acordo cesl ásia

Fundo de cooperação avalia investimento em renováveis portuguesas com CESL Asia

Projetos que incluem centrais fotovoltaicas estão em fase final de avaliação, numa altura em que a empresa de Macau expande presença em Portugal. Negócio de 4,5 milhões de euros fechado esta semana.

O Fundo de Cooperação para o Desenvolvimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa, com sede em Macau, está na fase final de avaliação de projetos de investimento com a CESL Ásia na área das energias renováveis portuguesas, incluindo centrais de produção de energia solar que a empresa de Macau tem vindo a adquirir no país.

A informação foi avançada ao semanário PLATAFORMA pelo diretor da CESL Ásia, Eduardo Netto de Almeida, que na última segunda-feira rubricou o acordo de compra de uma nova central fotovoltaica à empresa RESUL – um negócio no valor de 4,5 milhões de euros (5,28 milhões de dólares ao câmbio atual) – durante o Encontro Económico e Comercial entre Empresários da China e de Portugal, que decorreu em Lisboa.

“Estamos a trabalhar nisso com os responsáveis do fundo já há algum tempo e, não só em relação a este investimento e a outros que estão associados. A CESL Asia está a investir em Portugal em infraestruturas de energia – nomeadamente, parques fotovoltaicos –, mas também em projetos que estamos a estudar, em fase avançada, na área da agricultura. Estamos muito convencidos de que o fundo vai ser um participante importante no financiamento desses projetos”, indicou Netto de Almeida. “Estamos numa fase final, numa fase já de decisão”, disse.

O encontro em Lisboa teve como temas a expansão do comércio e o investimento em capacidade produtiva, e foi organizado pela AICEP Portugal Global, pelo Instituto de Promoção do Comércio e Investimento de Macau (IPIM), e pelo Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Entre os participantes esteve o presidente do Fundo de Desenvolvimento China-África, Chi Jianxin, responsável pela gestão do fundo de investimento de Macau, dotado de um capital de mil milhões de dólares para projetos de cooperação entre a China e países de língua portuguesa.

Durante o evento, foi assinado o acordo para a alienação pela RESUL de uma central solar em Estoi, onde a CESL Ásia tem já operações, com o investimento “em vias de ser finalizado”. “A CESL Ásia adquiriu este ativo e achamos que isto pode ser não apenas uma operação casuística, mas também algo que possa ter no futuro outro tipo de implicações e outro tipo de desenvolvimentos”, afirmou ao PLATAFORMA Luís Bento, diretor financeiro da RESUL. A empresa opera no setor da energia não apenas em Portugal, mas também em Cabo Verde, Angola, Moçambique e Canadá.

De acordo com Netto de Almeida, a eventual participação do Fundo de Cooperação para o Desenvolvimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa “será num projeto bastante mais alargado, que inclui os outros parques solares que a CESL Ásia já tem em Portugal e de que está a negociar a aquisição”. “Estamos a procurar expandir o nosso conjunto de instalações solares em Portugal e há outras aquisições em curso”, indicou, juntando a intenção de haver “um investimento importante na área agropecuária” em fase de “estudo avançado”.

Segundo o responsável, a CESL Ásia pretende investir não só em novas centrais solares, mas também procura adquirir concessões em vigor e cujos contratos ainda prevejam a existência de tarifas bonificadas (‘feed-in tariffs’), preços de venda contratualizados, entretanto eliminados para as novas centrais solares. “Ainda há oportunidades de investimento em concessões antigas – em atribuições de licenças antigas. Poderá acontecer. Poderemos investir nesse tipo de situações. Mas, coisas novas, de há um ano ou dois a esta parte só num quadro de mercado”, explicou. 

Maria Caetano

Artigos relacionados

 
 

Índios receiam ameaças do novo Governo

Os índios brasileiros temem que se concretizem as promessas políticas do novo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de atacar os direitos das comunidades tradicionais. As primeiras medidas políticas para o setor estão a acentuar os receios.  Leia mais em Plataforma Media. Carolina de Ré 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

“Os portugueses não podem ser só os expatriados”

O novo cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong defende a importância dos macaenses e dos chineses com nacionalidade portuguesa. Paulo Cunha Alves não teme a integração da cidade no Continente e olha para o projeto da Grande Baía como uma oportunidade da comunidade e cultura portuguesas se afirmarem. O português, diz, pode ser

O Fringe atinge a maioridade

O Festival Fringe de Macau está a completar 18 anos. Para a vice-presidente do Instituto Cultural (IC), Leong Wai Man, no ano em que atinge a maioridade, o festival quer “fazer emergir a arte na sociedade (…) visando proporcionar ao público novas experiências”.  Leia mais em Plataforma Media. Margarida Sajara Vidinha 18.01.2019

País em contagem decrescente

Depois do período natalício praticamente estagnado – até a recolha do lixo na capital esteve praticamente suspensa – Timor-Leste retomou, lentamente, a atividade com todos os olhos postos no Palácio da Presidência. Leia mais em Plataforma Media. António Sampaio 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019