jose carlos matias crop

Abundância e contradições

No célebre romance Il Gattopardo (Leopardo) de Tomasi di Lapedusa, Tancredi, príncipe de Falconeri, ao procurar convencer o tio, Don Fabrizio, príncipe de Salina, a mudar de lealdade dos Bourbons para a Casa de Saboia disse: “Para que as coisas permaneçam iguais, é preciso que tudo mude”. O cenário era a Itália do século XIX em processo de unificação. A frase generalizou-se, ganhou vida própria e tem sido aplicada às mais variadas situações de transição, mudança e reequilíbrios na balança dos poderes. 

Os sinais deste tempo em Macau apontam para uma encruzilhada. 2019 emerge como uma marca d’água na cidade com o fim do ciclo do Chefe do Executivo Chui Sai On. Tem sido uma década marcada pela abundância, estabilidade, dores de crescimento, obra inacabada e oportunidades perdidas. Na década anterior, o ímpeto tendencialmente reformista imprimido por Edmund Ho foi estancado no final de 2006 pelo escândalo resultante do caso de corrupção do então Secretário para os Transportes e Obras Públicas Ao Man Long. No seu primeiro mandato, Chui Sai herdou praticamente toda a equipa do antecessor, o que resultou em desgaste e escassez de ideias novas. 

O primeiro ponto de viragem surge em maio de 2014 com a manifestação contra o regime de garantias dos titulares dos principais cargos que levou à rua 15 a 20 mil pessoas. O outro momento que define esta década acontece em agosto de 2017 com o tufão Hato. Ambas as “crises” trouxeram à tona um abalo na perceção da legitimidade e capacidade governativa. Os pilares do sistema aguentaram-se, mas as fragilidades internas aliadas ao novo contexto que se impôs em 2012/2013 com a ascensão do novo líder em Pequim e a situação tensa em Hong Kong resultaram em erosão da autonomia. 

Estando em marcha um reenquadramento da prática do princípio Um País Dois Sistemas – afinada pelo diapasão da integração regional – no próximo ciclo é importante não embarcar em desnecessários e contraproducentes “aceleradores da História”. Por outro lado, convém ter o interesse público e não os jogos de bastidores privados como critério chave para o que terá que mudar e o que deverá permanecer essencialmente inalterado. Caso contrário não há abundância que atenue as contradições.   

José Carlos Matias 23.11.2018

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019