chan

Trump lança mais uma vez estratégia indo-pacífica

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deu início no passado dia 3 à sua primeira visita ao continente asiático desde que tomou posse. Ao chegar ao Japão, foi recebido pelo primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, tendo com este jogado uma partida de golfe, e depois visitou a residência do imperador e da esposa. Aquando de uma visita à base das forças militares americanas no Japão, Trump referiu que esta deslocação ao continente asiático, além de incluir na agenda reuniões com os líderes do Japão, Coreia do Sul, China, Vietname e Filipinas, também poderá contar com uma reunião com o presidente russo, Vladimir Putin. Também referiu pela primeira vez uma estratégia indo-pacífica como uma forma de fortalecimento da região Ásia-Pacífico. Para ele, é preciso estabelecer liberdade, igualdade, e criar benefícios mútuos nesta região.

Esta estratégia apresentada por Trump não é nova, representa apenas mais uma esperança de conseguir fazer com que a Índia e a Austrália juntem-se aos EUA e ao Japão numa cooperação estratégica em losango, tendo o Japão o papel mais ativo nesta colaboração. Durante a reunião entre Abe e Trump, foram mencionados planos de diálogos quadrilaterais. 

Na realidade, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, aquando de uma visita à India no mês passado, já tinha mencionado a criação desta parceria. O Ministro dos Negócios Estrangeiros Taro Kono também já tinha mencionado que deveria haver uma reunião entre os líderes dos quatro países implicados. Os membros do Ministério dos Negócios Estrangeiros japonês esperam que tal reunião se realize, pois além de garantir a segurança dos oceanos, poderá ainda desenvolver uma cooperação a nível de capital para infraestruturas. Na realidade, este plano já foi proposto há vários anos, mas não foi posto em prática devido à falta de interesse por parte da Índia e da Austrália.

Desta vez foi Trump quem mencionou esta cooperação, como uma óbvia forma de criar pressão sobre a iniciativa “Uma Faixa, uma Rota”. Por isso, depois da sua visita à Índia no final de outubro, Rex Tillerson prometeu a venda de jatos F-16 e F-18 como parte da visita de Trump à região. Além disto, já desde o dia 29 de outubro que o Japão tem realizado com a Índia exercícios antissubmarinos no Oceano Índico.

O diálogo entre estas quatro potências tem para o Japão o objetivo claro de encurralar a China. No passado, a Índia e a Austrália não se achavam capazes de enfrentar diretamente a China, e na altura não se tinham sentido ameaçadas pela sua rápida ascensão. No entanto, a situação atual é diferente. 

Neste momento quase todos os países sentem o papel da China e a sua influência, especialmente os grandes países da Ásia-Pacífico. Por isso, é natural estes sentirem-se um pouco apreensivos, pois todas as nações fazem conjeturas em relação à sua posição e dos seus vizinhos. Agora, entre polémicas de interferência russa, discriminação racial, tiroteios frequentes, o apoio ao presidente norte-americano desceu para apenas 38%. Não sendo ainda certo se Trump conseguirá um segundo mandato, a estratégia indo-pacífica é algo que necessitará de um planeamento cuidadoso. 

DAVID Chan 

Artigos relacionados

 
 

“Pensavam que o português não ia servir. Hoje já me dão razão”

Edith Silva diz que o maior desgosto foi não ter conseguido introduzir o português nas escolas, enquanto liderou a Educação. Foi diretora dos Serviços de Educação e Juventude durante oito dos 15 anos que trabalhou no organismo. Integrar o português nas escolas foi uma das lutas que começou, mas sem sucesso. Hoje, sublinha, dão-lhe razão.

SJM: Aumentos só para alguns

Trabalhadores não-residentes da SJM voltaram a ser excluídos de aumentos salariais. A operadora diz não haver discriminação e promete aumentá-los. A presidente da Associação Novo Macau para os Direitos dos Trabalhadores do Jogo diz que há residentes que também não foram aumentados. Não-residentes da Sociedade de Jogos de Macau (SJM) voltaram a ficar de fora

Pontapé de saída na China de olho em Macau

Empresa britânica ligada ao futebol quer organizar eventos em Macau. A Soccerex entrou na China esta semana com uma conferência e exposição em Zhuhai.  A Soccerex, uma das maiores empresas de eventos empresariais ligados ao futebol, está interessada em entrar no mercado de Macau, como parte da sua estratégia para a República Popular da China.

Patriotismo e integração

Reforço dos valores patrióticos e do projeto de integração de Macau na zona da Grande Baía estiveram em foco na sessão de Perguntas e Respostas do Chefe do Executivo na Assembleia Legislativa.  Cinco meses após as Linhas de Ação Governativa, o Chefe do Executivo, Chui Sai On, regressou à Assembleia Legislativa, na terça-feira 17 de

A Europa entre Washington e Pequim

Lisboa foi palco de um debate sobre as relações Europa-China. No Museu do Oriente discutiu-se como Bruxelas se poderá aliar ou não a Washington e a Tóquio para obter uma melhor balança com Pequim. A Europa está numa encruzilhada. Com a saída do Reino Unido num horizonte próximo, prepara-se para viver com um novo orçamento.

“Neoliberalismo desenfreado” versus “socialismo escalavrado”

Cabo Verde está, por estes dias, envolvido num debate sobre a visão política que melhor serve o futuro do país, depois de o ex e o atual primeiro-ministro se terem envolvido numa troca de acusações.  José Maria Neves diz que o Governo tem uma visão de desenvolvimento do país assente num “neoliberalismo desenfreado”, enquanto Ulisses