B2_1

“A CHINA TEM DE TOMAR DECISÕES”

 

É difícil falar da luta contra o amianto sem falar de Laurie Kazan-Allen. Fundadora do Secretariado Internacional de Proibição do Amianto (IBAS), a historiadora e ativista britânica dedica-se à causa há cerca de 15 anos, com o estabelecimento de movimentos civis por todo o mundo e apoio às vítimas do amianto. 

 

PLATAFORMA MACAU - Em 2000 estabeleceu o Secretariado Internacional de Proibição do Amianto. Desde essa altura, o que mudou na luta contra o amianto? 

LAURIE KAZAN-ALLEN - Há boas e más notícias. As boas notícias é que menos países estão a usar o amianto, devido às proibições que foram estabelelecendo. Houve outras nações que não proibíram, mas cessaram a sua utilização.

As más notícias é que a quantidade de amianto utilizado é praticamente a mesma desde 2000 – cerca de dois milhões de toneladas. Só que a utilização passou dos países industrializados para os países em desenvolvimento.

As nossas estatísticas, que têm como base os dados dos Serviços Geológicos dos EUA, apontam que, entre 2000 e 2012, houve um aumento de 1315% no Turquemenistão, 464% no Paquistão, 300% da Indonésia e 251% no Sri Lanka. Cresce o amianto em países onde não existem leis que possam proteger a população.

Nos Estados Unidos, por exemplo, o amianto não foi [inteiramente] banido, mas a verdade é que ninguém o quer usar, e o mesmo acontece no Canadá. Os produtores de amianto não vendem nesses países, mas fazem-no chegar através de diferentes esquemas: propaganda ou subornos. É assim que o mineral chega à Índia, Uzbequistão, Indonésia ou China.

 

P.M. – Há um aumento da utilização na China?

L.K.A. - Sim, aumentou 50%. Dou-lhe um exemplo do que se passa na China. No ano passado houve um grande escândalo na Austrália, que importou à China carruagens para comboios. Acontece que foram encontradas algumas juntas de amianto ou outros produtos que continham esta fibra. Penso que o contrato estipulava que não podiam ser utilizados produtos com amianto.

Os chineses alegaram, por seu lado, que se tratava de crisótila (amianto branco), o que não seria o mesmo que amianto.

Mas claro que é. Se você perguntar aos fornecedores especificamente se vendem crisótila, pode ter uma respostas diferente do que se perguntar se é amianto.

A China tem de tomar decisões. Já proibiram o uso de crocidolita (amianto azul) e amosite (amianto castanho), mas é necessário pôr um travão à exploração mineira e proibir toda a sua utilização. A China está a crescer e não tem justificação económica para não o fazer.

 

P.M. – Falou em vários tipos de amianto. Prevalece ainda muito a ideia de que alguns são perigosos e outros não. Isso é verdade?

L.K.A. - Como historiadora, posso dizer-lhe que a ideia de que alguns tipos de amianto não são perigosos é algo que foi vendido pela própria indústria, à semelhança do que se passou com as grandes tabaqueiras. Desde os anos 1920, a indústria do amianto, através de uma série de pessoas, de carteis, e de cientistas alimentaram a ideia de que o amianto branco era seguro e que o amianto azul e castanho é que não seriam.

A razão pelo qual o fizeram é porque 95% do amianto alguma vez usado é branco.

O essencial aqui é que o amianto branco pode ser um pouco mais seguro que o azul e o castanho, mas morte é morte. Preferia ser morto por uma faca ou por uma bomba nuclear? Não é seguro para as pessoas trabalharem com este minério, nem viver em edifícios ou estudar em escolas onde ele existe. Há alternativas mais seguras e por que não as usamos?

 

P.M. - Porquê?

L.K.A. - Por exemplo, os russos produzem amianto porque têm minas onde o exploram e querem continuar a vender. Por trás, têm toda uma máquina de propaganda que continua a dizer às pessoas que é seguro.

 

P.M. - Além de ser cancerígeno, existem ainda uma série de repercussões ambientais.

L.K.A. - Sim, claro. Em muitas fábricas na Rússia detetam-se estas fibras no ar e as pessoas que vivem ou trabalham ali perto inalam estas partículas. Muito do lixo é deitado ainda em áreas contíguas a estas zonas, o que afeta a saúde da população.

Nós já documentámos a existência de grupos de pessoas com cancro que viviam à volta de fábricas no Japão, Estados Unidos ou Grã-Bretanha.  Epidemiologistas que estudaram estas doenças falam de um foco geográfico, relacionando a localização das fábricas e o local onde estas pessoas vivem.

Tenho colegas que fizeram este estudo na Bélgica e encontraram grupos cancerígenos perto de duas ou três das principais unidades fabris.

 

P.M. – Pode então dizer-se que já não é só uma doença ocupacional?

L.K.A. - No passado, era definida dessa forma. Basta pensar nas doenças que afetavam os trabalhadores de estaleiros, canalizadores, eletricistas que trabalhavam em edifícios onde existia amianto. Não se pensava que poderia vir a afetar professores ou médicos, mas há casos que provam o contrário.

O ator Steve McQueen morreu de cancro derivado do amianto. Sabe-se que durante a II Guerra Mundial esteve na marinha e sabe-se também que gostava muito de motas. No entanto, não se sabe de que forma esteve exposto ao mineral.

Mesmo Barack Obama escreveu no seu primeiro livro sobre a sua experiência em Chicago quando trabalhou como organizador comunitário. Teve dificuldades ao tentar mobilizar pessoas que viviam em apartamentos contaminados com amianto. Obama conhece o problema, embora ainda não tenha feito nada enquanto presidente.

 

P.M. - O IBAS trabalha com vítimas do amianto. Diria que, de uma forma geral, doentes que não tiveram um contacto direto e óbvio com o amianto chegam a perceber o que aconteceu?  

L.K.A. - É uma situação muito triste. Diria que muitos já têm essa consciência.

Há pouco tempo houve um grande escândalo nos EUA sobre a contaminação do amianto no pó de talco. Existe a suspeita de que a exposição ao amianto poderia também ser a causa de cancro nos ovários. Como sabe, o pó de talco é utilizado em zonas íntimas.

Também aqui no Reino Unido, muitas escolas construídas após a II Guerra Mundial têm amianto. Hoje pessoas que estiveram expostas nestes espaços quando tinham dez ou quinze anos têm hoje cancro.

 

P.M. - E o que se deve fazer a esses edifícios antigos. Qual é a posição da comunidade internacional?

L.K.A. – Apesar de defendermos que todas as construções devem ser seguras, entendemos que financeiramente nem é sempre viável.

Primeiro devemos entender onde foi colocado o amianto e para isso deve ser levada a cabo uma auditoria.

Se os materiais à base de amianto estiverem em boa forma, então podem ser rotulados para que todos saibam onde estão e para que seja possível ir fazendo a sua fiscalização.

Mas, por exemplo, se o isolamento de tubagens tem amianto e se se foi deteriorando ao longo dos tempos, pode representar um perigo. Pode selar-se essa zona, mas depois talvez tenha de ser feita a sua remoção.

A demolição é uma hipótese, mas o amianto deve ser retirado antes disso acontecer para que as fibras não se espalhem pelo ar.

Devem ser utilizadas as técnicas mais modernas.

De outra forma, o perigo será maior do que era inicialmente. Mas, o primeiro passo é sempre decretar a sua proibição.

 

P.M. - Ainda em relação ao trabalho da IBAS, quais são os vossos projetos futuros?

L.K.A. - Somos uma organização muito pequena, mas a razão pela qual parecemos tão dominantes é porque trabalhamos muito de perto com colegas em todo o mundo. Temos todos os tipos de projetos e trabalhamos com a população, com os legisladores e com políticos.

Como historiadora, interessa-me atualmente registar o comportamento desta indústria e mostrar que o que faziam nos anos 1920 e 1930 ainda estão a fazer em 2014. Algumas das pessoas mudaram, a língua também, mas as estratégias mantêm-se, os argumentos são mais sofisticados. Quanto à industria, continua a fazer tudo o que pode para continuar a vender.

 

BRASIL ALERTA

P.M. – Tem mencionado uma série de escândalos ao longo desta entrevista e lê-se cada vez mais nos jornais casos levados a tribunal pelas vítimas do amianto. No Brasil, por exemplo, um dos maiores produtores e consumidores de amianto do mundo, isso também está a acontecer?

L.K.A. - No Brasil existem muitíssimos casos. Em 1995, foi formada a Associação Brasileira dos Expostos ao Amianto. Nessa altura, a indústria estava sob o domínio dos media. Eles diziam que a crisótila (amianto branco) era segura e as pessoas acreditavam.

As vítimas do amianto formaram a associação em Osasco, perto de São Paulo, depois abriram uma sucursal no Rio de Janeiro e penso que entretanto já existem 12 sucursais no país. Então, as vítimas começaram a dizer aos jornalistas que o amianto não era seguro, que as pessoas morriam. Lentamente, a comunicação social começou a aperceber-se do problema. A associação revolucionou a perceção que existia no que diz respeito aos riscos associados ao mineral.

Neste momento há muitos casos em tribunal e o Supremo Tribunal está a considerar a constitucionalidade da utilização do amianto. Se a Constituição do Brasil garante a dignidade laboral e o direito à saúde, então o uso do amianto vai contra estes dois princípios. E, por isso, como pode uma política nacional que permite a utilização do amianto ser constitucional?

 

P.M. - Mas o amianto já está proibido em vários estados brasileiros.

L.K.A. – Sim, está proibido em sete estados. São Paulo proibiu, o Rio de Janeiro também, embora seja utilizado em fábricas. As companhias dizem que se deixarem de o fazer, têm de fechar as portas.

 

P.M. - A utilização do amianto em Portugal foi proibida em 2005. Que leitura faz da situação atual do país?

L.K.A. - Alguns dos países da União Europeia estabeleceram a proibição ainda antes de 2005. Penso que Portugal foi um dos últimos a fazê-lo.

Diria que há ainda uma certa lacuna em Portugal. Em Espanha, por exemplo, as vítimas do amianto estão a fazer um grande trabalho para levar os casos à justiça. Acredito que em Portugal haja pessoas que tenham essa intenção, por isso, estes temas devem chegar aos meios de comunicação para que as pessoas comecem a falar deles.

 

Catarina Domingues 

 

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019