Editorial-paulo

A cor do capital

À porta do primeiro voo direto Pequim-Lisboa, a 26 de Julho, a Capital Airlines, que opera essa ligação intercontinental, lança também quatro voos semanais entre Macau e a capital chinesa, assegurando a ligação histórica, emocional e política entre Macau – plataforma lusófona nesta parte do globo – e a base europeia para o mundo de língua portuguesa. Muito se especulou sobre o que faria a Air Macau a propósito dessa oportunidade. Nada! Aliás, o que mais vezes faz a companhia de bandeira da região.

Gera-se agora expectativa em torno de uma segunda ligação estratégica, entre Xangai e Porto, cidades que simbolizam empreendedorismo, comércio e negócios. Será o turismo a viabilizar essas rotas, mas há muito para além disso. O projeto lusófono é uma peça da geoestratégia chinesa, que serve Macau mas não depende disso, cabendo à região perceber melhor essa missão e as oportunidades que lhe estão associadas.

Surgem contudo contratempos. Em Portugal, a eurodeputada Ana Gomes levantou suspeitas em torno da entrada da Three Gorges na EDP, circunstância aproveitada por alguns “velhos do Restelo” para questionar, em abstrato  a legitimidade do capital chinês. Isso não faz qualquer sentido, mas importa averiguar o que se passou – se é que se passou algo – para que tudo regresse à normalidade.

Deste lado, a situação é mais melindrosa. Segundo o The New York Times, por trás do Grupo HNA, acionista da TAP por via do consórcio Atlantic Gateway – e da companhia brasileira Azul – estará Wang Qishan, diretor do órgão máximo de combate à corrupção na China. O mesmo, aliás, que alegadamente domina a Capital Airlines, segundo denúncia de Guo Wengui, bilionário chinês exilado nos Estados Unidos.

Nada se prova na estória do diário de referência norte-americano. Mas há duas evidências: primeiro, mais que um simples discurso, a plataforma lusófona seduz a elite chinesa, disposta a investir nessa rota – o que é natural e positivo. Depois, o capital chinês é alvo de especulação e escrutínio a Ocidente, onde se teme o poder do Império do Meio. Não sendo justo e equilibrado, à luz da livre circulação de capitais com outras origens, é uma resposta à opacidade do regime chinês – e vai continuar a acontecer. 

Pequim tem de tomar preocupações, sobretudo na elite do Estado, para que a circulação do capital chinês se faça com maior transparência e aceitação. 

Paulo Rego

Artigos relacionados

 
 

“Há uma geração que irá sempre olhar para a China por causa de Macau, e agora outra que olha para a China onde também está Macau”

O tempo e o pragmatismo das relações luso-chinesas, 18 anos após a entrega de Macau, deixam Lisboa mais indiferente à evolução sociopolítica de Macau. Raquel Vaz-Pinto vê o distanciamento como inevitável, numa altura em que, por outro lado, a China está cada vez mais presente em Portugal. A politóloga, especialista em política externa chinesa, admite que

“É inútil ter medo”

Se perder o lugar de deputado depois de ir a tribunal, Sulu Sou promete não desistir da política. A Associação Novo Macau ainda não sabe o que vai fazer caso o ativista seja obrigado a abandonar a assembleia. O julgamento está marcado para dia 9 de janeiro. Foi eleito deputado dia 17 de setembro. Quase

Bruxelas exige “compromisso de alto nível” para tirar Macau da lista negra

A revisão da decisão tomada a 5 de dezembro pode ser feita a qualquer altura, indica responsável da UE. Sanções por falta de cooperação fiscal excluem Macau de projetos em África que tenham financiamento do bloco.  Macau poderá ser retirada a qualquer altura da lista da União Europeia de jurisdições não-cooperantes em matéria fiscal. Para tal,

Novo nome e nova rota para os 18 anos da RAEM

O “Desfile Internacional de Macau”, integrado nas comemorações do 18º aniversário do estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau, vai sair à rua no domingo, dia 17 de dezembro, com uma nova rota, a previsão de mais público e um orçamento de 16 milhões de patacas.  De acordo com Leung Hio Ming, presidente do Instituto Cultural

Uma China à conquista do mundo

Uma malha ferroviária até à Europa, gasodutos desde o Turquemenistão e Birmânia ou novos portos em Moçambique e Geórgia anunciam uma “nova era”, na qual a China Continental ocupará o “centro” da futura ordem mundial. “É uma mudança histórica na posição da China no mundo”, explica He Yafei, antigo vice-ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, durante

Eletricidade, um bem de luxo

Num momento em que as autoridades guineenses apostam no desenvolvimento de setores como o turismo e a agricultura para fomentar o crescimento económico do país, a Guiné-Bissau não pode, nem deve descurar a eletrificação do seu território, que ainda é incipiente. Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), disponibilizados no último relatório da Conferência