CONSUMIDORES DE CARNE PODERÃO CAUSAR “ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS PERIGOSAS”

 

O consumo de carne e laticínios tem de cair para garantir as necessidades futuras de alimentos e ajudar a proteger o ambiente, alertam cientistas britânicos.

 

Cientistas britânicos defendem, num estudo recentemente publicado na revista Nature Climate Change, a necessidade de os amantes de carne trocarem os hamburgueres e bifes por uma dieta rica em vegetais para ajudar a prevenir as alterações climáticas.

Investigadores das universidades de Aberdeen e Cambridge desenvolveram um estudo conjunto sobre o que acontecerá se o mundo continuar a adotar uma dieta ocidentalizada baseada num consumo excessivo de alimentos, particularmente de carne e laticínios.

Se esta tendência se mantiver, concluíram, as metas internacionais de redução de emissões de gases de efeito estufa serão postas em causa pela indústria alimentar.

A pesquisa salienta que cada vez mais pessoas no mundo estão a adotar uma dieta americana, baseada num crescente consumo de carne e laticínios.

Se a população mundial aumentar para quase 10 mil milhões de pessoas e se se mantiver o atual estado das coisas, a área de cultivo aumentará 42% até 2050 para que os agricultores consigam dar resposta ao crescente consumo e a utilização de fertilizantes crescerá 45%. Este cenário poderá contribuir para a destruição de 10% das restantes florestas tropicais.

A desflorestação irá aumentar as emissões de carbono, a criação de mais gado elevará os níveis de metano e o acréscimo na utilização de fertilizantes acelerará as alterações climáticas, já que se estima que estes fatores combinados contribuirão para um aumento da quantidade de gases de efeito estufa produzidos pela indústria alimentar em cerca de 80%.

“Este não é um argumento vegetariano radical, é um argumento a respeito de comer carne em quantidades sensatas como parte de dietas saudáveis e equilibradas”, disse o professor Keith Richards da Universidade de Cambridge.

“Gerir melhor a procura, por exemplo focando-nos na educação sobre uma vida saudável, irá duplicar os benefícios, mantendo populações saudáveis e reduzindo de forma substancial as pressões críticas sobre o ambiente”, acrescentou.

A solução proposta por estes investigadores passa pelo consumo de porções de 85 gramas de carne vermelha e cinco ovos por semana e de uma porção diária de aves, bem como de pequenas quantidades de laticínios por dia, o que permitiria por si só reduzir para metade a quantidade de gases de efeito estufa da agricultura face aos níveis de 2009.

Outro dos objetivos, apontam, deve passar por se reduzir o desperdício de alimentos em 50%.

O professor Pete Smith da Universidade de Aberdeen salientou que “é necessário repensar o que comemos e encorajar a agricultura sustentável”.

Artigos relacionados

 
 

Índios receiam ameaças do novo Governo

Os índios brasileiros temem que se concretizem as promessas políticas do novo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de atacar os direitos das comunidades tradicionais. As primeiras medidas políticas para o setor estão a acentuar os receios.  Leia mais em Plataforma Media. Carolina de Ré 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

“Os portugueses não podem ser só os expatriados”

O novo cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong defende a importância dos macaenses e dos chineses com nacionalidade portuguesa. Paulo Cunha Alves não teme a integração da cidade no Continente e olha para o projeto da Grande Baía como uma oportunidade da comunidade e cultura portuguesas se afirmarem. O português, diz, pode ser

O Fringe atinge a maioridade

O Festival Fringe de Macau está a completar 18 anos. Para a vice-presidente do Instituto Cultural (IC), Leong Wai Man, no ano em que atinge a maioridade, o festival quer “fazer emergir a arte na sociedade (…) visando proporcionar ao público novas experiências”.  Leia mais em Plataforma Media. Margarida Sajara Vidinha 18.01.2019

País em contagem decrescente

Depois do período natalício praticamente estagnado – até a recolha do lixo na capital esteve praticamente suspensa – Timor-Leste retomou, lentamente, a atividade com todos os olhos postos no Palácio da Presidência. Leia mais em Plataforma Media. António Sampaio 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019