timor-leste-dili.jpg copy

Maior seguradora de candeias às avessas

A NITL foi a primeira e, outrora, a maior seguradora do emergente mercado de Timor-Leste. Da carteira de mais de 500 clientes faziam parte, embaixadas, organizações internacionais e o próprio Governo timorense.

Hoje a empresa está sob administração do supervisor, o Banco Central de Timor-Leste (BCTL), há inúmeros processos contra antigos e atuais responsáveis e a NITL está, praticamente, com a atividade suspensa.

Acionistas da seguradora trocam acusações sobre a responsabilidade pela situação da empresa que levou à intervenção do BCTL e à apresentação de suspeitas de vários crimes financeiros ao Ministério Público (MP).

Eugene Ong, sócio minoritário da NITL, deu à Lusa, em Díli, a sua visão sobre um caso que, alegadamente envolve desvios de fundos da empresa pelo sócio maioritário, Collin Yap. Este, também em declarações à Lusa, a partir de Singapura, desmentiu essas informações, classificando-as como “politicamente motivadas”.

Em setembro, o BCTL anunciou ter levado ao MP um processo por suspeitas de fraude e lavagem de dinheiro contra os responsáveis da empresa. Segundo o banco central, uma investigação própria detetou “um número de sérias irregularidades procedimentais e financeiras em violação da Lei dos Seguros, incluindo desvio de fundos, cometidas por altos responsáveis” da NITL.

As versões de Ong e Yap contradizem-se, com o primeiro – que denunciou a situação ao BCTL – a acusar o segundo de ter desviado fundos para despesas pessoais e dinheiro para projetos noutras empresas e o segundo a dizer que o BCTL violou a lei e que Eugene Ong está motivado por uma disputa pessoal.

Ong detém 30 por cento da NITL, com o controlo a ser de Collin Yap (40 por cento) e da empresa que este detém, a First Capital (30 por cento). Ong e Yap, além de sócios são cunhados.

Collin Yap está atualmente em Singapura onde é diretor executivo da Jardine Lloyd Thompson (LPT) Asia, uma das principais resseguradoras do mundo. Em declarações à Lusa por telefone, negou quaisquer irregularidades, acusando o BCTL de “motivações políticas”.

Acusações de violação da lei

“O que o BCTL fez foi contra a lei. Nenhum dos diretores foi chamado para entrevistas ou questionado. Nunca me chamaram. Disponibilizei-me para lá ir e eles nunca quiseram”, assegurou Yap. Já o BCTL noticiou que pediu esclarecimentos aos responsáveis da NITL e que estes responderam. 

Eugene Ong justificou as denúncias às autoridades com base em alegadas irregularidades.

“Dei conta de que havia valores de despesas pessoais do Colllin cobrados à empresa. Coisas que, normalmente, não poderiam fazer parte dos gastos  da NITL”, afirmou. Acusou ainda Yap de ter desviado dinheiro da NITL para outra empresa da qual é também sócio. E mostrou à Lusa documentos que, alegadamente confirmam aquelas acusações. Yap desmentiu-as e sobre o alegado desvio, esclareceu que se tratou de “um empréstimo legítimo entre empresas”. 

António Sampaio 19.10.2018

Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Artigos relacionados

 
 

Índios receiam ameaças do novo Governo

Os índios brasileiros temem que se concretizem as promessas políticas do novo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de atacar os direitos das comunidades tradicionais. As primeiras medidas políticas para o setor estão a acentuar os receios.  Leia mais em Plataforma Media. Carolina de Ré 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

“Os portugueses não podem ser só os expatriados”

O novo cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong defende a importância dos macaenses e dos chineses com nacionalidade portuguesa. Paulo Cunha Alves não teme a integração da cidade no Continente e olha para o projeto da Grande Baía como uma oportunidade da comunidade e cultura portuguesas se afirmarem. O português, diz, pode ser

O Fringe atinge a maioridade

O Festival Fringe de Macau está a completar 18 anos. Para a vice-presidente do Instituto Cultural (IC), Leong Wai Man, no ano em que atinge a maioridade, o festival quer “fazer emergir a arte na sociedade (…) visando proporcionar ao público novas experiências”.  Leia mais em Plataforma Media. Margarida Sajara Vidinha 18.01.2019

País em contagem decrescente

Depois do período natalício praticamente estagnado – até a recolha do lixo na capital esteve praticamente suspensa – Timor-Leste retomou, lentamente, a atividade com todos os olhos postos no Palácio da Presidência. Leia mais em Plataforma Media. António Sampaio 18.01.2019 Exclusivo Lusa/Plataforma Macau

Mercado de dívida mais internacional

Portugal e Paquistão avançam em 2019 para a emissão de ‘panda bonds’. BNP Paribas tem autorização para investir no mercado. Leia mais em Plataforma Media. Maria Caetano 11.01.2019

Estreito de desentendimento

Apesar do discurso do presidente chinês, Xi Jinping, Taipé recusa termos propostos e diálogo político permanece distante. Governo de Macau dá apoio total à iniciativa do Presidente. Leia mais em Plataforma Media. José Carlos Matias 11.01.2019