chan

Trump lança mais uma vez estratégia indo-pacífica

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deu início no passado dia 3 à sua primeira visita ao continente asiático desde que tomou posse. Ao chegar ao Japão, foi recebido pelo primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, tendo com este jogado uma partida de golfe, e depois visitou a residência do imperador e da esposa. Aquando de uma visita à base das forças militares americanas no Japão, Trump referiu que esta deslocação ao continente asiático, além de incluir na agenda reuniões com os líderes do Japão, Coreia do Sul, China, Vietname e Filipinas, também poderá contar com uma reunião com o presidente russo, Vladimir Putin. Também referiu pela primeira vez uma estratégia indo-pacífica como uma forma de fortalecimento da região Ásia-Pacífico. Para ele, é preciso estabelecer liberdade, igualdade, e criar benefícios mútuos nesta região.

Esta estratégia apresentada por Trump não é nova, representa apenas mais uma esperança de conseguir fazer com que a Índia e a Austrália juntem-se aos EUA e ao Japão numa cooperação estratégica em losango, tendo o Japão o papel mais ativo nesta colaboração. Durante a reunião entre Abe e Trump, foram mencionados planos de diálogos quadrilaterais. 

Na realidade, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, aquando de uma visita à India no mês passado, já tinha mencionado a criação desta parceria. O Ministro dos Negócios Estrangeiros Taro Kono também já tinha mencionado que deveria haver uma reunião entre os líderes dos quatro países implicados. Os membros do Ministério dos Negócios Estrangeiros japonês esperam que tal reunião se realize, pois além de garantir a segurança dos oceanos, poderá ainda desenvolver uma cooperação a nível de capital para infraestruturas. Na realidade, este plano já foi proposto há vários anos, mas não foi posto em prática devido à falta de interesse por parte da Índia e da Austrália.

Desta vez foi Trump quem mencionou esta cooperação, como uma óbvia forma de criar pressão sobre a iniciativa “Uma Faixa, uma Rota”. Por isso, depois da sua visita à Índia no final de outubro, Rex Tillerson prometeu a venda de jatos F-16 e F-18 como parte da visita de Trump à região. Além disto, já desde o dia 29 de outubro que o Japão tem realizado com a Índia exercícios antissubmarinos no Oceano Índico.

O diálogo entre estas quatro potências tem para o Japão o objetivo claro de encurralar a China. No passado, a Índia e a Austrália não se achavam capazes de enfrentar diretamente a China, e na altura não se tinham sentido ameaçadas pela sua rápida ascensão. No entanto, a situação atual é diferente. 

Neste momento quase todos os países sentem o papel da China e a sua influência, especialmente os grandes países da Ásia-Pacífico. Por isso, é natural estes sentirem-se um pouco apreensivos, pois todas as nações fazem conjeturas em relação à sua posição e dos seus vizinhos. Agora, entre polémicas de interferência russa, discriminação racial, tiroteios frequentes, o apoio ao presidente norte-americano desceu para apenas 38%. Não sendo ainda certo se Trump conseguirá um segundo mandato, a estratégia indo-pacífica é algo que necessitará de um planeamento cuidadoso. 

DAVID Chan 

Artigos relacionados

 
 

“A China já não é um mercado de dinheiro fácil”

Nos calcanhares dos EUA, a China é um dos mercados mais dinâmicos para as empresas de tecnologia à procura de investidores. Bessie Lee, da Witihinlink, falou na Web Summit sobre o melhor caminho para lá chegar. Bessie Lee, diretora executiva da incubadora e investidora chinesa Withinlink, foi uma das oradoras da Web Summit, em Lisboa,

“Quando decidi assumir esta posição, sabia que tinha de ser mais cautelosa”

Sabe que vai estar debaixo de olho do Governo e de Pequim agora que lidera a Novo Macau. Kam Sut Leng diz não ter medo das consequências que possam surgir por ser a nova presidente da principal organização democrata de Macau.  Kam Sut Leng é a primeira mulher a assumir a liderança da maior associação

LAG 2018 sem surpresas

O Chefe do Executivo apresentou esta semana na Assembleia Legislativa as Linhas de Ação Governativa (LAG) para 2018. O documento não despertou grande entusiasmo, seguindo a linha do esperado. Deputados deixaram críticas a Chui Sai On sobretudo por anunciar iniciativas sem fixar prazos. Os efeitos do Hato ainda se fazem sentir no debate político. “No documento

Novo impulso à gastronomia com reconhecimento da UNESCO

Foi no passado dia 1 de novembro, que Macau voltou a fazer história. Era já madrugada na região quando a diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, anunciou a designação de “Macau, China” como nova cidade membro da Rede de Cidades Criativas da UNESCO (UNESCO Creative Cities Network – UCCN) na área da Gastronomia.  Essa nova designação

Lusofonia com menos um piloto

O português Tiago Monteiro (Honda Civic) vai falhar a etapa de Macau do campeonato do mundo de carros de turismo (WTCC), no qual é quarto classificado, na sequência do acidente que sofreu há dois meses em Barcelona. A participação lusófona fica assim reduzida a cinco pilotos. Depois de já não ter marcado presença nas últimas duas

A crise e o risco de uma paralização na ciência brasileira

A dualidade do ideograma “crise” no chinês tradicional – “risco” e “oportunidade” – é muitas vezes citada no Brasil, país cujo cenário começa a estabilizar-se depois de dois anos conturbados na gestão política e económica, como um símbolo de motivação. No entanto, para cientistas brasileiros “crise” tem-se traduzido apenas em “risco” de paralização dos seus