PM-123

Susana Chou à pesca na plataforma

Dá pelo nome de Perfeição; é uma empresa recente, relativamente desconhecida, que aposta em dar cartas na intermediação de negócios na geografia da língua portuguesa. À frente do projeto está um grupo de jovens, todos de língua materna chinesa, mas todos eles falantes também do português. Por trás do projeto, com uma rara carteira de contactos, e reconhecido músculo financeiro, está Susana Chou.
Já fora da política ativa, a empresária vê oportunidades de negócio no cruzamento com a estratégia chinesa para a Lusofonia. Neste caso, posicionando-se na plataforma de serviços que vai conquistando vontades e multiplicando estratégias em Macau. Estão no mercado com vários serviços, desde a tradução à consultadoria, mas apenas para “assegurar receitas que paguem as despesas”, explica Sandy Chan, diretora executiva da Perfeição. O objetivo principal, esse, é claro: “Intermediar investimentos chineses nos países de língua portuguesa”.
O primeiro negócio mediado por esta equipa está praticamente selado, razão pela qual já podemos anunciar”, sorri Vera Zhou, diretora de projeto. A Ningtai, uma empresa privada que conta com o apoio das autoridades de Zhoushan, província de Zheijiang, interessou-se no setor das pescas em Timor-Leste. Para esse efeito, abordou o Fórum Macau, a quem pediu contactos com especialistas na intermediação. Depois de uma anterior experiência que acabou abortada na Guiné Bissau – noutro setor e em representação de outro cliente – a Perfeição abraçou esta segunda oportunidade e deslocou-se a Díli, tendo logo aí multiplicado contactos oficiais e medido a racionalidade e a segurança do investimento.
Feitos os estudos e as análises, através de uma parceira técnica escolhida em Portugal, os contactos políticos pareciam correr de vento em popa. Entusiasmados pelo aval oficial, e depois de observarem no terreno os portos e as docas de pesca, os investidores quiseram também garantir a segurança das embarcações: “Cerca de 200 barcos de pesca chineses foram recentemente retidos na Indonésia e o nosso cliente estava com receio disso”, explica Vera Zhou. Entendidas as diferenças, entre um cenário e outro, foram então pedidas duas licenças para o Mar de Timor, optando-se por uma estratégia de crescimento gradual da operação.
Eis senão quando começam a surgir surpresas para quem está ainda a ganhar experiência nos mares da Lusofonia. “Primeiro, demoraram muito tempo a responder”, comenta Sandy Chan. Depois o dossier mudou de ministro e o processo parecia novamente andar para trás. Contudo, novas adaptações ao projeto, “para responder às exigências do governo”, explica Sandy Chan, e de novas reuniões em Díli, o problema parecia sanado. Mas nada de confirmação oficial. Afinal, foram informados, Timor preparava-se para negar as licenças. Motivo: falta de confiança, quiçá desconhecimento, depois de más experiências anteriores com empresas chinesas, “que acabaram por não investir nem pescar”.
Tudo se resolveu agora no contexto da Conferência Ministerial do Fórum Macau. Uma empresa timorense, bem como governantes de Timor-Leste, reuniram-se cá com os investidores; conheceram pessoalmente Susana Chou e verificaram o envolvimento de representantes do governo de Macau e da província de Zhejiang. “Perceberam então que o negócio era sério e o ministro timorense garantiu-nos que emitirá as licenças”, remata Sandy Chan. Os barcos em causa vão ser entretanto adaptados na China enquanto esperam que lhes abram as portas do Mar de Timor.
Foram à pesca do negócio, que vai dar peixe. “Queremos muitos mais! Somos jovens mas acreditamos que esta é uma boa oportunidade. Estando a indústria do jogo como está precisamos de encontrar alternativas para o futuro e esta é boa”, explica Sandy Chan, já focada nas outras oportunidades de negócio que pescou em Timor: “Turismo e aquacultura”.

古步毅 Paulo Rego

ED#123

Artigos relacionados

 
 

“O altruísmo do espírito cabo-verdiano é tudo o que sempre quis”

Shauna Barbosa é poeta, filha de mãe norte-americana e pai cabo-verdiano. A sua escrita tem o sabor e o ritmo dos dois lados do Atlântico. Cape Verdean Blues, o primeiro livro da autora, está a ser recebido com entusiasmo. Muitos leitores terão ficado a saber da existência da poeta Shauna Barbosa da mesma forma que

“Macau pode fazer mais e melhor”

O presidente do Instituto Politécnico de Macau defende que a região tem de saber tirar maior proveito do que a faz singular: a cultura e língua portuguesas. A presença do português foi uma das batalhas de Lei Heong Iok enquanto liderou a instituição que deixa no próximo mês. Sai do Instituto Politécnico de Macau (IPM)

Cultura com limites

A primeira edição do “Encontro em Macau – festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa” termina no domingo. No fim de semana passado, também teve lugar a primeira edição do Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa. O objetivo é que se tornem eventos

“Presidência pode marcar viragem para consolidação da CPLP”

A ilha cabo-verdiana do Sal acolhe, a 17 e 18 de julho, a XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). A cimeira para a qual está confirmada a presença de oito dos nove chefes de Estado da organização – Timor Leste cancelou a presença –

UNESCO: Lusofonia em peso

Cabo Verde quer garantir já para a semana o apoio de Portugal, Angola e Guiné-Bissau à candidatura conjunta do campo de concentração do Tarrafal a património da Humanidade. São Tomé e Príncipe, e Timor-Leste estão também a planear apresentar candidaturas junto da UNESCO. A cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) começa na

Lusofonia: unidos pelo património

O primeiro “Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa” terminou com um apelo dos dirigentes culturais lusófonos à criação de uma plataforma para a cooperação na proteção do património conjunto, nomeadamente o que se encontra nos países menos desenvolvidos.      Dois dias que souberam a pouco. Foi o que sentiram