MOÇAMBIQUE COM SOLOS EMPOBRECIDOS

 

Um estudo da Aliança para Revolução Verde em África (AGRA) divulgado recentemente em Nairobi, capital do Quénia, coloca Moçambique no grupo de 13 países africanos que, nos últimos cinco anos, têm vindo a registar “a fuga constante de nutrientes essenciais no solo”, informou o jornal moçambicano Correio da Manhã.

Essa situação é tida como uma “grande ameaça para a segurança alimentar em África”, uma vez que o continente perde em média anual cerca de quatro biliões de dólares norte-americanos de produtividade agrícola, pelo menos nos últimos cinco anos, indica a pesquisa da AGRA.

“Na África subsariana o cenário é mais severo”, devido ao fraco serviço de extensão agrária e escassez de suplementos básicos de solos para culturas cruciais como o milho, banana e mandioca, cujo rendimento é muito baixo, aponta a AGRA, recomendando uma abordagem sustentável e rentável no uso de fertilizantes para o aumento de produtividade agrícola.

O fraco uso de fertilizantes na região subsariana de África faz com que os agricultores locais percam entre 30 e 80 quilogramas de nutrientes por hectare, como fosfato e nitrogénio, adverte o estudo, salientando que essa situação “mata as esperanças africanas” de acabar com a fome em 2025.

Como forma de minimizar o problema, o Programa de Saúde do Solo da AGRA está a apoiar um total de três milhões de agricultores dos 13 países africanos com solos empobrecidos, incluindo Moçambique, a adotarem o uso de material genético nas suas plantações, com destaque para as culturas de feijão, soja, milho, banana e mandioca.

Na Tanzânia, Malawi e Gana, a iniciativa da AGRA permitiu a duplicação do rendimento agrícola nas culturas de milho e soja, além de ter ajudado a recuperar cerca de 3,5 milhões de hectares de terra que eram dados como “esgotados” em termos de qualidade de solo.

Entretanto, um novo tipo de fertilizantes menos nocivo ao meio ambiente será “brevemente” experimentado em Moçambique, Gana e Tanzânia, de acordo com o estudo da Aliança para Revolução Verde em África, acrescentando que, numa primeira fase, serão distribuídas 225 mil toneladas do produto.

O novo tipo de fertilizantes está a ser desenvolvido no Burkina Faso, pelo Instituto do Meio Ambiente e de Pesquisa Agropecuária daquele país da região Ocidental de África.

 

Artigos relacionados

 
 

“O Governo é demasiado lento e limita-se a copiar”

Annie Lao acusa o Governo de ser passivo na proteção do ambiente. A ativista – que lançou uma petição sobre o desperdício de plástico e poluição que reuniu mais de seis mil assinaturas – defende que Macau está muito atrasado. Com 30km2, é a cidade do mundo que produz mais lixo em média por pessoa. 

Previsões para 2019 continuam positivas

Depois do início da guerra comercial sino-americana no ano passado, os líderes dos dois países chegaram pela primeira vez no passado mês de dezembro a um acordo de “cessar-fogo” de 90 dias. Porém, devido aos conflitos ainda existentes a nível político e comercial, a região de Macau, altamente dependente do consumo do Continente, poderá sofrer

“Não pode haver cultura de arbitragem se não existirem casos”

Fernando Dias Simões tem sido uma das vozes que mais se tem ouvido propondo Macau como um centro de arbitragem com foco no relacionamento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sete anos após ter chegado a Macau, o docente de Direito trocou este mês a Universidade de Macau pela Universidade Chinesa de

Hospital virtual contra a insularidade

A criação de um hospital virtual que garanta o atendimento de doentes de todas as ilhas de Cabo Verde por especialistas, 24 horas por dia, é a grande ambição dos responsáveis do programa de telemedicina no arquipélago. Leia mais em Plataforma Media. Sandra Moutinho 11.01.2019

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019