timor mar

Acordo com Austrália é exemplo para Mar do Sul da China

Quando chegou a Timor-Leste no início de setembro, Xanana Gusmão foi recebido em festa. Praticamente 18 anos depois de ter voltado ao país pela primeira vez após estar preso em Jacarta, o “pai” da nação timorense trazia mais uma vitória. Dias antes, a 30 de agosto, em Copenhaga, a delegação timorense que lidera há um ano e a sua congénere australiana finalmente alcançaram um acordo sobre os “elementos centrais” da delimitação de fronteiras marítimas entre os dois países.

Simbolicamente, o acordo foi alcançado no dia em que se comemoravam 18 anos da consulta popular em que os timorenses escolheram a independência, mas o seu anúncio só foi feito no dia 4 de setembro, exatamente 18 anos depois da manhã em que o então secretário-geral da ONU, Kofi Annan, leu os resultados que confirmavam a vitória da independência.

Essas “coincidências” são hoje recordadas em alguns ‘outdoors’ gigantes que continuam a marcar o feito nas mesmas ruas de Díli, onde outros cartazes, em inglês, agradecem a “Julie”, Julie Bishop, a chefe da diplomacia australiana, pelo seu sim ao acordo.

Apesar do conteúdo concreto do acordo continuar por ser revelado – e de não se saber ainda qualquer detalhe sobre o que significa exatamente partilhar os recursos do importante poço do Greater Sunrise – Timor-Leste recebeu a notícia em festa.

Xanana Gusmão, o negociador-chefe – é para já este o seu único título depois de uma longa carreira política em que foi líder da resistência, Presidente da República, primeiro-ministro e ministro do Planeamento e Investimento Estratégico – foi recebido em apoteose em Díli.

Uma longa caravana recebeu a equipa negociadora, assinalando um acordo que é crucial não apenas em termos das fronteiras em si, mas que inclui ainda um acordo sobre o estatuto legal para o desenvolvimento do poço de gás de Greater Sunrise no Mar de Timor.

No comunicado em que dá conta do acordo, a Comissão de Conciliação das Nações Unidas explica que a reta final foi alcançada em reuniões em Copenhaga, na última semana de agosto, mas remete mais detalhes só para mais tarde.

O acordo abrange “os elementos centrais da delimitação dos limites fronteiriços no Mar de Timor (…) aborda o estatuto legal e o estabelecimento de um regime especial para Greater Sunrise, um caminho para o desenvolvimento do recurso e a partilha da receita resultante”.

“Até que todas as questões sejam resolvidas, o acordo permanecerá confidencial. No entanto, as partes concordam que o acordo alcançado em 30 de agosto de 2017 é um marco significativo nas relações entre si e na amizade histórica entre os povos de Timor-Leste e Austrália”, refere o comunicado.

Recorde-se que os campos do Greater Sunrise, localizados em 1974, contêm reservas estimadas de 5,1 triliões de pés cúbicos de gás e estão localizados no mar de Timor, aproximadamente a 150 quilómetros a sudeste de Timor-Leste e a 450 quilómetros a noroeste de Darwin, na Austrália.

Xanana Gusmão saudou o acordo e agradeceu “a determinação e habilidade” da comissão em conduzir um processo “longo e às vezes difícil” que permite à população timorense “alcançar o sonho de soberania total e finalmente estabelecer os limites marítimos com a Austrália”. “Este é um acordo histórico e marca o início de uma nova era na relação de amizade entre Timor-Leste e a Austrália”, referiu na altura.

Agio Pereira, ministro de Estado e membro da delegação timorense, ecoou os comentários de Xanana Gusmão, saudando o papel do líder histórico timorense neste processo. “Este acordo foi possível devido à força e liderança do pai da nossa nação, o negociador-chefe Xanana Gusmão, que trabalhou com a Comissão e a Austrália para garantir a soberania política e económica da nossa nação e garantir o futuro do nosso povo”, disse.

Também a chefe da diplomacia australiana, Julie Bishop, saudou o acordo que classificou como um “dia histórico na relação entre Timor-Leste e Austrália. Este acordo, que vai de encontro ao interesse nacional de ambas as nações, reforça os laços de longa data entre os nossos Governos e os nossos povos”, disse.

Já o presidente da Comissão, Peter Taksoe-Jensen, saudou os dois países por terem alcançado “uma solução equitativa e equilibrada que beneficia ambos” depois de negociações “desafiadoras”.

Mas a importância do acordo vai muito além da relação entre os dois vizinhos, como destaca num recente artigo o diplomata e advogado singapurense Tommy Koh.

Koh diz que numa altura de conflitos e disputas em vários pontos do planeta – entre os quais destacou a tensão entre a Índia e a China sobre as suas fronteiras ou as várias disputas de soberania no Mar do Sul da China – o acordo entre Díli e Camberra é particularmente bem-vindo.

Assinala-se o facto de Timor-Leste ter utilizado um instrumento que não só legitima a Lei do Mar (UNCLOS, na sua sigla em inglês) mas, mais do que isso, recorre aos instrumentos disponíveis nessa importante convenção para resolver uma disputa fronteiriça significativa.

Ainda que, formalmente, a comissão não tenha função de tribunal e sirva apenas como fórum para apresentar uma recomendação às duas partes, a forma como as negociações decorreram – ambiente de confiança mútua e confidencialidade – apontam para uma resolução que será, necessariamente, implementada.

“Houve a vontade política de ambos os lados de encontrar um compromisso justo e duradouro. Ambos os lados estavam dispostos a dar e receber. Sem a necessária vontade política, o caso não teria sido bem-sucedido. Devemos felicitar os Governos de Timor-Leste e a Austrália por darem um bom exemplo para o mundo”, escreve Koh no artigo publicado na página online do Tembusu College, da Universidade Nacional de Singapura.

O caso, sublinha Koh, mostra que “os países que têm disputas sobre os limites dos seus mares ou reivindicações concorrentes sobre a soberania territorial devem considerar seriamente o uso da conciliação para as resolver”.  

A conciliação é uma fórmula, diz, que “ao contrário da arbitragem e da resolução judicial não é contenciosa e o resultado é consensual e com ganhos para todos”.

Vital foi também, sublinhou, ter conciliadores escolhidos “com sabedoria” – Timor-Leste e a Austrália escolheram dois cada, e estes quatro elegeram o quinto, o embaixador Peter Taksoe-Jensen, como presidente da Comissão. E, ao mesmo tempo, garantir que os dois países estavam “bem representados”. No caso de Timor-Leste, a nível político – com Xanana Gusmão e o ex-ministro de Estado Agio Pereira apoiados por dois grandes especialistas jurídicos, Vaughan Lowe e Michael Wood. Do lado australiano, a equipa foi liderada por Gary Quinlan, o vice-secretário do Departamento de Relações Exteriores e Comércio, apoiado pelos juristas Daniel Bethlehem e Chester Brown.

Agora resta esperar algumas semanas para que os detalhes do crucial acordo sejam conhecidos. Um acordo que não só aproxima politicamente Timor-Leste da conquista total e formal da sua soberania (falta ainda terminar as negociações com a Indonésia), mas que pode definir o futuro do desenvolvimento de Timor-Leste nos próximos 50 anos. 

António Sampaio-Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Artigos relacionados

 
 

Índios receiam ameaças do novo Governo

Os índios brasileiros temem que se concretizem as promessas políticas do novo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de atacar os direitos das comunidades tradicionais. As primeiras medidas políticas para o setor estão a acentuar os receios.  Leia mais em Plataforma Media. Carolina de Ré 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

“Os portugueses não podem ser só os expatriados”

O novo cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong defende a importância dos macaenses e dos chineses com nacionalidade portuguesa. Paulo Cunha Alves não teme a integração da cidade no Continente e olha para o projeto da Grande Baía como uma oportunidade da comunidade e cultura portuguesas se afirmarem. O português, diz, pode ser

O Fringe atinge a maioridade

O Festival Fringe de Macau está a completar 18 anos. Para a vice-presidente do Instituto Cultural (IC), Leong Wai Man, no ano em que atinge a maioridade, o festival quer “fazer emergir a arte na sociedade (…) visando proporcionar ao público novas experiências”.  Leia mais em Plataforma Media. Margarida Sajara Vidinha 18.01.2019

País em contagem decrescente

Depois do período natalício praticamente estagnado – até a recolha do lixo na capital esteve praticamente suspensa – Timor-Leste retomou, lentamente, a atividade com todos os olhos postos no Palácio da Presidência. Leia mais em Plataforma Media. António Sampaio 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019