ministra

AGÊNCIA NACIONAL DE RESÍDUOS ARRANCOU EM ANGOLA

 

A ministra do Ambiente, Maria de Fátima Jardim, oficializou em Luanda o início das atividades da Agência Nacional de Resíduos (ANR), ao inaugurar as suas instalações, depois de ser criada há quatro meses pelo Executivo angolano.

 

Localizado na Urbanização Nova  Vida, o  novo edifício, de cinco andares, da Agência Nacional de Resíduos (ANR) marca uma viragem na gestão e tratamento de resíduos, disse a ministra  Fátima.

“Esperamos que a ANR cumpra com os planos estratégicos traçados para darmos também início ao programa de recolha seletiva e reciclagem de resíduos, com vista à promoção da saúde e bem-estar das populações”, augurou a ministra do Ambiente Fátima Jardim, acrescentando que a agência vai ajudar na implementação de normas e tratamento adequados dos resíduos hospitalares e urbanos.

Dirigida por comando de Sabino Pereira Ferraz, a ANR vai  regulamentar a atividade de concessão de serviço público na área do lixo, executar a política de gestão de detritos, na prevenção da produção, reutilização, reciclagem, valorização e eliminação de resíduos, com critérios de proteção ambiental, viabilidade económica, qualidade e eficiência do serviço.

Propor medidas legislativas, técnicas e económico-financeiras em matéria de política de gestão de resíduos, contribuir para o cumprimento de leis, regulamentos e normas aplicáveis são, entre outras, as funções atribuídas à  Agência, que foi criada em julho deste ano por decreto presidencial.

Artigos relacionados

 
 

Índios receiam ameaças do novo Governo

Os índios brasileiros temem que se concretizem as promessas políticas do novo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de atacar os direitos das comunidades tradicionais. As primeiras medidas políticas para o setor estão a acentuar os receios.  Leia mais em Plataforma Media. Carolina de Ré 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

“Os portugueses não podem ser só os expatriados”

O novo cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong defende a importância dos macaenses e dos chineses com nacionalidade portuguesa. Paulo Cunha Alves não teme a integração da cidade no Continente e olha para o projeto da Grande Baía como uma oportunidade da comunidade e cultura portuguesas se afirmarem. O português, diz, pode ser

O Fringe atinge a maioridade

O Festival Fringe de Macau está a completar 18 anos. Para a vice-presidente do Instituto Cultural (IC), Leong Wai Man, no ano em que atinge a maioridade, o festival quer “fazer emergir a arte na sociedade (…) visando proporcionar ao público novas experiências”.  Leia mais em Plataforma Media. Margarida Sajara Vidinha 18.01.2019

País em contagem decrescente

Depois do período natalício praticamente estagnado – até a recolha do lixo na capital esteve praticamente suspensa – Timor-Leste retomou, lentamente, a atividade com todos os olhos postos no Palácio da Presidência. Leia mais em Plataforma Media. António Sampaio 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019