ana-paula-laborinho

O centro do Mundo

Na última semana, decorreu no Porto a Cimeira do Clima que teve como uma das figuras mediáticas Barack Obama, embora os outros intervenientes não fossem de somenos, como a ex-diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, ou o Prémio Nobel da Paz, Mohan Munasinghe. Sabemos que Portugal pode ser um dos países mais afetados pelas alterações climáticas e esta iniciativa não deixou de pensar o problema nos seus efeitos locais, mas é o alerta global que se destaca, neste caso com um expressivo envolvimento das empresas por entenderem as perdas que podem resultar das mudanças aceleradas do clima. A cidade do Porto coloca-se, assim, no centro de um dos mais determinantes debates internacionais que decidirão o futuro coletivo.

Nos mesmos dias, Lisboa acolheu as celebrações do jubileu de diamante do príncipe Aga Khan que ali estabeleceu a sua sede mundial, depois de ter preterido outras cidades. Desde 1983 que a Fundação Aga Khan, criada em 1967, tem representação em Portugal até pelas relações da comunidade ismaili com Moçambique. A sua vasta atividade internacional representa um investimento anual de 600 a 900 milhões de euros em educação, cultura e combate à pobreza. Portugal não será apenas sede mas servirá de plataforma para muitas destas ações.

Longe vai o tempo em que o estigma de país periférico parecia tolher-nos a capacidade de criar e inovar. Longe vai o tempo em que tínhamos medo de nos lançar em desafios internacionais. São cada vez mais aqueles que ocupam lugares em organizações globais, começando pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, o recém-nomeado diretor-geral da Organização Internacional das Migrações, António Vitorino, e, nesta semana, Catarina Albuquerque para a Unicef.

Não somos o centro do Mundo, mas a condição de país do Sul não é mais um estigma. Se olharmos o mapa com olhos contemporâneos percebemos que o desenho a partir do centro europeu e ocidental é uma cartografia datada. EUA e alguns países europeus protegem-se das mudanças reconstruindo fronteiras e fechando-se dentro delas. Felizmente somos um país euro-atlântico que tem relações de longa data com África, Ásia e a América Latina. Não se trata de um dom universalista, mas de trabalho árduo e continuado de construção de pontes e a crença absoluta no multilateralismo. Não somos o centro do Mundo. Longe disso! Mas há centros no Mundo que ainda não perceberam que vão deixar de o ser. 

Ana Paula Laborinho* 13.07.2018 

*Professora universitária

Artigos relacionados

 
 

“Há uma nova Lusofonia, onde não se fala só português e o chinês vai fazer parte”

O Festival This Is My City chega ao fim de mais uma edição no domingo, com a estreia em São Paulo, Brasil. O fundador Manuel Correia da Silva diz que o evento prova que Macau pode ser a ligação entre a China e os países de língua portuguesa. A Lusofonia já está a mudar, defende.

A reunião que mudou a história

Há 40 anos uma reunião do Partido Comunista da China marcou o início do processo de abertura e reformas económicas. Deng Xiaoping escrevia a primeira página de uma História marcada por profundas transformações dentro e fora de portas.  Naquele  início de dezembro de 1978, Deng Xiaoping estava finalmente em condições para começar a moldar o

“Não fazia falta na Universidade de Macau”

Quatro anos depois, Inocência Mata está de volta à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Do período passado no território, a professora leva a riqueza da experiência humana e cultural, bem como a decepção de ter sido “subaproveitada” na Universidade de Macau. “Estava à espera de encontrar um outro tipo de academia”, admite. Inocência

País em impasse político

As eleições legislativas foram adiadas ‘sine die’ e ninguém se compromete com uma data. A tensão política regressou ao país. Desta vez, por alegadas irregularidades no processo eleitoral. Depois de mais de três anos de uma grave crise política, os principais atores políticos guineenses chegaram em abril a um acordo sobre um nome para ser

China e Portugal, uma relação que vem de longe

O reforço do papel de Macau no relacionamento entre a China e Portugal e como plataforma entre a China e os países de língua portuguesa, assim como a assinatura de um memorando de entendimento que formaliza a adesão de Lisboa à iniciativa de Pequim “Uma Faixa, Uma Rota” são dois dos marcos da visita de

“Desvinculei-me de mim”

“Sétimo Sentido” marca uma nova fase na carreira do escritor e professor de comunicação José Manuel Simões. O ex-jornalista e diretor do Departamento de Comunicação da Universidade de São José publica a sua terceira obra de ficção, tendo como referência uma viagem que fez à Índia e a voz de uma personagem feminina, a médica