800

Estudar as relações sino-lusófonas

A Universidade de Coimbra (UC) anunciou a criação de um curso de formação avançada em torno das relações entre a China e o mundo lusófono. 

Com o título “A China e os Países de Língua Portuguesa na Economia Mundial: Comércio, Turismo, Cooperação e Desenvolvimento”, o curso é coordenado por Carmen Amado Mendes, professora de Relações Internacionais da Faculdade de Economia da UC e autora de livros e artigos académicos sobre a transição de Macau, as negociações entre Portugal e a China e em torno do papel de Macau como plataforma entre a China e os países de língua portuguesa.

Carmen Mendes explica ao PLATAFORMA que “este curso procura reinventar o futuro desta relação secular”. Neste contexto, sublinha, a “Universidade de Coimbra desempenhou   um papel importantíssimo na história do relacionamento com o Oriente,  tendo sido durante muito tempo, a única universidade do mundo lusófono”. 

O programa destina-se a “atuais e futuros diplomatas, governantes, jornalistas, advogados e juristas, gestores, empreendedores e investidores, ou intermediários, que trabalhem sobre as relações da China com os países lusófonos e europeus”. 

O curso inclui quarto seminários abordando os sistemas políticos da China, da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa e da União Europeia, o turismo, investimentos e relações comerciais sino-lusófonas, as economias emergentes e a cooperação Sul-Sul e questões inter-culturais englobando a China e o mundo lusófono. 

Além disso, vai também oferecer disciplinas de língua portuguesa e língua chinesa para negócios. 

A criação deste curso surge na sequência de outras iniciativas da UC de aproximação à China nos últimos anos. A mais sonante foi a inauguração do Instituto Confúcio há dois anos, sediado no Colégio de Jesus da UC, um local com um simbolismo particular dado que foi do primeiro colégio jesuíta em Coimbra que começaram a sair muitos dos missionários que rumaram à China e ao Oriente há cerca de cinco séculos. O número de alunos chineses na UC tem vindo a aumentar significativamente, chegando no atual ano lectivo a cerca de  300, em resultado da criação em 2014 de uma via especial de acesso a  estudantes da China continental, através da qual estes podem candidatar-se à UC com base nos resultados do Exame Nacional de Entrada no Ensino Superior, conhecido como Gaokao. 

José Carlos Matias  01.06.2018

Artigos relacionados

 
 

Índios receiam ameaças do novo Governo

Os índios brasileiros temem que se concretizem as promessas políticas do novo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de atacar os direitos das comunidades tradicionais. As primeiras medidas políticas para o setor estão a acentuar os receios.  Leia mais em Plataforma Media. Carolina de Ré 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

“Os portugueses não podem ser só os expatriados”

O novo cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong defende a importância dos macaenses e dos chineses com nacionalidade portuguesa. Paulo Cunha Alves não teme a integração da cidade no Continente e olha para o projeto da Grande Baía como uma oportunidade da comunidade e cultura portuguesas se afirmarem. O português, diz, pode ser

O Fringe atinge a maioridade

O Festival Fringe de Macau está a completar 18 anos. Para a vice-presidente do Instituto Cultural (IC), Leong Wai Man, no ano em que atinge a maioridade, o festival quer “fazer emergir a arte na sociedade (…) visando proporcionar ao público novas experiências”.  Leia mais em Plataforma Media. Margarida Sajara Vidinha 18.01.2019

País em contagem decrescente

Depois do período natalício praticamente estagnado – até a recolha do lixo na capital esteve praticamente suspensa – Timor-Leste retomou, lentamente, a atividade com todos os olhos postos no Palácio da Presidência. Leia mais em Plataforma Media. António Sampaio 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019