Bem público

O mais recente relatório do Índice de Felicidade Mundial salienta que as desigualdades no acesso aos serviços de saúde e educação têm um maior impacto no nível de satisfação com a vida do que o resultado do rendimento auferido pelos cidadãos. Não é por acaso nem é surpreendente. No topo da lista surgem países do Norte da Europa como a Finlândia, Noruega e Dinamarca. A qualidade e universalidade do acesso aos cuidados de saúde tornaram-se marca identitária do progresso social – que enfrenta enormes desafios – em vários países ao ponto de, por exemplo no caso do Reino Unido, o Serviço Nacional de Saúde ter sido referido na abertura dos Jogos Olímpicos de Londres como “a instituição que, mais que qualquer outra, une a nação”. Em Portugal, o recente falecimento de António Arnault, homem de elevada estatura e estrutura ética e intelectual, trouxe à tona um unânime louvor em torno da sua obra como “pai” do Serviço Nacional de Saúde português. A universalidade, acessibilidade e gratuitidade do serviço são princípios fundacionais de uma abordagem aos cuidados de saúde como um bem público que se eleva acima dos restantes. A acrescer a estas dimensões, há a questão da confiança, ou da falta dela. E, não obstante os avanços dos
últimos anos, este permanece um problema estrutural em Macau, como é retratado na reportagem de fundo desta semana. Quando tomou posse como Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Alexis Tam prometeu “a era mais brilhante” do setor da saúde no seu mandato, colocando pressão, não apenas sobre o diretor dos Serviços de Saúde, como sobre si próprio. Apesar das melhorias registadas, quase quatro anos volvidos o brilho do setor da saúde local é ainda pouco intenso. Muito do essencial não parece ter mudado. Continua a haver falta de especialistas em várias áreas e o serviço público não surge aos olhos de muitos como verdadeira prioridade. O setor privado tem, naturalmente, um lugar de relevo, contudo as prioridades não devem ser invertidas por muito peso que tenham os interesses ligados ao maior hospital privado. É difícil compreender que o hospital das ilhas ainda não esteja aberto e a funcionar, sendo certo que isso não vai acontecer em pleno dentro do mandato deste Governo. Numa cidade com os recursos financeiros abundantes que existem, não há motivo para os cidadãos não terem um sistema de saúde em que se possam orgulhar e no qual tenham confiança.

José Carlos Matias  08.06.2018

Artigos relacionados

 
 

“Tecnologia blockchain irá mudar a indústria local nos próximos três anos”

O diretor Interino do Instituto de Inovação Colaborativa da Universidade de Macau antecipa que a tecnologia blockchain vá provocar mudanças na indústria financeira, turística e de serviços de entrega de Macau. Jerome Yen diz que já há casinos locais que começaram a avaliar o uso da tecnologia nos últimos dois anos. O académico alerta para

“Espero que a visita promova plataforma de serviços financeiros entre China e Portugal”

Serviços financeiros, apoio a PME e promoção do empreendedorismo jovem estão no centro da agenda da visita de Lionel Leong a Portugal e ao Brasil. O Secretário para Economia inicia na próxima semana visitas a Portugal e ao Brasil  entre 19 e 26 de junho, nas quais vai procurar elevar o papel de Macau como

Macau continua a ver crescer o mercado de hotéis low cost

Num contexto marcado pela indústria do jogo, a indústria hoteleira em Macau sempre foi constituída, principalmente por hotéis de 4 e 5 estrelas. Dados oficiais mostram também que o número de quartos para esta categoria de hotéis aumentou 135 por cento na última década. No entanto, alguns investidores locais estão agora a apostar em hotéis

Disputas na OMC atingem máximo histórico

Até ao início de junho, a organização recebeu 15 novas queixas – quase tantas como no total do ano passado. Há processos suspensos por falta de meios.  As iniciativas unilaterais sobre tarifas dos últimos meses parecem sugerir o contrário, mas as estatísticas da Organização Mundial do Comércio mostram que o fórum multilateral instituído em 1995

Das boas intenções aos passos concretos

Restam poucas dúvidas sobre o significado histórico da cimeira entre Donald Trump e Kim Jong-un, mas  persistem incertezas sobre os compromissos assumidos.   “Uma longa viagem começa com um primeiro passo”, assim versa o ditado chinês que se pode aplicar ao que se passou na cimeira histórica em que estiveram frente-afrente o presidente dos Estados Unidos e da Coreia do Norte. Há todo um historial de

Piratas da Amazónia, o crime no rio mais extenso do mundo

Centenas de quilómetros de rios e afluentes dentro da maior floresta do mundo, a Amazónia, são a principal via de transporte no norte do Brasil onde estradas de terra são raras dadas as características geográficas da região. Nos últimos anos, porém, tripulantes e passageiros que antes viajavam tranquilos nos barcos tornaram-se vítimas de grupos criminosos