invertida e o alvo é claramente selecionado, a autoridade policial, o poder executivo e o legislativo hostilizam coordenadamente uma voz crítica do regime, pensando que assim o calam, fazendo prova de força e amor à Pátria. Na verdade, expõem o medo e a fragilidade, criam um mártir e dão vida nova a quem tinha surpreendentemente recuperado a popularidade perdida dos jovens democratas.

A questão financeira é diferente – quiçá até injusta. Se, por um lado, a desconfiança de Bruxelas em relação aos casinos não é nova; por outro, é também verdade que Macau até tem colaborado de forma crescente com as instâncias internacionais que combatem a fuga de capitais. Não porque a Região esteja particularmente interessada nisso, mas porque a China e os Estados Unidos, por razões diferentes, partilham nesta altura um interesse comum no controlo dos fluxos de capitais.

A credibilidade internacional não é um fim em si mesmo. Aliás, ela é muitas vezes posta em causa por puro desconhecimento e preconceito. Mas há sinais de facto preocupantes, sobretudo quando são postas em causa liberdades individuais e políticas. A censura e a repressão no Continente adensam o sentimento nacionalista e criam a ilusão de que Macau será tanto melhor quanto mais parecido for com a Mãe Pátria e mais fiel for ao Império do Meio. É uma escola de pensamento que ganha poder e faz-se sentir. Coloca Macau no mapa, pelas piores razões. 

Paulo Rego

Artigos relacionados

 
 

“O altruísmo do espírito cabo-verdiano é tudo o que sempre quis”

Shauna Barbosa é poeta, filha de mãe norte-americana e pai cabo-verdiano. A sua escrita tem o sabor e o ritmo dos dois lados do Atlântico. Cape Verdean Blues, o primeiro livro da autora, está a ser recebido com entusiasmo. Muitos leitores terão ficado a saber da existência da poeta Shauna Barbosa da mesma forma que

“Macau pode fazer mais e melhor”

O presidente do Instituto Politécnico de Macau defende que a região tem de saber tirar maior proveito do que a faz singular: a cultura e língua portuguesas. A presença do português foi uma das batalhas de Lei Heong Iok enquanto liderou a instituição que deixa no próximo mês. Sai do Instituto Politécnico de Macau (IPM)

Cultura com limites

A primeira edição do “Encontro em Macau – festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa” termina no domingo. No fim de semana passado, também teve lugar a primeira edição do Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa. O objetivo é que se tornem eventos

“Presidência pode marcar viragem para consolidação da CPLP”

A ilha cabo-verdiana do Sal acolhe, a 17 e 18 de julho, a XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). A cimeira para a qual está confirmada a presença de oito dos nove chefes de Estado da organização – Timor Leste cancelou a presença –

UNESCO: Lusofonia em peso

Cabo Verde quer garantir já para a semana o apoio de Portugal, Angola e Guiné-Bissau à candidatura conjunta do campo de concentração do Tarrafal a património da Humanidade. São Tomé e Príncipe, e Timor-Leste estão também a planear apresentar candidaturas junto da UNESCO. A cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) começa na

Lusofonia: unidos pelo património

O primeiro “Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa” terminou com um apelo dos dirigentes culturais lusófonos à criação de uma plataforma para a cooperação na proteção do património conjunto, nomeadamente o que se encontra nos países menos desenvolvidos.      Dois dias que souberam a pouco. Foi o que sentiram