Interdependências

Os académicos norte-americanos Robert Keohane e Joseph Nye cunharam, há cerca de 40 anos, um conceito que tem servido de bússola para uma boa parte das análises mais sensatas sobre as relações internacionais: Interdependência Complexa. Sempre que pensamos que o conflito armado entre grandes potências é inevitável, somos lembrados da profunda rede de interdependência económica resultante do processo de globalização das últimas três décadas. A forma como a China se tem posicionado no seu relacionamento com a vizinhança, o mundo em desenvolvimento e o “Ocidente” ilustra bem o modo como o processo interno de reformas económicas e abertura externa densificou esses laços de interdependência. Se nos abstivermos de sobrevalorizar a retórica política para consumo interno dos dois lados, é isso que acaba por prevalecer na chamada “guerra comercial” entre a China e os Estados Unidos. Trump surge com um discurso musculado de nacionalismo económico, mas essa narrativa acaba por cair por terra no teste com a realidade. Não quer isto dizer, necessariamente, que devamos ter a ilusão da Paz Perpétua Kantiana, uma vez que os interesses nacionais e transnacionais do complexo militar-industrial mantêm a paz e a segurança internacional sob pressão elevada. E os alçapões dos dilemas de segurança e profecias que se cumprem a si próprias abundam. 

Todavia, vale a pena olhar, longitudinalmente, para o processo histórico da interdependência entre sociedades, estados e as redes transnacionais ao longo das últimas décadas. Encarando o futuro, Yuval Noah Harari, ensaísta israelita autor dos recentes e desafiantes Homo Sapiens e Homo Deus, elabora no seu novo livro que se encontra no prelo – 21 Lessons for the 21st Century – as razões pelas quais o aquecimento global, as disrupções causadas pela tecnologia ou a proliferação nuclear vão tornar-nos, sociedades e estados, cada vez mais interdependentes e com necessidade de mais projetos de cooperação. No fundo, trata-se de algo que está presente não apenas nas sociedades humanas, como nas animais, em linha com o que defendia, no início do século XX, o filósofo naturalista e libertário russo Piotr Kropotkin  em Ajuda Mútua: Um Factor de Evolução, uma visão alternativa à lógica da sobrevivência do mais forte de Darwin. São, na verdade, duas faces da mesma moeda: competição e cooperação coexistem nas relações entre animais, humanos, sociedades e estados. O progresso científico, económico e social torna ainda tudo mais complexo e interdependente. Será, citando os discursos mais recentes da liderança chinesa, uma “comunidade de futuro partilhado para a humanidade”? O fim do mundo pode esperar. 

José Carlos Matias  01.06.2018

Artigos relacionados

 
 

Estudante angolano vence prémio na China

Hortêncio Cassemene venceu um prémio de Melhor Escritor Estrangeiro na China com o livro “The Foreigner”. Uma obra que o angolano descreve como “um guia de adaptação à China”, pensado para ajudar os estudantes internacionais, mas não só, a ultrapassar o choque cultural. Hortêncio Cassemene venceu em maio passado o concurso de Melhor Escritor Estrangeiro

Há obras que custam

As derrapagens nos orçamentos e nos prazos têm marcado as obras públicas. Agora que o metro ligeiro – uma das obras mais ambiciosas da RAEM – volta a ser tema, o PLATAFORMA faz o balanço do projeto e de mais quatro determinantes para a cidade.  O metro ligeiro voltou à ordem do dia. Desta feita, pelas

Um ano depois

Fez 10 mortos, dezenas de feridos e prejuízos avaliados em cerca 12 mil milhões de patacas. O então diretor dos Serviços Meteorológicos de Macau Fong Soi Kun foi demitido na sequência de um processo disciplinar instaurado pelo Governo. O Hato ficou na História. Um ano depois, revisitámos alguns dos sítios fustigados pelo maior tufão dos

“Nova era de aproximação”

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, e presidente moçambicano, Filipe Nyusi, anunciaram uma nova fase na relação entre os dois países, ultrapassando dívidas e o rapto de um empresário português.  Trocaram piadas e sorrisos. Fizeram juras de novos encontros e de aprofundamento da cooperação bilateral. O encontro entre o primeiro-ministro português António Costa e o

Viagem à Boa Vista

Fomos à terra do escritor Germano de Almeida em busca da morabeza que ele receia ter-se perdido. Descanse o homem das letras – e todos os viajantes apaixonados pelo arquipélago africano. A Boa Vista continua especial. Tenho medo de voltar, receio de se ter perdido a morabeza que lá deixei. Quero ficar com essa memória.

Impasse que perdura

Depois de mais de um ano de tensão política e dois meses após as eleições antecipadas em Timor-Leste, os solavancos políticos continuam por resolver. O impasse entre o Presidente da República e o primeiro-ministro timorenses sobre a nomeação de nove membros do VIII Governo permanece. De um lado Francisco Guterres Lu-Olo, Presidente da República e