chan

Manter a calma perante a loucura

O presidente americano, Donald Trump, entrou em estado de loucura ao dar início a uma guerra comercial com a imposição de uma série de tarifas sobre trocas comerciais. Em meados do mês passado os EUA voltaram a anunciar que iriam impor tarifas sobre importações chinesas num valor total de 500 mil milhões de dólares, agravando ainda mais o conflito entre os dois países e deixando a comunidade internacional em estado de choque. A China tem, constantemente, afirmado que não deseja envolver-se numa guerra comercial, porém as suas afirmações têm sido sempre ignoradas. Não resta assim outra solução para a China senão enfrentar o adversário sem medo, pois é completamente capaz. Trata-se apenas de uma questão de determinação e vontade.
Desde que Trump deu início à guerra comercial, tem assumido uma postura ameaçadora, com um nível de confronto sem precedentes. Com esta situação, alguns são influenciadas por estes boatos de lucro e prejuízo, como pessoas que receiam ser afetadas no mercado de capitais de Hong Kong. Em Macau, comerciantes de carne de porco e vaca já estão à espera de subidas de preço nos meses de novembro e dezembro, uma consequência natural. Em geral, os ataques comerciais dos EUA já geraram grande indignação por parte da população chinesa, que agora parece estar mais consciente, forte e unida. Esta guerra está intimamente ligada à honra e interesses nacionais e, na minha opinião, o povo chinês possui plenos conhecimentos e uma capacidade de inovação ao nível de qualquer outra nação. O importante agora é transmitir para fora todo o conhecimento e entusiasmo do povo, criando uma união que encoraje também a individualidade. Desta forma, a guerra comercial atual não terá qualquer efeito. O governo chinês precisa apenas de perseguir resultados sem perder a calma e, em caso de ataque, retaliar com precisão. As opiniões do governo norte-americano em relação a esta guerra estão também divididas. É necessário determinar quem são os verdadeiros incitadores desta comoção, e encontrar formas de garantir que estes são os mais prejudicados. Washington encontra-se sozinha contra o resto do mundo, com cada vez mais países a demonstrarem oposição. Se reunirmos forças, mais fortes seremos. Em suma, preparemo-nos para o pior e lutemos pelo melhor. Iremos aguentar qualquer sofrimento a curto-prazo e procurar benefícios a longo-prazo. Em termos históricos, o ambiente chinês de sobrevivência e desenvolvimento nunca foi um cenário idílico, e daqui para a frente também não o será. Desta vez será inevitável uma retaliação. A China está a assumir um papel cada vez mais forte neste “jogo” com o resto do mundo, tendo já acumulado muita experiência e sabedoria. Depois de superar este próximo desafio, irá nascer uma China ainda mais forte e confiante.

DAVID Chan 03.08.2018 

Artigos relacionados

 
 

Estudante angolano vence prémio na China

Hortêncio Cassemene venceu um prémio de Melhor Escritor Estrangeiro na China com o livro “The Foreigner”. Uma obra que o angolano descreve como “um guia de adaptação à China”, pensado para ajudar os estudantes internacionais, mas não só, a ultrapassar o choque cultural. Hortêncio Cassemene venceu em maio passado o concurso de Melhor Escritor Estrangeiro

Há obras que custam

As derrapagens nos orçamentos e nos prazos têm marcado as obras públicas. Agora que o metro ligeiro – uma das obras mais ambiciosas da RAEM – volta a ser tema, o PLATAFORMA faz o balanço do projeto e de mais quatro determinantes para a cidade.  O metro ligeiro voltou à ordem do dia. Desta feita, pelas

Um ano depois

Fez 10 mortos, dezenas de feridos e prejuízos avaliados em cerca 12 mil milhões de patacas. O então diretor dos Serviços Meteorológicos de Macau Fong Soi Kun foi demitido na sequência de um processo disciplinar instaurado pelo Governo. O Hato ficou na História. Um ano depois, revisitámos alguns dos sítios fustigados pelo maior tufão dos

“Nova era de aproximação”

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, e presidente moçambicano, Filipe Nyusi, anunciaram uma nova fase na relação entre os dois países, ultrapassando dívidas e o rapto de um empresário português.  Trocaram piadas e sorrisos. Fizeram juras de novos encontros e de aprofundamento da cooperação bilateral. O encontro entre o primeiro-ministro português António Costa e o

Viagem à Boa Vista

Fomos à terra do escritor Germano de Almeida em busca da morabeza que ele receia ter-se perdido. Descanse o homem das letras – e todos os viajantes apaixonados pelo arquipélago africano. A Boa Vista continua especial. Tenho medo de voltar, receio de se ter perdido a morabeza que lá deixei. Quero ficar com essa memória.

Impasse que perdura

Depois de mais de um ano de tensão política e dois meses após as eleições antecipadas em Timor-Leste, os solavancos políticos continuam por resolver. O impasse entre o Presidente da República e o primeiro-ministro timorenses sobre a nomeação de nove membros do VIII Governo permanece. De um lado Francisco Guterres Lu-Olo, Presidente da República e