arton105663

Na “gruta” do Poeta

Estava eu lindamente posto em sossego, do meu descanso colhendo doce fruto , naquele engano de alma ledo e cego, que a fortuna não deixa durar muito, quando me apareceram os meus estimados amigos José Carlos Matias e Paulo Rego a proporem um teste aos meus parcos dons para a escrita.

Deu-me logo uma branca. Aceitei e agora vou escrever o quê? 

Bem, no meu vagueio pedestre pelas ruas de Macau nas zonas “não Las Vegas”, dei por mim no jardim de Camões , em frente à dita Gruta do Poeta. 

As minhas memórias viajaram nostálgicas até os meus belos tempos do Liceu Nacional Infante D. Henrique , onde me vi de camisa verde escura, calça caqui , bivaque e cinto com a incontornável fivela “S”, em formatura para militar comemorando o 10 de Junho, precisamente em frente daquele busto protegido por três pedras que nunca percebi porque chamado de “gruta”… 

Fizesse sol ou chuva torrencial, fizesse calor tórrido ou calor tórrido e lá estávamos nós, estoicos. 10 de Junho, Dia de Camões, Dia das Comunidades Portuguesas, nomes herdados de outros tempos onde era o Dia da Raça, termo entretanto descativado com o Abril de 1974.

O meu pensamento regressou subitamente ao Jardim, em Macau de 2018, e achei engraçado constatar que quase 20 anos após a reintegração de Macau na China , temos aqui no país de Confúcio , um jardim “de” Camões , com versos esculpidos em língua portuguesa, bem presentes , circundados por uma presença quase exclusiva de chineses a fazer ginástica , jogar xadrez ou a passear os seus passarinhos.

A par do inglês em Hong Kong, as duas únicas línguas estrangeiras com estatuto de língua oficial em pleno território chinês.

Língua portuguesa, a terceira língua europeia mais falada no mundo diz por si só da sua importância. Não necessariamente apenas pelo número de falantes porque basta olhar para a China e constatar que há mais pessoas no mundo a falar chinês do que qualquer outra língua.

Acho que a característica que confere à língua portuguesa um toque especial, é o facto de ser falada em cinco continentes e por povos e países de culturas diferentes e que em português se entendem.

Esta é a característica que faz da língua portuguesa um veículo de ligação, um instrumento fundamental da primeira grande globalização pré internet.

Cantando espalharei por toda a parte, enquanto a gesta dos Descobrimentos foi espalhando a fé e a colonização pelo mundo fora.

Mas lembro aqui as palavras de um grande líder africano, Amílcar Cabral, herói da luta de libertação quando disse, “a língua portuguesa é a maior herança que o colonialismo deixa aos nossos povos” 

O meu devaneio voltou a aterrar no jardim em frente à alegada… gruta ! E a língua portuguesa por estas bandas, que futuro? Na China julgo saber que a procura de alunos a aprenderem o português, tem sido crescente significativamente. O mesmo a verificar-se em Macau. Mas, infelizmente não me parece que seja para ou por Macau. A procura deve-se a um interesse por outros mercados na África, Brasil, etc.

Em Macau e paradoxalmente onde é também língua oficial, sinto que se vai esvaindo. Sim no hospital onde trabalho, nos elevadores, nos corredores as indicações são bilingues. Tal como nas ruas . Na Assembleia Legislativa bem como noutros eventos oficiais existe tradução simultânea sempre. Um reflexo de que nas altas esferas, existe a consciência do que diferencia Macau da sua vizinhança. A resultante de um convívio de cinco séculos.

Mas infelizmente no meu entender, essa mensagem ou desígnio , não desliza com a necessária fluidez. O dia-a-dia vem sendo cada vez mais “unilingue” com as notas internas, ofícios, alimentando o receio de que a segunda língua oficial caminhe para um mero marco decorativo.

Mas, vem aí o 10 de Junho de 2018. O meu amigo Eduardo Ribeiro garante-me que o Poeta esteve cá . Muito provavelmente debaixo destas três pedras na minha frente, que não sei porquê chamam de “Gruta”. 

Mário Évora  08.06.2018

Artigos relacionados

 
 

Estudante angolano vence prémio na China

Hortêncio Cassemene venceu um prémio de Melhor Escritor Estrangeiro na China com o livro “The Foreigner”. Uma obra que o angolano descreve como “um guia de adaptação à China”, pensado para ajudar os estudantes internacionais, mas não só, a ultrapassar o choque cultural. Hortêncio Cassemene venceu em maio passado o concurso de Melhor Escritor Estrangeiro

Há obras que custam

As derrapagens nos orçamentos e nos prazos têm marcado as obras públicas. Agora que o metro ligeiro – uma das obras mais ambiciosas da RAEM – volta a ser tema, o PLATAFORMA faz o balanço do projeto e de mais quatro determinantes para a cidade.  O metro ligeiro voltou à ordem do dia. Desta feita, pelas

Um ano depois

Fez 10 mortos, dezenas de feridos e prejuízos avaliados em cerca 12 mil milhões de patacas. O então diretor dos Serviços Meteorológicos de Macau Fong Soi Kun foi demitido na sequência de um processo disciplinar instaurado pelo Governo. O Hato ficou na História. Um ano depois, revisitámos alguns dos sítios fustigados pelo maior tufão dos

“Nova era de aproximação”

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, e presidente moçambicano, Filipe Nyusi, anunciaram uma nova fase na relação entre os dois países, ultrapassando dívidas e o rapto de um empresário português.  Trocaram piadas e sorrisos. Fizeram juras de novos encontros e de aprofundamento da cooperação bilateral. O encontro entre o primeiro-ministro português António Costa e o

Viagem à Boa Vista

Fomos à terra do escritor Germano de Almeida em busca da morabeza que ele receia ter-se perdido. Descanse o homem das letras – e todos os viajantes apaixonados pelo arquipélago africano. A Boa Vista continua especial. Tenho medo de voltar, receio de se ter perdido a morabeza que lá deixei. Quero ficar com essa memória.

Impasse que perdura

Depois de mais de um ano de tensão política e dois meses após as eleições antecipadas em Timor-Leste, os solavancos políticos continuam por resolver. O impasse entre o Presidente da República e o primeiro-ministro timorenses sobre a nomeação de nove membros do VIII Governo permanece. De um lado Francisco Guterres Lu-Olo, Presidente da República e