Editorial-Photo-copy1

A cor do capital

À porta do primeiro voo direto Pequim-Lisboa, a 26 de Julho, a Capital Airlines, que opera essa ligação intercontinental, lança também quatro voos semanais entre Macau e a capital chinesa, assegurando a ligação histórica, emocional e política entre Macau – plataforma lusófona nesta parte do globo – e a base europeia para o mundo de língua portuguesa. Muito se especulou sobre o que faria a Air Macau a propósito dessa oportunidade. Nada! Aliás, o que mais vezes faz a companhia de bandeira da região.

Gera-se agora expectativa em torno de uma segunda ligação estratégica, entre Xangai e Porto, cidades que simbolizam empreendedorismo, comércio e negócios. Será o turismo a viabilizar essas rotas, mas há muito para além disso. O projeto lusófono é uma peça da geoestratégia chinesa, que serve Macau mas não depende disso, cabendo à região perceber melhor essa missão e as oportunidades que lhe estão associadas.

Surgem contudo contratempos. Em Portugal, a eurodeputada Ana Gomes levantou suspeitas em torno da entrada da Three Gorges na EDP, circunstância aproveitada por alguns “velhos do Restelo” para questionar, em abstrato  a legitimidade do capital chinês. Isso não faz qualquer sentido, mas importa averiguar o que se passou – se é que se passou algo – para que tudo regresse à normalidade.

Deste lado, a situação é mais melindrosa. Segundo o The New York Times, por trás do Grupo HNA, acionista da TAP por via do consórcio Atlantic Gateway – e da companhia brasileira Azul – estará Wang Qishan, diretor do órgão máximo de combate à corrupção na China. O mesmo, aliás, que alegadamente domina a Capital Airlines, segundo denúncia de Guo Wengui, bilionário chinês exilado nos Estados Unidos.

Nada se prova na estória do diário de referência norte-americano. Mas há duas evidências: primeiro, mais que um simples discurso, a plataforma lusófona seduz a elite chinesa, disposta a investir nessa rota – o que é natural e positivo. Depois, o capital chinês é alvo de especulação e escrutínio a Ocidente, onde se teme o poder do Império do Meio. Não sendo justo e equilibrado, à luz da livre circulação de capitais com outras origens, é uma resposta à opacidade do regime chinês – e vai continuar a acontecer. 

Pequim tem de tomar preocupações, sobretudo na elite do Estado, para que a circulação do capital chinês se faça com maior transparência e aceitação. 

Paulo Rego

Artigos relacionados

 
 

“Vou focar-me na afirmação da identidade macaense”

José Luís Pedruco Achiam quer dar voz às preocupações da comunidade macaense nas legislativas. O número 12 da lista liderada pela empresária Angela Leong garante que fará dos jovens e da afirmação da identidade da cultura que representa as suas batalhas nestas eleições e na Assembleia, caso vença. O candidato acredita ainda que os macaenses

Alibaba diz que gestão de trânsito é projeto-chave em Macau

Aplicação de inteligência artificial vai controlar sinalização luminosa e enviar recomendações aos utilizadores das vias. A gestão inteligente do trânsito de Macau será “projeto-chave” das operações do gigante de tecnologia chinês Alibaba na região no âmbito de um acordo-quadro com o Governo local que conta com um orçamento preliminar de 900 milhões de patacas –

Macau não tem nem quer ensino doméstico

O ensino doméstico de menores — conhecido pela expressão em inglês ‘home-schooling’ — não é permitido no território. E, dizem os investigadores da área, mesmo que fosse, os pais chineses são muito pouco recetivos a alternativas ao ensino tradicional. A editora Sofia Salgado e o fotógrafo Mica Costa-Grande saíram de Macau em 2000 e assumiram o

Que novo Presidente após 23 de agosto?

O próximo dia 23 de agosto vai ditar um novo Presidente para Angola, depois 38 anos de poder de José Eduardo dos Santos. Os desafios que o país enfrenta são elevados, como o prova a recente descida do ‘rating’ da dívida pública anunciada pela agência de notação financeira Fitch.  A queda do preço do petróleo, a

UE quer meios de veto a investimento chinês

Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa defende que Portugal deve manter posição de abertura, enquanto procura também uma melhor estratégia para abordar a China. A Comissão Europeia prepara-se para lançar, no próximo mês, as bases para novas regras de escrutínio a investidores externos à União Europeia em resultado das preocupações manifestadas por membros do bloco

Encontro assegurado no próximo ano

O Encontro de Mestres de Wushu 2017 foi “um sucesso” e para o próximo ano já está confirmada uma nova edição, afirma o presidente do Instituto do Desporto, Pun Weng Kun. O evento decorreu entre os dias 10 e 13 de agosto e conseguiu juntar perto de 80 mil visitantes, o que corresponde a mais 10